Depois de atingir a maioridade, o Fórum Político de Alto Nível deve crescer

5 min read
The UN buildings in New York during HLPF 2019.
WaterAid/Lou Brydges

Ver o mundo se reunir para rever o progresso do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável ainda é animador, mas, quatro anos na Agenda 2030, isso é suficiente? Savio Carvalho, Diretor de Campanhas Globais da WaterAid, discute o que é necessário para que os governos e a ONU se intensifiquem.

Esta semana faz precisamente quatro anos que estive na sala de conferências quando se chegou a acordo sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) nas Nações Unidas, em Nova Iorque. Foi um momento de esperança e solidariedade após uma jornada cansativa de defesa, luta e campanha para desenvolver e instaurar esta ambiciosa agenda.

O primeiro ciclo do HLPF tem sido encorajador...

Nos últimos quatro anos, culminando com o recente Fórum Político de Alto Nível (HLPF) de 2019, os ODS atingiram a maioridade. Na conclusão deste primeiro ciclo completo de análise, acho encorajador que 142 países já tenham apresentado as suas análises nacionais voluntárias e que cada um dos 17 objetivos tenha sido analisado através de conversas e debates consistentes.

... mas o HLPF não está a cumprir o seu papel de liderança

Contudo, o HLPF tem o papel central de supervisionar o acompanhamento e a análise do progresso dos ODS a nível global, com instruções para "providenciar liderança política, orientação e recomendações para acompanhamento (...) promover a coerência e a coordenação de políticas de desenvolvimento sustentável em todo o sistema".

Infelizmente, embora o Fórum já devesse estar em condições de se afirmar a este respeito, ainda não cumpriu este mandato, quer em termos de orientação política, quer em termos da liderança tão necessária. Embora os Estados-Membros tenham de enfrentar isto, o Secretariado da ONU também tem de assumir a responsabilidade pelo estado lamentável do Fórum. Deve mostrar liderança, apresentar opções (em consulta com todos os interessados) e facilitar um processo para ajudar o HLPF a cumprir o seu mandato. Os processos de reforma do HLPF e da ONU que começam na sessão de setembro da Assembleia Geral oferecem oportunidades cruciais para o Secretariado introduzir propostas e instigar algumas mudanças radicais na forma como o Fórum funciona.

Moustapha a segurar um regador e fotografado com culturas de repolho, num jardim, na aldeia de Sablogo, Burkina Faso.
Moustapha a segurar um regador e fotografado com culturas de repolho, num jardim, na aldeia de Sablogo, Burkina Faso. Burkina Faso apresentou a sua Revisão Nacional Voluntária no HLPF.
WaterAid/ Basile Ouedraogo

As mãos dos Estados estão presas a fluxos de financiamento cruciais...

O outro lado da moeda é a atitude apagada da maioria dos estados-membros, especialmente das nações ricas, em relação à ambição "transformadora" (sim, transformadora) dos ODS. Muitos não reconhecem o poder desta oportunidade para gerar a mudança, e não estão a maximizá-la.

E a mudança a nível nacional torna-se difícil quando os países estão presos em nós que só podem ser desatados a nível global, além do que cada estado pode controlar. Por exemplo, encontrar o dinheiro para financiar os ODS requer uma ação renovada em matéria de redução da dívida, mobilização de recursos internos (DRM), apoio para alargar as bases tributárias e medidas coordenadas para combater os fluxos financeiros ilícitos. Os países com rendimentos elevados têm de cumprir as suas promessas no que toca às metas de ajuda ao desenvolvimento (APD) no exterior e às suas metas vinculativas de mitigação, juntamente com o financiamento da ação climática.

A libertação de recursos à escala necessária também exige novos impostos sobre o carbono e as transações financeiras, juntamente com a rápida eliminação progressiva dos subsídios para combustíveis fósseis, com o investimento deste financiamento para suprir as lacunas de financiamento dos ODS na prestação universal de serviços públicos.

... mas os países podem agir para melhorar o planeamento, os dados e a governação

A nível nacional, os governos precisam de acelerar as ações para a implementação dos ODS. Tal requer um plano de ação claro, dados para acompanhar o progresso e fortalecimento dos mecanismos de governação e mecanismos de responsabilização a todos os níveis. Os quadros regulamentares fortes para a prestação de contas de todos os intervenientes envolvidos no financiamento do desenvolvimento social são de enorme importância. Isso inclui investidores públicos e privados, credores e atores estatais e não estatais.

Igualmente importante é o papel da sociedade em geral. Os governos devem envolver-se com a sociedade para criar espaços abertos e transparentes para colaborar na realização dos objetivos. Instituições transparentes ajudam a sociedade a responsabilizar tanto atores estatais como não estatais e os Estados devem encarar isto como uma caraterística de um sistema que funciona de forma saudável e não como uma ameaça. A proteção do espaço cívico e do discurso democrático é fundamental para a criação de condições equitativas para toda a sociedade.

A ONU deve aproveitar esta oportunidade para estar à altura do seu papel

Ainda não o HLPF deste ano ainda não está concluído, mas a declaração política já acordada para a reunião dos chefes de Estado (Cimeira dos ODS) em setembro é um exemplo da falta de ambição, orientação política e liderança do HLPF. O enfoque é colocado no consenso e na comunicabilidade, com ênfase nas comunicações e nas relações públicas.

Os chefes de Estado e de governo não devem deixar passar esta oportunidade com declarações repletas de banalidades e de afirmações politicamente corretas. Devem fazê-lo mostrando uma verdadeira liderança coletiva e devem abordar prioridades e compromissos conflituosos e assegurar um Fórum Político de Alto Nível (ou uma comissão) forte e robusto que não seja mantido refém por alguns Estados ou interesses privados. Fazê-lo será interpretado como levar o planeta e o seu povo a toda a velocidade em direção a um desastre.

Com o fim do primeiro ciclo de análise dos ODS, quando a Agenda 2030 atinge a maioridade, é mais do que tempo de agir. É tempo de as Nações Unidas estarem à altura do seu papel de plataforma para o estabelecimento de padrões, orientação política e responsabilidade global.

A ONU deve ser um local onde todos são bem-vindos mas também desafiados. Se quisermos entrar no bom caminho e concretizar a Agenda 2030, temos de dar o nosso melhor e fazer as coisas de forma diferente nas próximas fases – e última década – dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Savio Carvalho é Diretor de Campanhas Globais na WaterAid UK e @Savioconnects no Twitter