Botas, luvas, máscaras. Fornecer EPI é suficiente para proteger os trabalhadores do saneamento?

6 min read
WaterAid/ CS Sharada Prasad

Com a COVID-19 a aumentar os riscos de segurança para os trabalhadores de saneamento, e à luz de algumas observações de sua relutância em usar equipamentos de proteção individual (EPI), queríamos descobrir por que os trabalhadores dos países tropicais nem sempre usam o EPI fornecido e como é que isso pode ser resolvido. Prerana Somani e Andrés Hueso partilham o que aprendemos.

Sem os trabalhadores do saneamento, os esforços para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 6 sobre o saneamento fracassariam – no entanto, os direitos desses trabalhadores à segurança, dignidade, saúde e bem-estar não são priorizados. Em muitos países, trabalhadores de saneamento, como limpadores de esgoto e esvaziadores, trabalham em condições que colocam sua saúde e vida em risco.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que os trabalhadores de saneamento estejam adequadamente protegidos. No entanto, os trabalhadores de saneamento em muitos países não têm acesso aos EPI – o que é fundamental para garantir a sua saúde e segurança ocupacional. A COVID-19 colocou em destaque o acesso dos trabalhadores aos EPI como um dos elementos que podem contribuir para sua segurança – nem sempre fornecido.

No entanto, também houve observações de que, mesmo quando os trabalhadores têm acesso aos EPI, muitos não o usam regularmente. Isso pode ser devido ao tipo de EPI ser desconfortável para usar e trabalhar, ou não adaptado às necessidades dos trabalhadores em climas tropicais e quentes. Precisamos ir além de distribuir mais EPI para proteger a nossa força de trabalho sanitário? Fomos saber mais.

Baljeet, um trabalhador de saneamento, coloca luvas de segurança para se proteger enquanto trabalha nos esgotos em Delhi, Índia.
Baljeet, um trabalhador de saneamento, coloca luvas de segurança para se proteger enquanto trabalha nos esgotos em Delhi, Índia.
WaterAid/ CS Sharada Prasad

O que desmotiva os trabalhadores de saneamento de usarem EPI regularmente?

Ramesh (nome mudado para proteger sua identidade), um limpador de drenagem da Índia, partilhou experiências comuns a muitos outros trabalhadores de saneamento com quem falámos que trabalham em lugares quentes e húmidos:

Devido à natureza da pandemia de COVID-19, agora recebi um conjunto de EPI do meu empregador. No entanto, não consigo usar as minhas botas de borracha e máscara por mais de dez minutos porque começo a suar.
 

Não gosto de usar luvas e máscara enquanto trabalho, pois diminui a minha velocidade. Preciso terminar meu trabalho a tempo, pois tenho que andar muito devido à falta de transportes públicos no confinamento. Uso máscara quando não estou a trabalhar, para me proteger do coronavírus. Também uso todos os EPI quando um supervisor me visita para supervisionar o meu trabalho.

Para aprofundar e identificar os fatores que resultam no uso subótimo do EPI por parte dos trabalhadores de saneamento em países tropicais, realizámos debates com especialistas de países como Tanzânia, África do Sul, Índia, Madagáscar, Senegal e Burkina Faso. As principais conclusões, capturadas em pormenor neste relatório, são:

  1. Uma das queixas mais comuns dos trabalhadores nesses ambientes quentes e húmidos é que o EPI fornecido não é respirável, proporcionando muito pouca ventilação. Como Ramesh, os trabalhadores sentem-se sufocados e suados enquanto trabalhavam, fazendo com que se sintam exaustos mais rapidamente do que normalmente.
  2. O design do equipamento de proteção é muitas vezes inadequado. Por exemplo, se um trabalhador de saneamento trabalha em solo húmido, com água derramada e lodo à volta, as botas de borracha fornecidas devem ter características antiderrapantes para dar tração. Foi relatado que as botas muitas vezes carecem de solas antiderrapantes, aumentando o risco de queda do trabalhador. Também foi relatada a má aderência das luvas que dificulta o desempenho dos trabalhadores do saneamento.
  3. O nível limitado de destreza que o EPI permite em várias tarefas desativa os trabalhadores de usá-lo regularmente. E os óculos usados em conjunto com máscaras embaciam, dificultando a visão dos trabalhadores.
  4. O ajuste da maioria dos EPI é inadequado para muitos trabalhadores. A maioria está disponível em alguns tamanhos padrão e com poucos recursos ajustáveis, não deixando espaço para personalização para caber o tipo de corpo de cada indivíduo. Isto é particularmente verdadeiro para as trabalhadoras de saneamento feminino, uma vez que os EPI geralmente são produzidos sob o pressuposto de que o setor de saneamento é dominado por trabalhadores do sexo masculino.

A imagem mais ampla

Todos os especialistas que entrevistámos todos partilharam opiniões semelhantes: há uma falta de entendimento entre órgãos municipais locais e empregadores privados sobre os problemas específicos que os trabalhadores de saneamento enfrentam durante a utilização de EPI, razão pela qual não é dada a devida atenção ao aprimoramento da sua utilização entre os trabalhadores. Eles citaram:

  • Falta de consciencialização entre as partes interessadas, incluindo os trabalhadores do saneamento, sobre a importância do uso de EPI no trabalho
  • Aquisição em massa de EPI causando problemas de ajuste e dimensionamento
  • Provisão tardia de EPI e taxa de reposição muito fraca, levando a um mau desenvolvimento de hábitos de uso e trabalho em EPI
  • Falta de instalações de limpeza e armazenamento resultando na carga de trabalho adicional de transporte de EPI de e para estações de trabalho e limpeza após cada dia de trabalho
  • Falta de formação sobre a colocação, remoção e manutenção de EPI, resultando na perda de integridade e função dos EPI após múltiplos usos
Trabalhadores do saneamento usam uma mangueira de jato de 37 m ligada a um camião mecanizado para fazer a manutenção de esgotos nas ruas de Delhi, Índia.
Trabalhadores do saneamento usam uma mangueira de jato de 37 m ligada a um camião mecanizado para fazer a manutenção de esgotos nas ruas de Delhi, Índia. 2019
WaterAid/ CS Sharada Prasad

Garantir o fornecimento de EPI confortáveis para a segurança dos trabalhadores do saneamento

No relatório, sugerimos considerações de design que garantam facilidade na execução de tarefas e considerações materiais que tornam os EPI eficazes na proteção do trabalhador contra derrames, mantendo o conforto em climas tropicais.

Fornecer EPI confortável é apenas uma pequena peça do quebra-cabeça para resolver as más condições dos trabalhadores de saneamento. A sociedade não lhes dá o devido reconhecimento, conduzindo à marginalização e à discriminação. Além disso, há uma falta de priorização entre os decisores políticos quanto à melhoria das suas condições de trabalho e uma sensação de apatia entre os empregadores. São necessários esforços a longo prazo e mudanças profundas para abordar essas questões.

Enquanto isso, resolver problemas em torno dos EPI pode oferecer algumas vitórias rápidas e tornar-se um ponto de entrada para mudanças mais amplas. O EPI é agora, em parte devido à pandemia de COVID-19, bem reconhecido como a última linha de proteção para os trabalhadores do saneamento. Para reduzir os perigos dos trabalhadores de saneamento através de equipamentos de proteção ideais e adequados, as partes interessadas podem trabalhar juntas no seguinte:

  • Os governos dos países afetados devem desenvolver e reforçar a legislação e especificações para o fornecimento de EPI confortáveis e eficazes para os trabalhadores de saneamento.
  • Academia, especialistas em segurança, organizações de WASH (água, saneamento e higiene), setor privado e grupos de trabalhadores devem reunir-se para a investigação e defesa da inovação, o que é fundamental para garantir a conceção centrada no uso humano, proteção de barreira e ventilação nos EPI.
  • Os governos nacionais e locais têm de fornecer financiamento para a provisão de EPI adequados aos trabalhadores de saneamento, além de formação e balneários. A reforma dos sistemas de aquisição será necessária para garantir um fornecimento regular e atempado.

A pandemia de COVID-19 representa riscos sem precedentes, mas também oferece uma oportunidade única para reduzir os riscos que os trabalhadores de saneamento enfrentam no seu ambiente de trabalho e prevenir mortes. Realizar a oportunidade exige atenção e ação imediatas de todas as partes interessadas.

Prerana Somani é Gestora de Programas no Centro de Gestão Urbana e ex-voluntária da WaterAid. Andrés Hueso é Analista Sénior de Políticas – Saneamento da WaterAid. Siga-o no Twitter em @andreshuesoWA