Calendários e questionários: como as aplicações podem ajudar a ensinar as meninas sobre a menstruação

4 min read
Girls testing the Oky app in Mongolia`
Alexandra Tyers

O COVID-19 reduziu o acesso a produtos sanitários e locais privados para gerir períodos. Mas, como descobrimos em um webinar recente organizado pela WaterAid e UNICEF, plataformas e campanhas digitais estão a mostrar-se altamente eficazes para educar as pessoas sobre saúde e higiene menstrual - agora e depois da pandemia.

Os impactos de género do COVID-19 são visíveis em todo o mundo. Para muitas pessoas que menstruam, a pandemia mudou a forma como gerem a sua saúde e higiene menstrual. As medidas de bloqueio e o aumento dos preços reduziram o acesso a itens essenciais, como produtos sanitários, água e sabão, bem como acesso seguro a casas-de-banho e outros espaços privados.

Mas, ao mesmo tempo, a pandemia demonstrou como as plataformas digitais podem alcançar meninas e mulheres com informações críticas e confiáveis, agora e em um mundo pós-pandemia. Plataformas digitais - como aplicações, sites, vídeos e fóruns - oferecem oportunidades de consultar meninas e ensiná-las sobre saúde e higiene menstrual.

Oky, a aplicação rastreadora de período, é um desses exemplos. Atualmente disponível na Mongólia e na Indonésia, Oky é o primeiro aplicação rastreador de período do mundo criado para e com meninas. A UNICEF consultou meninas nesses países para informar o design, os recursos e os requisitos do aplicação. Como resultado, a Oky fornece informações sobre a menstruação de maneiras divertidas, criativas e positivas - diretamente para os telemóveis das meninas. A aplicação apresenta rastreadores de ciclo individualizados, calendários e dicas, bem como alguns recursos não convencionais. Através do design gamificado da Oky, as meninas podem personalizar a aplicação selecionar e desbloquear avatares e jogar testes de saúde menstrual.

UNICEF-EAPRO - Oky App
Imagens da aplicação Oky.
UNICEF-EAPRO

Ao contrário de outros rastreadores de período, Oky é adequado para a idade e culturalmente: fornece conteúdo localmente relevante (por exemplo, para abordar mitos específicos, equívocos ou práticas prejudiciais) e está disponível em idiomas locais. Também foi projetado para que as realidades digitais das meninas incluam aquelas que podem ter acesso restrito a dispositivos ou baixa alfabetização digital, e está disponível com ou sem WiFi ou dados móveis para atender àqueles que vivem em áreas de baixa conectividade. Para proteger os dados de saúde das meninas, a Oky tem processos rígidos de proteção e governação de dados e não é comercial, o que significa que os dados não são vendidos com fins lucrativos.

Até agora, este aplicativo é incrível e eu realmente confio nele. Se você começou sua menstruação há alguns dias, este aplicativo é perfeito para você! E eu adoro como é para crianças como eu. Ele até dá dicas e fatos nutricionais. Você pode se exercitar e fazer mais coisas saudáveis. Eu tive minha primeira menstruação há mais de um mês e isso está realmente me ajudando.

Revisão pública na Playstore

Combinar campanhas digitais e presenciais tem sido essencial durante a pandemia e provou ser uma forma eficaz de mudar as normas em torno da menstruação e melhorar as relações de género e o acesso a conhecimentos e aptidões. Nas Filipinas, por exemplo, a campanha #MeronAko se concentra em educar alunos, professores e escolas sobre saúde e higiene menstrual. Desde 2018, a campanha (que significa “eu tenho” em tagalo) forneceu uma abordagem de aprendizagem inclusiva e interativa de género, bem como as ferramentas para ajudar os professores a facilitar as aulas e incluir os alunos. Dois anos após o lançamento da campanha, crianças e professores disseram que se sentiam mais confiantes para falar sobre menstruação, meninos disseram que entendiam melhor o manejo da higiene menstrual e as meninas disseram que sentiam menos vergonha de discutir os seus períodos.

Consultar meninas para entender suas realidades digitais e criar soluções com elas é a base de uma boa programação e desenvolvimentos tecnológicos na saúde menstrual. Essa experiência nos ensinou que as plataformas digitais podem ampliar as perspectivas e vozes de meninas e mulheres, e suas experiências de menstruação. É também uma forma especialmente eficaz de ouvir os grupos que são tradicionalmente marginalizados ou excluídos. Investir em plataformas digitais seguras e inclusivas para quem menstrua é fundamental em tempos como esses, quando correm o risco de ficar para trás.

— Brooke Yamakoshi é especialista em WASH, UNICEF
— Maria Dolores Picot é consultora de WASH, UNICEF
— Gerda Binder é Conselheira Regional de Género, UNICEF
— Alex Tyers-Chowdhury é especialista em Género e Inovação, UNICEF
— Chelsea Huggett é Líder Técnico - Igualdade e Direitos, WaterAid Australia

________________________________________________________________________

Este tópico foi discutido como parte de uma série de webinars em três partes sobre o WaterAid/UNICEF sobre o Dia da Higiene Menstrual.

Webinar #1: Alcançando todos — quem é deixado para trás?
Gravação | Apresentações (PDF)

Webinar #2: Construindo conhecimento e habilidades durante a pandemia e um mundo pós-COVID
Gravação | Apresentações (PDF)

Webinar #3: Intensificando a ação e o investimento em saúde e higiene menstrual
Gravação | Apresentações (PDF)

Imagem superior: Meninas participam de testes de utilizadores da aplicação Oky na Mongólia