Até que ponto está o Sul da Ásia a satisfazer as necessidades de higiene menstrual das suas adolescentes?

on
25 May 2018
Thumbnail
WaterAid/Sibtain Haider

Nosso gerenciamento de higiene menstrual em escolas no sul da Ásia com a UNICEF identificou o progresso, lacunas e prioridades na obtenção de serviços de gerenciamento de higiene menstrual em escolas em escala em oito países. A co-autora Therese Mahon descreve as descobertas com Claire Grayson e Rebecca Heald.

A adolescência é um ponto fundamental na vida, um momento de muitas mudanças — físicas, mentais e sociais. Para muitas pessoas, a transição para a idade adulta é quando as normas sociais em torno de género se tornam mais pronunciadas, e para alguns é quando as desigualdades associadas ficam entrincheiradas.

O início da menstruação é um dos principais marcadores da puberdade nas meninas, celebrado em muitas culturas como um sinal de se tornar uma jovem mulher. No entanto, esse passo para a idade adulta também é acompanhado por restrições culturais e sociais relacionadas a tabus em torno da menstruação e temores de que as meninas possam engravidar antes do casamento. Como uma colegial no Nepal partilhou connosco, "Parecia que não estamos autorizados a fazer nada agora... Quando não tivemos nossa menstruação, fomos autorizados a ir a qualquer lugar, mas agora eles dizem que não devemos ir a lugar nenhum. "

No entanto, a adolescência também apresenta uma janela crítica para quebrar ciclos de pobreza e transformar papéis de género. É relatado que educar as adolescentes trazem retornos substanciais, incluindo crescimento económico mais rápido, redução do casamento infantil, atraso na gravidez, aumento do bem-estar, promoção da democracia e melhoria da participação política das mulheres [1].

Sessão de higiene a decorrer numa aula na província Punjab, Paquistão, maio 2018.
WaterAid/Sibtain Haider
Meninas de uma escola na província de Punjab participam de uma aula de sensibilização para a higiene focada na Gestão da Higiene Menstrual.*

Para que as meninas desfrutem dos seus direitos à educação e cumpram o seu potencial de contribuir para a saúde e a riqueza de suas famílias, comunidades e nações de que precisam para gerir os seus períodos com conforto e confiança. Isso requer instalações de água, saneamento e higiene (WASH) na escola e em casa, compreender os factos sobre a menstruação, saber cuidar de si mesmos e um ambiente de apoio para lidar com as mudanças emocionais e sociais que estão a vivenciar.

O Sul da Ásia é o lar de mais adolescentes — cerca de 340 milhões — do que qualquer outra região, e a Índia tem o maior número mundial de crianças de 10 a 24 anos, com uma estimativa de 356 milhões. Cerca de metade desses jovens são do sexo feminino. Portanto, há uma enorme necessidade de garantir que os requisitos de gestão de higiene menstrual (MHM) de meninas e mulheres aqui sejam cumpridos.

Bons progressos no sul da Ásia, mas mais é necessário

Nos últimos 10 a 15 anos, a região do Sul da Ásia tem estado na vanguarda dos progressos para garantir que os serviços WASH, incluindo os das escolas, prestem atenção às necessidades das meninas e mulheres menstruadas. Para impulsionar a mudança no terreno, é essencial rever o progresso, identificar abordagens bem-sucedidas e inovações que possam ser ampliadas e garantir que as vozes de mulheres e meninas sejam ouvidas, de modo que as soluções atendam efetivamente às suas necessidades e promovam os seus direitos.

Em colaboração com a UNICEF, avaliámos o progresso e as experiências de incorporação do MHM em serviços de WASH escolar em todo o Afeganistão, Bangladexe, Butão, Índia, Maldivas, Nepal, Paquistão e Sri Lanka. Identificamos o que mais deve ser feito e o que pode ser construído para garantir que todas as meninas vão às escolas que as apoiam a participar plenamente durante a menstruação. No nosso relatório, partilhamos lições, boas práticas e oportunidades para promover e dominar o MHM nas escolas da região.

A pesquisa mostrou que, nos últimos anos, os países do Sul da Ásia têm feito bons progressos na melhoria da disponibilidade de instalações de lavagem nas escolas, incluindo casas de banho separadas para meninas para que elas tenham um espaço privado para trocar pensos menstruais e lavar. Muitos incluíram os padrões WASH nas escolas nas suas diretrizes de política e programação e estão a começar a integrar boas práticas de MHM nessas normas. Uma experiência significativa de implementação de higiene menstrual e WASH em programas escolares foi acumulada em toda a maioria dos países.

Vários países também começaram a incluir informações claras sobre a menstruação nos currículos escolares, e muitas políticas e estratégias nacionais relacionadas com a educação, o WASH e saúde sexual/reprodutiva agora reconhecem a importância do MHM na lavagem escolar.

No entanto, a nossa investigação sugere que mulheres e meninas ainda enfrentam desafios consideráveis, relatando menor participação nas atividades escolares e níveis reduzidos de concentração e confiança durante a menstruação. Os marginalizados por motivos de geografia, casta ou etnia, deficiência, desastres e pobreza são especialmente afetados.

Então, do que precisamos?

<strong</strong

Apesar do aumento da cobertura e financiamento de casas de banho separadas para meninas e meninos nas escolas, ainda falta priorização política e orçamentos para o WASH nas escolas, especialmente para MHM. Embora existam normas e diretrizes, existe uma falta de responsabilidade para garantir que estes sejam seguidos, particularmente para garantir que são acessíveis a todas, incluindo meninas com deficiência, e para manter as instalações e as manter limpas.

Materiais limpos e confortáveis que podem ser descartados adequadamente

No sul da Ásia, a maioria das mulheres e meninas usam panos para absorver o sangue menstrual. Muitas pequenas iniciativas promovem almofadas sanitárias reutilizáveis feitas localmente, que são mantidas no lugar melhor do que o pano e podem ser lavadas, secas (ao sol para matar bactérias) e reutilizadas.

Embora as almofadas descartáveis estejam amplamente disponíveis em algumas áreas, e algumas meninas preferem usá-las, especialmente quando estão na escola, muitas vezes são inacessíveis, e opções de descarte, como incineradores ausentes. Em países como a Índia, onde o uso de almofadas descartáveis está a aumentar rapidamente, o desperdício está a tornar-se um problema significativo. É necessária uma visão a longo prazo para permitir que as meninas façam a escolha certa para elas, procurando por toda a cadeia de serviços fornecimento, utilização e descarte.

Informações precisas e práticas e apoio social

Meninas e meninos precisam de informações adequadas à idade para entender as mudanças que estão a passar, e promoção de higiene para incutir comportamentos saudáveis. A promoção eficaz da higiene e a educação da puberdade, incluindo os factos sobre a menstruação, são inadequadas em todo o sul da Ásia.

Uma ampla gama de mitos, tabus, normas e crenças e práticas tradicionais em torno da menstruação persistem, afetando a capacidade de meninas e mulheres de gerir as suas menstruações e continuar as suas atividades quotidianas.

No sul da Ásia, investigações mostram que a proporção de meninas que não sabem o que é menstruação quando a experienciam pela primeira vez varia de 36% no Bangladexe a 66% no Sri Lanka. Isso significa que as meninas sentem vergonha, medo e constrangimento quando têm o seu primeiro período. Precisam de apoio prático e social dos seus pares, famílias e professores para se sentirem confortáveis e confiantes durante a menstruação.

Foram feitos esforços para melhorar a capacidade e os recursos dos professores, e as redes sociais e a aprendizagem peer-to-peer ajudaram a alcançar mais adolescentes. Mas há necessidade de integrar o MHM nos currículos escolares, no momento certo, e garantir que professores, pais e comunidades também tenham a informação e a confiança certas para apoiar as meninas.

Oportunidades de melhoria

A nossa investigação destaca cinco áreas-chave nas quais se concentrar:

  1. Integração e coordenação intersetoriais. Em muitos países, o setor WASH liderou a integração do MHM no WASH nas escolas. Há agora um reconhecimento crescente de que o combate completo da menstruação, de modo que seja visto como um processo normal e saudável, apoiado com WASH, educação e serviços de saúde adequados requer uma mudança de olhar para a MHM para abordar a saúde menstrual de forma mais ampla. Por conseguinte, é necessária uma melhor a colaboração intersetorial, particularmente entre os setores da WASH, da saúde e da educação. É necessário mapear e entender melhor os papéis e responsabilidades das diferentes partes interessadas para o MHM nas escolas, para que todos entendam as suas obrigações e possam fazer uma melhor coordenação com os outros.

  2. Materiais e cadeias de fornecimento O envolvimento mais amplo com o setor privado pode acelerar o progresso, incluindo a ligação com os prestadores de serviços de gestão de resíduos e incentivar a responsabilidade social em torno da eliminação entre fornecedores de almofadas.

  3. Projeto e monitorização de programas de qualidade. É necessário compreender melhor os custos e os resultados do programa para determinar os elementos do programa que funcionam melhor em escala. A monitorização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) oferece uma oportunidade para obter um indicador de MHM nos sistemas nacionais de informação de monitorização da educação, o que facilitaria a medição do progresso e o relatório e incentivaria a ação. O buy-in político para os ODS e o aumento do saneamento é uma oportunidade para aumentar o acesso aos serviços de MHM nas escolas. Para capitalizar isso, precisamos desenvolver padrões claros para instalações sensíveis ao género e manutenção, com indicadores de monitorização, alinhados com os ODS.

  4. Plataformas de informação e comunicação. Os esforços para garantir que o MHM seja incluído de forma abrangente no currículo estão em andamento em vários países, podendo ser replicados. Tanto os canais formais, como informais de comunicação, incluindo as redes sociais e abordagens peer to peer podem ser usados para amplificar o impacto. A sociedade civil, ONGs, ONGs e ativistas também estão a começar a levantar as vozes das meninas para desafiar as normas sociais em torno da menstruação e exigir responsabilização dos portadores do dever por melhores instalações nas escolas.

  5. Equidade. Estão em andamento esforços destinados a “deixar ninguém para trás”, incluindo uma melhor acessibilidade e segurança das instalações escolares, incluindo para as meninas com deficiência. No entanto, é necessário mais, e alcançar meninas em regiões remotas ou inacessíveis e em situações de emergência requer mais atenção.

Com instalações para água potável, Casas de banho decentes e bons MHM nas escolas, os ODS sobre educação, igualdade de género e boa saúde e bem-estar estarão mais próximos ao alcance. Ao abordar essas áreas de oportunidade, os países do Sul da Ásia e outros, podem garantir melhores instalações e informações para as adolescentes, ajudando-as a concretizar os seus direitos à educação e à saúde e a virar a perceção sobre a desigualdade de género.

 

[1] Herz, B. & Sperling, G. B. (2004) “O que funciona nas evidências e políticas da educação das meninas do mundo em desenvolvimento”, Conselho de Relações Exteriores, Dando às Mulheres Oportunidade Económica: Iniciativas do Banco Mundial, Banco Mundial, “Novas Lições: O poder da educação adolescentes meninas', Conselho da População (2009).

*Este trabalho foi possível com a UK Aid do povo britânico.