Empresas sociais lideram o caminho no apoio ao empreendedorismo feminino

on
11 October 2018
Thumbnail
WaterAid/Guilhem Alandry

Por vezes, tenho de confessar, fico a pensar se existirá alguma coisa que não tenha um dia, ou uma semana de consciencialização? Não tenho nada contra a semana nacional das tartes ou o dia mundial do sorriso, tenho a certeza de que há algo que apele a todos, mas pessoalmente, não tenho uma relação equivalente com tudo isso. Enquanto empresária social e mãe de duas meninas, um dos dias que acho mais relevante é o Dia Internacional das Raparigas.

Desde 2012, 11 de outubro é o Dia Internacional das Raparigas. O dia tem como objetivo destacar e abordar as necessidades e os desafios que as raparigas enfrentam, promovendo o seu empoderamento e o cumprimento dos seus direitos humanos. Este ano, o tema é With Her: A Skilled GirlForce, para chamar a atenção para o facto de que o preconceito de género no trabalho ainda é uma realidade.

Fiquei impressionada ao descobrir que, aos seis anos, as raparigas já identificam os rapazes como sendo mais propensos a destacar-se e mais adequados para atividades que impliquem inteligência do que o seu próprio género. Fiquei um pouco menos surpreendida ao descobrir que, em grande parte do mundo, as mulheres jovens ainda têm mais tendência a estar desempregadas do que os homens.

Por que fiquei menos surpreendida com este último? Passei os últimos nove anos a liderar uma empresa social chamada Belu Water, que fornece água mineral engarrafada e sistemas de filtragem a restaurantes e hotéis do Reino Unido. O que torna a Belu diferente é a nossa paixão por sermos os melhores do ponto de vista ambiental e porque 100% dos nossos lucros vão para a WaterAid. Por outras palavras, somos uma empresa social que utiliza os negócios como uma força para o bem. Quando os nossos lucros vão para a WaterAid, eles transformam vidas através da água limpa e de instalações sanitárias adequadas.

Embora toda a comunidade beneficie de melhor saúde e das vantagens em termos de mortalidade, é a vida de raparigas e mulheres que é mais afetada por esta intervenção. Com água potável perto de casa, as raparigas e mulheres não precisam de fazer longas caminhadas para chegar a água insalubre. E graças às instalações sanitárias e de higiene menstrual adequadas instaladas nas escolas, as raparigas podem continuar a sua educação.

O Dia Internacional das Raparigas assinala-se dois dias antes de mais um dia de consciencialização: o "Social Saturday", um dia para promover as empresas sociais. Tenho o orgulho de ver que as empresas sociais estão a liderar o caminho na luta contra a desigualdade, com 41% delas administradas por mulheres e 51% com uma força de trabalho feminina maioritária. Por exemplo, a Ruth (foto acima, à esquerda). Com o apoio da WaterAid, a Ruth criou uma cooperativa bem-sucedida de produção de sabão e manteiga de karité, que gere com um grupo de trinta mulheres da aldeia. Elas estão a mostrar às empresas tradicionais como o impacto social e o lucro podem andar de mãos dadas.

O empreendedorismo feminino tem o potencial de capacitar raparigas e mulheres para garantir uma sociedade igual, mais próspera para todos.

Para a Belu, o enfoque é a água potável. Apenas sete pessoas que partilham os mesmos ideais trabalham em conjunto para entregar fundos à WaterAid (1 milhão de libras, este ano!) e ajudar a alcançar milhões de raparigas que ainda não têm acesso a este recurso básico.

Karen Lynch, CEO of Belu, in Bongolava, Madagascar, September 2017.
WaterAid/Sam James

Outra empresa social que acho inspiradora é a Hey Girls, fundada por Celia Hodson, não apenas por ser uma marca irreverente ou pelo seu estilo pessoal ter ganho tração no competitivo setor dos produtos de higiene pessoal, mas por causa das estatísticas chocantes sobre a pobreza relacionada com o período no Reino Unido. Uma em cada dez mulheres jovens no Reino Unido tem dificuldades em pagar pensos ou tampões, o que faz com que muitas raparigas faltem à escola todos os meses.

As empresas também podem, e estão, a ter impacto. Por exemplo, Kirstie Sherriff da marca de beleza Pinks, ficou motivada a criar uma empresa por querer ajudar as mulheres a serem mais gentis com os seus próprios corpos, através do desenvolvimento de uma linha biológica de spa. Pessoalmente, adoro como ela está a usar a experiência adquirida nesta área para entrar no mercado de higiene masculina com a nova marca Proverb, porque está claramente confiante de que sua experiência lhe dará uma vantagem competitiva no mundo ainda em crescimento da "beleza masculina".

Todos os empresários e empresas podem optar por contribuir para este empoderamento, abordando problemas sociais, incluindo aqueles que afetam mulheres e raparigas, através de uma melhor forma de fazer negócios. Pode tratar-se apenas de uma pequena iniciativa interna, como escolher um produto ético para as instalações sanitárias da empresa ou as salas de reuniões, desenvolver uma linha de produtos personalizados sem fins lucrativos (como o exemplo dos novos produtos da Kirstie) dentro de uma linha de produtos existente, ou talvez a pessoa seja uma futura empreendedora social, pronta para lançar a sua própria empresa social como a Belu ou a Hey Girls.

Na Belu, o Dia Internacional das Raparigas é mais um motivo para nos centramos na nossa missão de fazer chegar a água potável e as instalações sanitárias adequadas às raparigas e a todos em geral, em qualquer local. E você, o que pode fazer na sua empresa?