Estatísticas "zombies" (desatualizadas): para fazer progressos, precisamos de matá-las de vez

on
23 March 2018
Thumbnail
WaterAid/Ernest Randriarimalala

"Estatísticas zombies" (desatualizadas). Existem em todos os setores. Estatísticas que, não importa quantas vezes sejam refutadas ou questionadas, simplesmente não morrem.

Dados estatísticos fortes são uma poderosa ferramenta de defesa. Uma forma de comunicar com os decisores políticos e apoiantes para transmitir a escala do problema. Se estiverem corretos. Contudo, a utilização de estatísticas que não podem ser fundamentadas prejudica a credibilidade de uma organização.

No setor de WASH temos de assumir a responsabilidade de questionar e validar todas as estatísticas que utilizamos. Se a fonte e a metodologia de uma estatística não puder ser identificada, não deve ser utilizada. Se uma estatística não tiver mudado em dez anos, não deve ser utilizada.

Na WaterAid e no WASHwatch, estamos empenhados em garantir que as nossas estatísticas sejam relevantes e verificáveis, com uma metodologia robusta. Existem enormes lacunas de dados no setor WASH e estas precisam ser colmatadas; manter estatísticas zombies (desatualizadas) em vez de estatísticas reais e poderosas não ajuda.

Neste Dia Mundial da Água, fomos à raiz de uma das estatísticas zombies mais antigas do setor WASH...

“Metade dos leitos hospitalares do mundo estão cheios de pessoas que sofrem de doenças relacionadas com a água.”

É poderoso. Apresenta uma imagem do impacto que a falta de acesso a WASH pode ter. Mas é verdade? Qual é a sua origem?

Se procurar estatísticas sobre água e saneamento na Internet, esta aparece muito. É raramente referenciada, e se for, a referência é por vezes simplesmente 'PNUDP' or 'PNUA', sem data ou relatório específico.

Verificação de fatos

Quando devidamente referenciada, esta estatística pode ser localizada num relatório do UNEP/UN HABITAT de 2010: "Água doente: o papel central da gestão de águas residuais no desenvolvimento sustentável". O relatório abre com uma declaração conjunta dos diretores executivos de ambas as organizações afirmando que "mais de metade das camas dos hospitais do mundo estão ocupadas com pessoas que sofrem de doenças ligadas à água contaminada". Esta estatística é novamente repetida na página 40 do relatório, fazendo referência a um Relatório de Desenvolvimento Humano do PNUD de 2006 “Além da escassez: poder, pobreza e crise hídrica global. '

O relatório afirma que "Em qualquer momento, perto de metade das pessoas no mundo em desenvolvimento sofre de uma ou mais das principais doenças associadas ao fornecimento inadequado de água e saneamento, tais como diarreia, doença do verme da Guiné, tracoma e esquistossomose (figura 1.5) Estas doenças enchem metade das camas hospitalares nos países em desenvolvimento".

Assim, na mudança de um relatório para outro, a estatística mudou de "todas as camas de hospitais do mundo" para "camas de hospitais em países em desenvolvimento". Mudou de "doenças relacionadas com a água" para "uma ou mais das principais doenças associadas ao fornecimento inadequado de água e saneamento".

No relatório do PNUDP, faz referência à Figura 1.5 (abaixo). Este número mostra que a diarreia foi o segundo maior assassino de crianças em 2004.

aaa.png

A figura não faz referência a outras doenças de WASH mencionadas no texto nem se refere à origem de metade das pessoas no mundo em desenvolvimento, mas sim às crianças. Estas estatísticas provêm de um relatório de 2005 da OMS "Make every mother and child count" (Fazer com que cada mãe e cada criança contem), que analisa as mortes de crianças com menos de cinco anos.

As estatísticas de mortes de menores de cinco anos provêm de um artigo da Lancet produzido pelo Grupo de Referência de Epidemiologia da Saúde Infantil da OMS em 2005, “Estimativas da OMS sobre a causa da morte em crianças”, que faz referência aos dados estatísticos recolhidos entre 2000-2003. Neste momento, os dados envolvidos são totalmente diferentes da citação com que iniciámos.

Quanto nos afastamos da citação original para o material de origem, mais complicada e deformada se torna a informação por detrás dela.

Para decidir se esta estatística é utilizável, temos de fazer as seguintes perguntas: As estatísticas de 2000-2003 ainda são aplicáveis hoje? Podemos separar as pessoas que têm estas doenças devido à falta de acesso a WASH das pessoas que as têm por outras razões? Podemos equiparar as mortes infantis a mortes de adultos? Podemos igualar as mortes com a doença? Podemos equiparar a doença com leitos hospitalares? Houve alguma pesquisa para validar a afirmação de que “Metade dos leitos hospitalares do mundo estão cheios de pessoas que sofrem de doenças relacionadas com a água?” Essa pesquisa foi perdeu-se pelo caminho? É um caso de falta de comunicação contínua?

A crise de WASH

884 milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a água limpa perto de casa. 2,4 mil milhões de pessoas não têm acesso a uma casa de banho decente. 289.000 crianças com menos de cinco anos morrem de diarreia causada pela falta de acesso ao WASH.

Não precisamos de usar estatísticas desatualizadas, exageradas ou infundadas. As verdadeiras são suficientemente más.

Ainda temos um longo caminho a percorrer para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e chegar a todos, em todo o mundo, com acesso a WASH decente. Só podemos chegar lá se formos honestos e rigorosos em relação ao nosso progresso

Amy Keegan é Diretora de Políticas para Monitorização e Responsabilização na WaterAid e @amy_keegan no Twitter.

Este artigo foi publicado pela primeira vez no WASHWatch.