Como se faz campanha por casas de banho públicas acessíveis?

5 min read
Wheelchair user collects water.
WaterAid/Guilhem Alandry

Como podemos garantir que haja casas de banho públicas suficientes para pessoas com deficiência? Rémi Kaupp, Especialista em Saneamento Urbano da WaterAid UK, e Jane Wilbur, Consultora de Igualdade, Inclusão e Direitos, partilham perspetivas de todo o mundo.

O direito ao saneamento pode parecer evidente, mas estamos vendo contratempos mesmo em países onde tomamos o saneamento como garantido. No Reino Unido, casas-de-banho públicas têm estado em declínio dramático. A França pode em breve consagrar o direito à água e ao saneamento em lei, mas o projeto de lei diluído perdeu a maioria das suas características úteis (como mecanismos de financiamento para apoiar os mais pobres).

casas-de-banho públicas estão particularmente ameaçadas, devido à sua dependência direta dos orçamentos das autoridades locais cada vez mais encolhidas. A vergonha e o constrangimento de não ter uma casa-de-banho pública disponível podem afetar todos, seja por um dia sentindo-se doente, um período surpresa, ou mesmo como parte das multidões que saem de bares e restaurantes à noite. Mas isso afeta desproporcionalmente aqueles que já estão vulneráveis, incluindo:

  • Pessoas mais velhas
  • Pessoas que sofrem de incontinência (um em cada dez homens adultos e um quarto das mulheres com mais de 35 anos, de acordo com pesquisas recentes
  • Pessoas com deficiência que precisam de casas-de-banho acessíveis, ou 'Mudar Places' — cubículos de vaso sanitário que têm mais espaço e o equipamento certo, incluindo um balcão ajustável em altura e um guincho. 

Como testar a acessibilidade de uma casa-de-banho no Camboja. Veja a série completa de filmes aqui.

Não precisamos apenas de mais casas-de-banho públicas, também precisamos de casas-de-banho públicos mais acessíveis, para que todos possam desfrutar de espaços públicos de forma digna e segura.

Como chegamos lá? Como convencemos com sucesso as autoridades a apoiar isso? É uma grande questão para nós no Nepal e no Camboja, onde estamos fazendo lobby junto com organizações locais de pessoas com deficiência, nomeadamente através de filmes de consciencialização. No início deste ano, pedimos sugestões de vários especialistas — aqui está o feedback deles.

Experiência de Timor-Leste, Camboja e Bangladesh

(Com agradecimentos aos nossos colegas Chelsea Huggett na Austrália, Moises Pereira e Getrudis Noviana Mau em Timor-Leste e Pheng Pharozin no Camboja.)

O acesso ao saneamento inclusivo beneficia a todos, independentemente de terem alguma deficiência, por isso estamos trabalhando para garantir que WASH faça parte da agenda dos direitos das pessoas com deficiência. Isso significa pensar em questões de igualdade em todo o nosso trabalho de advocacia, e não apenas durante as campanhas específicas de inclusão. Com as organizações de deficientes defendendo mais amplamente os direitos das pessoas com deficiência, há um bom grau de sobreposição.

Devido à situação de saneamento pobre em Timor-Leste, Camboja e Bangladesh, formar uma aliança entre ONG de água e saneamento, como WaterAid e organizações de pessoas com deficiência, tem funcionado particularmente bem. Conseguimos entender os problemas uns dos outros e, embora as organizações WASH (água, saneamento e higiene) possam concentrar-se em questões técnicas, as organizações de pessoas com deficiência geralmente sabem muito sobre campanhas públicas e como aumentar o reconhecimento dos seus direitos.

As demonstrações práticas funcionam particularmente bem para mostrar aos funcionários as restrições práticas que as pessoas com deficiência enfrentam diariamente. Isso é feito através de “auditorias de acessibilidade e segurança”, o que fizemos  no Camboja,  BangladeshMadagascar e muitos outros países.

Também conseguimos esse tipo de colaboração por meio de “comunidades de prática”, que permitem mostrar bons exemplos de inclusão na prática, por exemplo, através da demonstração de casas-de-banho acessíveis, nossas diretrizes técnicas em Bangladesh ou nosso Compêndio de Tecnologias WASH acessíveis. Esse trabalho prático ajuda as campanhas a ganhar credibilidade e promove uma melhor colaboração com autoridades nacionais e locais relevantes.

Perceções do Reino Unido

(Agradecimentos a Michael Le-Surf da Mencap e ao consultor de deficiência Simon Minty.)

As melhores campanhas são lideradas por pessoas que precisam de casas-de-banho acessíveis - podem criar um caso concreto às autoridades e ajudar os funcionários eleitos a perceber a necessidade real. Também podem explicar os benefícios económicos que vêm de pessoas com deficiência fazendo parte da força de trabalho, usando o transporte público e assim por diante.

Muitas boas campanhas em nível local também são co-orientadas por um funcionário eleito, que muitas vezes tem um interesse pessoal na questão - eles podem ser responsáveis pela igualdade e não discriminação em seu conselho, ou ter um membro da família que precise dessas instalações. Como sempre, para os ativistas, vale a pena fazer uma pesquisa de fundo sobre pessoas que esperamos influenciar! O estudo de caso de Nottingham do movimento Changing Places ilustra isso bem - veja também seu guia de campanha de casa-de-banho muito prática.

No final da década de 1990, uma grande campanha — “Existe um casa-de-banho acessível” — incentivou as pessoas a mapear onde casas-de-banho acessíveis estão em todo o Reino Unido, em um momento em que muitas casas-de-banho públicas estavam a ser fechadas. A campanha coletou informações sobre mais de 4000 casas-de-banho acessíveis e produziu um diretório das suas localizações em toda a Inglaterra. Embora a organização já tenha se dissolvido, o seu legado vive através de revisões on-line no estilo TripAdvisor de casas-de-banho acessíveis.

A orientação técnica se mostra útil ao falar com planeadores e arquitetos. O útil “Good Loo Guide” da RIBA (infelizmente não está mais impresso) visa ser o mais inclusivo possível para projetar casas-de-banho públicos. Descreve como as pessoas realmente usam casas-de-banho e o que é necessário, não apenas para o layout geral, mas também para pequenas coisas como alças e trilhos.

Mudanças nas políticas podem ser úteis, como na Disability Discrimination Act de 1995 no Reino Unido. Mas é a tradução de tal política em termos práticos que se torna realmente útil:

“[a Lei] essencialmente sugeriu se tiver casas-de-banho públicas, precisa oferecer uma acessível. As organizações inteligentes perceberam que, se têm espaço limitado, uma casa-de-banho acessível cobre todos. Claro que não é perfeito, mas estamos lentamente a chegar lá”, disse Simon Minty.

Tem alguma outra experiência para partilhar? Por favor, use os comentários abaixo.

Remi Kaupp e tweeta como @remkau. Jane Wilbur tweeta como @janewilbur