Fortalecimento do setor: lições da Conferência Internacional WEDC 2018

on
28 September 2018
Members of the WaterAid delegation at WEDC 2018
WaterAid/Chanchal Kumar

Todos os anos, a equipa da WaterAid participa nas conferências do WEDC, tanto para partilhar o nosso trabalho como para aprender com os outros. Aqui estão algumas lições importantes de sessões na conferência deste ano, com o tema «Transformação para serviços WASH sustentáveis e resilientes».

A conferência anual Water and Engineering in Development Centre (WEDC) é uma excelente oportunidade para desenvolver a capacidade do pessoal chave em organizações parceiras - especialmente governos - bem como do pessoal da WaterAid. Em julho, a 41ª Conferência Internacional WEDC no Quénia deu aos profissionais e investigadores de água, saneamento e higiene (WASH) a oportunidade de se conectarem e aprender com experiências partilhadas à volta do tema «Transformação para serviços WASH sustentáveis e resilientes». Aqui estão algumas das principais lições que ouvimos.

Equidade, inclusão e direitos

  • Embora haja um interesse crescente nesta área, e há alguns exemplos de grande trabalho a acontecer, garantir que uma lente baseada em direitos e princípios de inclusão e equidade sejam consistentemente integrados no trabalho WASH continua a ser um desafio para as políticas e programas, tanto a nível local como na investigação. Em alguns casos, quando se pergunta por quê essas questões não estão incluídas nos relatórios, a resposta é «Vamos ver isso!»

  • Precisamos garantir que a defesa dos serviços inclusivos de WASH para pessoas com deficiência não se deva a emoções, mas sim aos direitos humanos.

  • A acessibilidade é muito mais do que apenas uma rampa e uma casa de banho com um assento ocidental cómodo. Precisamos de um caminho e uma entrada para a rampa acessíveis, um corrimão com as dimensões corretas e um corredor sem barreiras com sinalização adequada para os diferentes acessórios usados na casa de banho.

  • Os sem-abrigo e os migrantes são mais propensos a ter um acesso deficiente aos serviços WASH em espaços urbanos.

  • Quanto entendemos e nos envolvemos com organizações não-WASH que trabalham com os direitos das mulheres, igualdade de género, deficiência ou inclusão? Foi ótimo ouvir as perspetivas das organizações baseadas em direitos na conferência e entender como elas mobilizam as suas populações-alvo e círculos eleitorais.

  • Leia mais sobre o nosso trabalho sobre equidade e não discriminação.

Sistemas sustentáveis/fortalecimento setorial/parcerias comunitárias

  • O compromisso dos governos locais em todas as etapas de um projeto contribui para o seu sucesso, como mostra o projeto da WaterAid Mali para integrar os setores da saúde e WASH para ajudar a trazer um acesso sustentável ao WASH em instalações de saúde. A boa liderança, colaboração, criação e divulgação e monitorização dos padrões WASH também contribuem para o sucesso do projeto.

  • Espera-se que o modelo de fortalecimento do sistema setorial tenha como resultado: um incentivo claro para o bom desempenho do governo local e dos serviços públicos e uma maior responsabilização através de fóruns de cidadãos reforçados e plataformas de prestação de contas; mudança e replicação mais amplas em outros distritos e a nível nacional.

  • As ONGs precisam de mudar a sua abordagem para resolver os desafios do WASH, incentivando os governos e as comunidades nacionais e locais a assumirem a liderança e serem mais responsáveis. Envolvê-los desde o início da intervenção melhora a propriedade e gestão da infraestrutura e dos serviços WASH. Com isso em mente, podemos então escalar para alcançar todos, em todos os lugares.

  • Há uma necessidade urgente de rever o modelo de serviços de WASH sustentáveis, especialmente em bairros degradados urbanos, que estão fora do âmbito do planeamento e desenvolvimento urbano na maioria dos países em desenvolvimento. Houve exemplos na conferência de como os planeadores podem desenvolver casas de banho comunitárias e casas de banho públicas em centros de recursos WASH. Estas devem ser bem reguladas pelos governos locais e podem ser administradas por grupos de empresárias femininos, como meio de melhorar os seus meios de subsistência e, ao mesmo tempo, reforçar os serviços de WASH das comunidades pobres.

Gestão da higiene menstrual

  • Precisamos de falar corretamente e abertamente sobre a gestão da higiene menstrual (MHM) e ter cuidado como falamos. Pais e professores precisam de estar envolvidos no processo. Quando ajudamos as meninas a aprender sobre MHM, precisamos garantir que os preparativos, materiais e processos sejam apropriados.

  • Há necessidade de uma mudança política, mental e cultural no avanço da MHM. Precisamos de intensificar a nossa defesa de nível nacional sobre a remoção de impostos de materiais sanitários para torná-los mais acessíveis para todos, ou possivelmente até mesmo torná-los gratuitos para todos.

  • Há uma necessidade de olhar para a eliminação segura de produtos de utilização única, bem como avançar os produtos sanitários reutilizáveis como uma opção sustentável. Essas opções devem ser culturalmente apropriadas, tendo em consideração crenças e mitos profundos em torno do MHM.

  • O trabalho de saúde menstrual seria melhorado por uma maior coordenação com o trabalho em saúde reprodutiva sexual, pois na vida das meninas estes tópicos são só um.

Alguns dos outros tópicos dos quais os delegados da WaterAid extraíram as principais aprendizagens foram:

  • Criação de procura de produtos de marketing/saneamento

  • Fixação do custo do saneamento urbano e planeamento do saneamento

  • Abastecimento de água e qualidade/segurança da água

  • Monitorização da água e testes de qualidade da água

  • Dados/investigação e gestão do conhecimento

 

Todos os artigos e publicações relevantes estão agora no site do WEDC. Para mais informações sobre conferências WEDC veja este vídeo no site do WEDC.

Espero vê-lo lá no próximo ano!