Adeus a um grande campeão do WASH, Kofi Annan

3 min read
Kofi Annan
Stocklight

Esta semana, o nosso país e o mundo despedem-se de um grande estadista no funeral de Kofi Annan.

Este rapaz de Kumasi, no Gana, elevou a defesa do seu povo, e de tantos outros, às mais altas instâncias do governo, subindo na hierarquia das Nações Unidas até se tornar secretário-geral da ONU a 1 de janeiro de 1997: foi o primeiro homem da África subsariana a ocupar este cargo. Deu prioridade à ajuda e ao desenvolvimento, transformando o seu apelo à ação relativo ao HIV/SIDA no primeiro fundo global para combater a doença. 

Enquanto secretário-geral da ONU, Kofi Annan foi um visionário e um defensor dos direitos dos povos mais pobres e marginalizados do mundo, lançando o Pacto Global das Nações Unidas sobre Direitos Humanos, Trabalho e Ambiente para motivar as empresas a atuar de modo responsável e sustentável.

Emitiu a Declaração do Milénio da ONU, que conduziu àquele que na altura, foi o esforço mais ambicioso da história para derrotar a pobreza: os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio: um deles era reduzir para metade a proporção de pessoas no mundo sem acesso a água e instalações sanitárias adequadas. Em 2001, partilhou com as Nações Unidas o Prémio Nobel da Paz graças aos seus esforços visionários; posteriormente, estes deram origem aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável definidos em 2015. 

Kofi Annan apelou ao mundo para que libertasse mulheres e jovens do seu fardo diário de transporte de água ao longo de enormes distâncias. Criou o Conselho Consultivo das Nações Unidas para a Água e Saneamento para ajudar a mobilizar fundos para projetos de água e saneamento.

Posteriormente, enquanto presidente do conselho da Kofi Annan Foundation e membro da Fundação das Nações Unidas e da organização The Elders, os direitos e o bem-estar das pessoas mais pobres continuaram a ser o seu principal foco e preocupação.

Nesta fase de luto por Kofi Annan, vemos o legado que deixou e o trabalho que temos de continuar. Em 2000, 18% da população mundial não tinha acesso a água potável; atualmente, essa proporção diminuiu para 11%. A evolução ao nível da mortalidade infantil significa que 50 milhões de crianças que não teriam chegado aos cinco anos se tivessem nascido antes de 2000 conseguiram sobreviver.

No entanto, há muito mais para fazer. Ainda existem 2,3 mil milhões de pessoas em todo o mundo que não têm acesso a instalações sanitárias adequadas nos locais onde habitam: este é um número que mal se alterou em quase 20 anos. Ainda assim, 389 000 crianças com menos de cinco anos em todo o mundo morrem de diarreia associada à água contaminada, ao saneamento deficiente e às más condições de higiene: uma tragédia evitável. Aqui no Gana, apenas 14% da população utiliza instalações sanitárias domésticas limpas e seguras, e 2 em cada 10 pessoas ainda não têm acesso a água potável. Esta é uma situação que limita a saúde, a produtividade e os direitos humanos de cada homem, mulher e criança neste país.

Tal como dizia o próprio Kofi Annan:

Não iremos derrotar nenhuma das doenças infeciosas que assolam o mundo em desenvolvimento até termos vencido também a batalha pela água potável, pelo saneamento e pelos cuidados de saúde básicos.

Por parte da WaterAid, as nossas sinceras condolências vão para a sua família, e a nossa resolução firme é continuar o seu trabalho até que todos, em todos os locais, tenham acesso aos bens essenciais para a vida, como a água potável, as instalações sanitárias adequadas e uma boa higiene, que são de importância crítica para uma boa saúde, a educação e um futuro próspero.

Abdul-Nashiru Mohammed é diretor nacional da WaterAid no Gana @AbdulNashiruMo1