Abordagens para saneamento urbano — que ferramenta escolher?

2 min read
Miniatura
WaterAid/ GMB Akash/ Panos

Conhece o seu diagrama de fluxo de fezes do seu SaniPath? Rémi Kaupp, Especialista em Saneamento Urbano da WaterAid UK, navega pela variedade de abordagens disponíveis para os planeadores de saneamento atuais que trabalham para encontrar soluções.

Como o meu colega Andrés disse recentemente, estamos a viver tempos emocionantes quando se trata de saneamento urbano, a minha principal paixão. Após décadas de apenas os grandes esgotos a serem considerados uma solução (apesar de serem inacessíveis para os municípios e para os moradores), uma variedade mais ampla de soluções é agora considerada. As opções agora incluem sistemas descentralizados e gestão de lamas fecais para latrinas de poço - de longe ainda o tipo de casa de banho mais comum nas cidades em desenvolvimento. O pensamento também evoluiu, de uma infinidade de projetos-piloto isolados para mais trabalho em toda a cidade lado a lado com autoridades e serviços públicos.

Com este progresso veio uma ampla gama de abordagens e ferramentas, especialmente nos últimos anos. Agora é difícil para os planeadores e para nós trabalhadores das ONG escolhermos o que usar; pode ter ouvido falar de diagramas de fluxo de fezes, Planos de Segurança de Saneamento, SaniPath... então, por onde começar?

Para sustentar a minha posição, recentemente fiz uma rápida revisão e preparei estas tabelas (pdf, mais uma versão pdf em francês), os meus colegas da WaterAid e eu termos uma ideia melhor de que ferramenta é útil para que estágio e em que contexto. Inclui as ferramentas utilizadas para envolver as autoridades municipais para, por exemplo:

  • Escolher como representar a escala do problema.
  • Defender a inclusão de saneamento no local.
  • Priorizar as áreas onde se focarem primeiro.
  • Escolher tecnologias específicas.
  • Incluir comunidades em serviços de planeamento.
  • E assim por diante.

As tabelas também incluem exemplos do uso das ferramentas em estudos de caso. Quatro delas estão a ser usadas pelo WaterAid: diagramas de fluxo de lixo na Etiópia; planos de saneamento em Moçambique; e SaniPath e a avaliação rápida de resíduos fecais no Camboja.

Diagrama de fluxo de fezes

Um “diagrama do fluxo de fezes” feito recentemente em Bishoftu, Etiópia, pela Universidade de Leeds com o apoio da WaterAid Etiópia.

A ideia agora é combinar estas informações com o que aprendemos através da investigação Um conto de cidades limpas , para ver como podemos adaptar as nossas abordagens ao saneamento urbano às oportunidades de mudança nas cidades e ao estágio de desenvolvimento do saneamento local.

Rémi Kaupp está no Twitter como @RemKau