Melhores dados para melhores decisões: como criar sistemas de monitorização nacionais centrados no utilizador para o WASH

9 min read
WaterAid/ Basile Ouedraogo

Em países de baixo rendimento, mesmo onde os dados de água, saneamento e higiene (WASH) são recolhidos, muitas vezes não são usados para informar decisões políticas. Stuart Kempster discute os desafios para a elaboração de políticas informadas em dados no WASH e apresenta um guia para ajudar os governos e os seus parceiros a avançar para sistemas de monitorização mais centrados no utilizador.

Demasiadas vezes, os investimentos em sistemas nacionais de monitorização para WASH não têm qualquer impacto significativo na tomada de decisões. O nosso projeto de pesquisa de dados a decisões mostrou que para garantir investimentos em monitorização nacional, impulsionar mudanças transformacionais no sistema WASH mais amplo, os governos e parceiros de desenvolvimento devem construir uma melhor compreensão do uso de dados, aproveitando insights da economia política e ciência comportamental.

Eles devem adotar uma abordagem de longo prazo, garantindo que os sistemas de monitorização sejam co-projetados com os utilizadores finais de dados e desenvolvam processos para incentivar o uso de dados e mitigar potenciais vieses, resultando em planeamento, orçamento e prestação de serviços informados em dados.

COVID-19 mostra como os sistemas nacionais de monitorização são vitais para uma política eficaz

O papel dos dados na formulação de políticas talvez nunca tenha sido tão proeminente, já que governos de todo o mundo lutam por evidências para informar as suas respostas à COVID-19. Respostas efetivas muitas vezes podem ser vistas para emparelhar com sistemas de dados fortes. Por exemplo, a capacidade do instituto de saúde pública da Alemanha para fornecer um fluxo constante de informações é dito ter sido um fator chave na resposta rápida do país à pandemia, tanto a nível nacional como local.

Em locais com fluxos de informação em saúde mais fracos, os governos têm procurado construir abordagens de monitorizações mais inovadoras para ajudar a sua resposta. Por exemplo, o Governo da Índia fez uma parceria com a rede nacional de vigilância da poliomielite da Organização Mundial da Saúde para ajudar a fornecer os dados necessários para lidar com a COVID-19. A União Africana e o CDC de África estão a apoiar os Estados para integrar testes para o vírus em sistemas nacionais de vigilância existentes.

A pandemia também mostrou que os sistemas nacionais de monitorização que não respondem às necessidades dos tomadores de decisões podem prejudicar a resposta. No Reino Unido, por exemplo, a capacidade dos líderes locais de gerir novos surtos de coronavírus tem sido dificultada por lacunas no relatório de dados de infeção para regiões subnacionais. O prefeito de Leicester citou essa lacuna como uma das principais razões para a resposta política atrasada da cidade a um aumento recente em casos de vírus.

Desafios dos sistemas nacionais de monitorização para WASH

Os desafios práticos da utilização dos sistemas nacionais de monitorização como base para a elaboração de políticas informadas em evidências não são novidade para aqueles que trabalham no setor global de WASH. Em 2018, reunimos uma sessão paralela na Conferência de Água e Saúde (PDF) do UNC, reunindo uma ampla gama de partes interessadas para discutir como as agências de desenvolvimento podem efetivamente se envolver nessa área complexa. Os participantes levantaram questões familiares:

  • A recolha de dados e a sua utilização na tomada de decisões é inerentemente política, o que tem de ser reconhecido explicitamente.
  • A recolha de dados é muitas vezes impulsionada por fatores e processos externos, culminando em muitos dados e em muitos relatórios. É necessário mais esforço para entender que dados são necessários para quem e para que decisões.
  • É importante que os dados subnacionais alimentem os processos nacionais de forma contínua e, de igual modo, que os resultados dos processos nacionais sejam documentados e em cascata para níveis subnacionais, onde podem então ser implementados.
  • É particularmente necessário reforçar os laços entre os programas de acompanhamento e uma reforma mais ampla do setor, garantindo a alimentação de dados nos processos de aprendizagem e adaptação.

A história dos programas nacionais de monitorização de WASH em países de baixo rendimento tende a ser um dos potenciais não atendidos; mesmo quando os dados são recolhidos, muitas vezes eles não informam quem toma as decisões. A transformação prometida pelo maior uso de dados no planeamento, orçamento e prestação de serviços não está em grande parte a ser cumprida.

Ali Sabo, 51 anos, um monitor de água, demonstra como usa um medidor de chuva para monitorizar as chuvas, Dungass, no departamento de Dungass, Zinder, Níger, fevereiro de 2019.
Ali Sabo, um monitor de água, demonstra como usa um medidor de chuva para monitorizar as chuvas em Dungass, Zinder, Níger.
WaterAid/ Basile Ouedraogo

O que precisa mudar para melhorar a monitorização?

O Banco Mundial argumentou que, para superar esses desafios, precisamos avançar para uma «cultura de dados centrada no utilizador (PDF)». Nos últimos dois anos, temos tentado identificar como isso pode ser alcançado no setor de WASH. Pesquisas anteriores sobre monitorização do setor (PDF) destacaram que, juntamente com a produção de dados, é importante fortalecer instituições, processos e incentivos. Mas tem havido pouca discussão sobre como isso pode ser alcançado na prática.

Para tentar responder a esta pergunta, encarregámos o Overseas Development Institute para produzir uma revisão da tomada de decisão baseada em evidências, com base na economia política e literatura científica comportamental.

Combinando esses insights com evidências sobre as práticas dos programas nacionais de monitorização de WASH, desenvolvemos uma estrutura para ajudar os atores a entender melhor e fortalecer o uso de dados nas decisões políticas.

Como reforçar a utilização dos dados na elaboração de políticas: o quadro de utilização de dados

Passo 1: Propósito. Que tipos de decisões são tomadas e por quem?

Grande parte da literatura de monitorização do setor refere-se a «uma decisão» sem especificar o propósito dessa decisão e quem está envolvido na sua tomada. No entanto, a ciência comportamental mostra que a forma como raciocinamos está fortemente ligada ao propósito de uma decisão. Por isso, é importante que o primeiro passo do framework procure identificar utilizadores específicos de dados e seus usos específicos — ou seja, as decisões ou atividades que os dados podem informar.

Passo 2: Contexto. Quais são as características do ambiente institucional e político em que essas decisões são tomadas?

A importância do contexto em que as decisões são tomadas é enfatizada tanto pela economia política como pela ciência comportamental. Na perspetiva dos utilizadores específicos e dos usos dos dados, a segunda etapa analisa a clareza dos arranjos institucionais, processos de planeamento e orçamento e prioridades políticas dentro do setor WASH e além.

Passo 3: Dados. Que tipos de dados e informações são necessários para os utilizadores dos dados para os seus fins?

A terceira etapa considera os tipos de dados necessários para atender às necessidades dos usos e utilizadores identificados. Analisa as características técnicas da produção de dados e como estes podem interagir com características contextuais em torno da tomada de decisão para promover ou inibir o uso de dados.

Passo 4: Processos. Como os processos governamentais suportam o uso de evidências e/ou atenuam potenciais vieses?

O passo final centra-se nos processosgovernamentais. Analisa mecanismos para relatórios de dados, sistemas de verificação de dados, plataformas para análise e partilha de dados e como os processos de monitorização são financiados. Do ponto de vista da economia política, esses processos são vitais para apoiar o uso de dados e podem desempenhar um papel importante ajudando a mitigar potenciais vieses cognitivos.

Em última análise, os agentes envolvidos na conceção — ou reformulação — de um sistema de monitorização nacional precisam prestar tanta atenção à utilização de dados como à produção de dados. E isso deve acontecer desde o início de qualquer projeto ou processo de redesenho.

Da teoria à prática

Para compreender melhor o valor prático do quadro de utilização de dados, utilizámo-lo para analisar exemplos contemporâneos de programas de monitorização setorial na Nicarágua, Serra Leoa e Timor-Leste.

O objetivo desses estudos de caso não era fornecer evidências de boas práticas a serem replicadas em outros lugares, mas sim demonstrar os tipos de insights que se podem obter através de uma melhor compreensão da utilização dos dados e mostrar como essas informações poderiam ser usadas para reforçar a conceção de programas de monitorização. O quadro a seguir apresenta uma panorâmica das conclusões e das suas implicações para os programas de monitorização setorial.

Passo no quadro

Insight chave

Implicações

Finalidade

Os processos de tomada de decisão não são um corte claro e os tomadores de decisão nem sempre se veem como tal.

Os programas de monitorização do setor que compreendem e trabalham com o grão desses processos complexos são mais propensos a resultar em maior uso de dados.

Os dados de monitorização WASH são usados para várias finalidades — e às vezes podem ser úteis mesmo que não sejam usados para tomar decisões específicas.

Os programas de monitorização setorial terão um maior impacto na utilização dos dados se considerarem desde o início todas as utilizações possíveis.

Contexto

Arranjos institucionais mais amplos, como a descentralização e a coordenação interministerial, podem promover ou inibir a tomada de decisão informada em dados.

Isto salienta a importância de alinhar os programas de acompanhamento setorial com as disposições institucionais existentes, tanto verticais como horizontais.

A integração de dados de monitorização setorial nas principais funções de gestão das finanças públicas do governo é um passo fundamental na promoção da tomada de decisão informada em dados.

Isso demonstra a necessidade de programas de monitorização para integrar dados WASH dentro dos principais processos governamentais e para entender como esses processos são executados na prática.

Dados

O tipo de dados WASH necessários é específico para as decisões que estão a ser tomadas ou os usos potenciais, mas é improvável que os sistemas de monitorização atendam a todas as necessidades.

Os programas de monitorização do setor precisam priorizar as necessidades de dados mais críticas que reduzem muitos grupos de partes interessadas.

Problemas relacionados com a recolha e processamento de dados podem ter consequências importantes para o uso dos dados e vice-versa.

Isto salienta que nem a produção de dados nem a utilização de dados podem ser consideradas isoladamente — os programas devem ter por objetivo reforçar todo o subsistema de controlo do setor.

Processos

Uma cultura de relatórios pode desencorajar o uso de dados a nível local, mas processos bem projetados e «diálogos de dados» podem incentivar o uso em todos os níveis.

Para fomentar uma cultura de utilização de dados, os programas de monitorização devem ser alimentados em processos que produzam ações substantivas e acompanhamento.

A forma como a monitorização de WASH e as intervenções WASH são projetadas e financiadas molda a eficácia do uso de dados.

Os programas de monitorização setorial devem desenvolver processos colaborativos, participativos e adotar uma abordagem a longo prazo.


O guia de planeamento de uso de dados

Obviamente, esses insights são bastante genéricos e servem apenas para destacar o valor potencial dessa abordagem.

Para apoiar as partes interessadas a construir uma compreensão mais crítica dos problemas que afetam o uso de dados de monitorização WASH no seu próprio contexto específico, desenvolvemos o Guia de planeamento de uso de dados. No guia, fornecemos orientações passo a passo para apoiar governos e parceiros de desenvolvimento a aplicar a estrutura de uso de dados a programas de monitorização novos ou existentes.

O guia de planeamento não fornece um roteiro para todo o processo de conceção de um programa de monitorização setorial, mas pode informar estratégias para abordar questões de utilização de dados dentro desses programas. Destina-se a ser usado como o primeiro passo na conceção de um sistema de monitorização WASH centrado no utilizador, ou ao melhorar ou reprojetar um sistema existente para melhor apoiar o uso de dados.

Próximos passos

O relatório de síntese Dos dados às decisões, resumo de políticas e guia de planeamento estão disponíveis no WASH Matters. Estamos a trabalhar para integrar essas descobertas no nosso trabalho programático sobre monitorização do setor e usaremos evidências obtidas com essa experiência para influenciar o trabalho de outros.

A nossa pesquisa Dos dados às decisões mostrou que governos e parceiros de desenvolvimento precisam ir além da produção de dados para fortalecer todas as instituições, processos e incentivos necessários para melhorar o uso de dados na tomada de decisões. Isso pode ser conseguido através de uma melhor compreensão do uso dos dados, através de uma análise de propósito, contexto, dados e processos.

Stuart Kempster é Analista Sénior de Políticas - Administração da WaterAid UK.