Consentimento informado: o motivo por que as conversas são cruciais

5 min read
WaterAid/ Ernest Randriarimalala

Se alguém que nunca conheceu aparecesse em sua casa e começasse a tirar fotografias suas e da sua família, como se sentiria? 

Se eles fossem muito simpáticos, se dissessem que tinham vindo de longe, se pensasse que eles podiam ajudá-lo de alguma forma, se eles perguntassem: “Posso tirar-lhe uma fotografia?” –o que esperaria então? Sentiria pressão para dizer que sim? Presumiria que tinha dado consentimento para que a sua imagem fosse usada por eles pessoalmente, partilhada nas redes sociais ou usada em qualquer publicidade que desejassem?

Acreditamos que a) não gostaria desta situação, e b) presumiria que não era OK partilhar a sua imagem em todo o mundo sem que soubesse ou sem o discutir primeiro.

Por que razão, como ONG, presumiríamos que isso é apropriado quando recolhemos imagens dos países onde trabalhamos?

As imagens que tiramos e as histórias que recolhemos não são apenas uma forma de promover a nossa causa. São relatos pessoais da vida de alguém. A forma como os recolhemos e utilizamos é importante e pode ter impactos duradouros. Enquanto o uso de imagens e representação obtém muito tempo de antena, a recolha real de conteúdo e todas as considerações que devem entrar no processo são menos discutidas.

O consentimento total precisa de conversas completas   

Para um setor que está tão focado no envolvimento e no empoderamento da comunidade, esta área ainda é negligenciada. Se quisermos manter os nossos valores de respeito e proteção, e se queremos que as pessoas nas nossas fotos estejam ativamente envolvidas no processo de criação de imagens, o consentimento total e esclarecido é crucial.

Perguntar “Posso tirar-lhe uma fotografia?” simplesmente não é suficiente. Todos nós precisamos passar tempo com as pessoas com quem estamos a trabalhar – discutindo o que queremos fazer, porque queremos fazê-lo, quais as histórias que elas podem querer contar, quais as preocupações que têm e se estão interessadas em estar envolvidas. 

Crucialmente, precisamos ser claros sobre o que esse envolvimento realmente significa – que sua imagem e história podem acabar num cartaz, num feed do Facebook, na TV ou em qualquer outro lugar – antes mesmo de começarmos a reunir imagens e histórias. É apenas através dessas conversas que realmente garantimos que temos consentimento informado.

Se isto faz soar um alarme de “isso é muito trabalho extra”, então há boas notícias: na nossa experiência na WaterAid e na Save the Children, ter conversas mais cheias significa que as pessoas nas fotografias se tornam participantes envolvidos, assumindo uma postura ativa sobre a sua própria representação e os elementos da sua vida que desejam partilhar. E as histórias que criamos juntos são peças de comunicação mais poderosas e mais eficazes.

Isso também ajuda a superar o desequilíbrio de poder entre coletores de conteúdo (muitas vezes do Reino Unido) ou funcionários nacionais (que muitas vezes são vistos como prestadores de um serviço) e as comunidades com as quais trabalhamos. Uma conversa completa permite que veja quem realmente quer contar sua história e dá àqueles que querem dizer “não” o espaço para fazê-lo.


Ouça o primeiro episódio do nosso podcast, Well Well, para saber mais sobre como recolhemos as histórias das comunidades onde trabalhamos.
Ouça e classifique aqui >



Da ética às regras

Argumentos jurídicos também entram em jogo: As regras do RGPD significam que se está a recolher dados pessoais, tem de ter provas de “consentimento específico, inequívoco, livre e informado”. E embora as leis dos dados se relacionem com os países da UE, todos nós temos o dever de cuidar daqueles com quem trabalhamos. Devemos assegurar que estamos a seguir a mesma abordagem, independentemente de onde recolhemos os “dados”.

Os colaboradores devem:

•    saber como as suas imagens podem ser usadas 
•     saber durante quanto tempo vai manter a sua imagem
• saber que têm o direito de revogar o seu consentimento a qualquer momento e receber detalhes sobre como revogar o consentimento caso desejem fazê-lo

•    ter a certeza de que retirar o consentimento não é apenas bom, é o seu direito legal.

Estas regras não se aplicam apenas àqueles que trabalham com criadores de imagens profissionais – aplicam-se a todos que recolhem fotografias e histórias, seja um apoiante numa visita ou um trabalhador de campo a reunir dados para um relatório. Todos nós precisamos considerar como e onde uma imagem pode acabar e garantir que a pessoa na imagem esteja ativamente envolvida nesse processo. 

É importante não fazer falsas promessas também. Se diz que a imagem é apenas para um relatório, tem 100% certeza disso? Alguém pode facilmente pegar nessa imagem e publicá-la online. E se acabar online, o seu colaborador está subitamente em risco? É melhor e mais honesto dizer que poderia acabar em qualquer lugar no início da conversa.

Uma situação vantajosa para todos

Se este blog o está a deixar em pânico – não se preocupe! Não é assim tão complicado. Basta lembrar-se de ter uma conversa adequada com as pessoas e garantir que obtém o seu consentimento completo e esclarecido antes de reunir a história deles. 

Pode levar um pouco mais de tempo e pode obter menos conteúdo, mas se os informar corretamente, obterá histórias de melhor qualidade para tornar a pós-produção mais fácil também. Se o fizer corretamente, descobrirá que tem colaboradores informados e envolvidos e também melhores imagens e histórias para a sua causa.

Tamsin Maunder Betti é Chefe de Marca e Criativa da WaterAid e copresidente do Bond People no Pictures Group, juntamente com Jess Crombie, Consultora de Conteúdo e de Histórias e Líder de Oradores Séniores na UAL.

 

O grupo Bond People in the Pictures encomendou a Siobhan Warrington, Diretor de Oral Testimonies Works e coautor de People in the Pictures, para produzir novas diretrizes de imagem ética para o setor, que serão submetidas à adesão Bond no AGM para aprovação para serem incluídas na carta Bond (substituindo o código de imagens Conchord) ainda este ano. Estas incluem diretrizes éticas para a recolha e uso de conteúdo (imagens e histórias) e uma declaração de prática ética sobre a recolha e uso de conteúdo de ONG.  

Este blog também é publicado no site da Bond