A saúde global para todos depende da água, do saneamento e da higiene

4 min read
Healthy Start

Esta semana, o Japão está a demonstrar a sua liderança na saúde global ao co-hospedar um Fórum de Cobertura Universal de Saúde (UHC) de líderes internacionais e decisores políticos, parte do impulso para garantir a cobertura de saúde para todos até 2030.

Com a própria história do Japão de se reconstruir na sociedade próspera e prospetiva de hoje, com provisões eficazes para garantir cuidados de saúde para todos, os seus líderes estão bem posicionados para assumir um papel de liderança no movimento Cobertura Universal de Saúde, que visa garantir a preparação para a pandemia e uma melhor saúde para todos através de sistemas de saúde fortalecidos.

À medida que o fórum – coorganizado pelo Banco Mundial, Organização Mundial da Saúde, UHC2030 e Unicef - se reúne, a WaterAid convida os governos e doadores a agir em reconhecimento de que esse objetivo não pode ser alcançado sem se investir em água limpa, saneamento e boa higiene em todas as instalações de saúde, em todos os lugares.

Numa cidade moderna e tecnologicamente avançada como Tóquio, é difícil imaginar que existem partes do mundo em que as instalações de saúde funcionam sem água. Mas 38% das instalações de saúde no mundo em desenvolvimento, e 42% na África Subsariana, não têm acesso a uma fonte de água limpa, com um impacto devastador para pacientes, profissionais de saúde e comunidades.

Isto significa que médicos, enfermeiros e parteiras que fazem partos de bebés e tratam doentes com doenças críticas sem poder lavar as mãos ou esterilizar os implementos adequadamente. Significa que as mães trabalhadoras trazem a sua própria água - muitas vezes extraída de rios ou lagoas - para o hospital em bidões pesados de 20 litros, para que as enfermeiras possam limpar a sala de parto, e as suas famílias lavam os lençóis hospitalares em baldes de água suja e sabão.

A prevenção e controlo de infeções é quase impossível na ausência de água limpa, saneamento decente e boa higiene. Também é mais difícil prevenir doenças, bem como garantir uma boa recuperação. Diarreia, cólera, pneumonia, desnutrição, parasitas e tracoma causador de cegueira têm ligações à água potável, mãos, solo e alimentos contaminados com fezes humanas.

Em qualquer pandemia – seja SARS ou Ébola – o controlo da infeção depende criticamente do rigoroso controlo de higiene, juntamente com água limpa e bom saneamento. A resistência antimicrobiana fica mais forte quando o sabão e a água não estão disponíveis para a limpeza adequada, fazendo com que médicos e enfermeiros sejam obrigados a prescrevam antibióticos para prevenir infeções.

O Japão é líder mundial na ajuda para a água, saneamento e higiene, bem como para a saúde. Mais do que qualquer outra nação, os seus líderes entendem que a água, o saneamento e a higiene são um excelente investimento, proporcionando um retorno de 4 dólares em produtividade melhorada em cada dólar gasto e garantindo comunidades e países mais saudáveis e prósperos.

Isto é particularmente verdade nos cuidados de saúde, onde o trabalho da WaterAid nos mostrou que a incorporação de água, saneamento e higiene torna outros esforços de ajuda mais eficazes. Mais bebés sobrevivem quando os funcionários do hospital não são apenas formados em técnicas médicas, mas também dados os recursos e formação em procedimentos adequados de controlo de infeção. Menos crianças adoecem com diarreia quando as comunidades recebem pontos de água limpa, boas latrinas e promoção de higiene, especialmente quando os pais recebem formação sobre higiene adequada para manuseio e armazenamento de alimentos, e quando e como seus filhos devem lavar adequadamente as mãos com sabão.

O Fórum Universal de Cuidados de Saúde desta semana analisará os progressos na cobertura universal de saúde a nível global, regional e nacional. A água, o saneamento e a higiene devem ser uma parte central desta agenda, através de uma abordagem integrada que olhe para além da infraestrutura para uma forte monitorização e responsabilização, melhoria da gestão e operação dos serviços, melhoria da formação para higiene e limpeza, melhoria dos sistemas regulatórios e de acreditação e financiamento adequado.

Nós olhamos para o Governo do Japão, enquanto anfitriões e principais doadores, para defender a necessidade de investimentos integrados, incluindo água, saneamento e higiene, para fornecer cuidados de saúde de qualidade para todos.

Este artigo de opinião foi originalmente publicado no website de comunicação social japonês Asahi Shimbun aqui.