Gestão das lamas fecais – um caminho crítico para o saneamento gerido com segurança

on
25 July 2018
Thumbnail

A maioria da população em vilas e cidades do sul da Ásia depende de instalações sanitárias que não estão ligadas a esgotos. Com a prevista duplicação da população urbana global até 2050, a necessidade de garantir a eliminação segura dos resíduos torna-se cada vez mais urgente. Jaison Thomas, gestor regional de financiamento da WaterAid para o sul da Ásia, reflete sobre o discurso relativo ao lodo fecal na região, tendo como referência as deliberações da Conferência Sul-Ásiatica sobre Saneamento (SACOSAN) VII em Islamabad.

Eliminar a defecação a céu aberto é apenas o primeiro passo para garantir que todos têm acesso a serviços geridos de saneamento, conforme descrito no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 6. No sul da Ásia, onde a maioria das pessoas utiliza instalações sanitárias no local e a cobertura da rede de esgotos é limitada, a gestão de lamas fecais, que envolve tudo desde o esvaziamento de poços de matéria fecal e o transporte das lamas para tratamento e eliminação) é essencial para garantir serviços geridos com segurança.

Os objetivos do ODS 6 abordam o saneamento além do acesso a instalações sanitárias, incluindo a gestão segura de excrementos. O relatório do programa conjunto de monitorização (JMP) de 2017 indicou que 4,5 mil milhões de pessoas não têm saneamento com gestão segura. Os países do sul da Ásia não são referidos no relatório, por falta de dados. Compreender e implementar opções para a gestão segura de excrementos é um passo importante para cumprir as ambições dos ODS.

Na Conferência Sul-Ásiatica sobre Saneamento (SACOSAN) VII de abril, os governos do sul da Ásia reconheceram a importância da gestão de lamas fecais. No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer para compreender plenamente o que será necessário no contexto do sul da Ásia, incluindo as implicações para o planeamento a longo prazo, o desenvolvimento de quadros políticos adequados, a implementação de soluções escaláveis e a garantia de recursos financeiros adequados. Os países da região precisam de uma mudança dramática na priorização política e no financiamento para a gestão de lamas fecais, juntamente com sistemas de monitorização robustos, intercâmbios de conhecimento e promoção de inovação.

A gestão de lamas fecais no sul da Ásia: custos avultados

Mais de metade das famílias residentes em zonas urbanas em seis de oito países da região dependem de saneamento no local (Seri Lanca 87%, Butão 75%, Bangladexe 65%, Afeganistão 67%, Nepal 65%, Índia 54%, Paquistão 22%, Maldivas 1%)1 em vez de esgotos, com uma tendência crescente de usar fossas séticas. Não existem dados credíveis sobre a frequência de extração de lamas, tratamento e/ou eliminação segura das lamas fecais, o que, de certa forma, indica a lacuna em termos de políticas, serviços e monitorização.

Atualmente, na Índia, o país mais populoso do sul da Ásia, cerca de 50% das famílias residentes em zonas urbanas possuem ligação a redes de esgotos e 41% dependem de instalações de saneamento no local (Censos, 2011). As avaliações realizadas nalgumas cidades mostraram que uma parte significativa das águas residuais que entram no sistema de esgotos não é tratada. Grande parte das lamas de fossas séticas (resíduos séticos) gerada a partir de instalações no local é eliminada sem qualquer tratamento em cursos de água, sistemas de drenagem, aterros sanitários, terrenos a céu aberto, etc.

Roton Chandra Das à frente da única casa de banho que é usada diariamente por 30 pessoas. Gojaria Pará, Gazipur, Bangladesh.
WaterAid/ H&M Foundation/ GMB Akash/ Panos
Roton Chandra Das à frente da única casa de banho que é usada diariamente por 30 pessoas. Gojaria Pará, Gazipur, Bangladesh.

A situação é semelhante noutros países do sul da Ásia, causando uma ampla variedade de problemas ambientais e de saúde, que afetam desproporcionalmente as populações mais pobres. O Banco Mundial estima que o custo regional do saneamento inadequado (em termos de morte, doença, perda de tempo, educação, produtividade, etc.) corresponde a um valor colossal de 65 milhares de milhões de dólares, equivalente a uma média de 6% do PIB dos países do sul da Ásia. As famílias residentes em zonas urbanas do quintil mais pobre sofrem os maiores impactos económicos per capita do saneamento inadequado, de 37,55 USD – mais do dobro dos do quintil mais rico – devido à sua falta de capacidade para suportar o impacto cumulativo de múltiplas perdas.

O grupo de reflexão global Boston Consulting Group indica que a população urbana global deverá duplicar até 2050, estimando-se que aproximadamente 35% da população resida em favelas. 2 Ao analisar esta tendência no contexto do sul da Ásia, existe uma necessidade urgente de uma ação concertada dos governos dos países para resolver as lacunas na política de saneamento urbano, no planeamento e nos serviços inclusivos.

A necessidade atual e futura de melhor saneamento urbano na região defende soluções de saneamento no local e de esgotos, tanto em sistemas descentralizados (p. ex. estações de tratamento de lamas fecais) como centralizados (estações de tratamento de águas residuais). Uma combinação de soluções daria resposta às várias realidades que as cidades enfrentam (terreno difícil, falta de espaço, população dispersa, etc.) e garantiria que todos beneficiariam da prestação adequada de serviços de saneamento.

Planeamento em toda a cidade

São urgentemente necessárias abordagens abrangentes ao nível das cidades para gerir com segurança os resíduos humanos ao longo de toda a cadeia de saneamento. Isto exige planeamento a longo prazo, reformas institucionais, incluindo quadros políticos e regulamentares adequados, criação de capacidades, inovação técnica e mobilização financeira.

Embora os países do sul da Ásia reconheçam que a gestão de lamas fecais é importante e que estão a ficar para trás, uma questão crítica deles poderá ser “como se põe em prática a gestão de lamas fecais?” O estudo WaterAid Uma história de cidades limpas: ideias para o planeamento do saneamento urbano do Gana, da Índia e das Filipinas mostra como três cidades fizeram alguns progressos rumo ao saneamento em toda a cidade e para todos. Alguns dos fatores-chave para o progresso têm sido a liderança política, a promoção do saneamento a nível municipal, a colaboração e os recursos.

Diagram showing the sanitation chain from capture to reuse.
Adapted from 'Sanitation Value Chain' by Bill & Melinda Gates Foundation (BMGF).
A cadeia de saneamento

É necessário que as partes interessadas do setor de saneamento e da liderança política no sul da Ásia promovam esses fatores-chave para tornar realidade o “saneamento em toda a cidade, para todos”. O planeamento tem de ser adaptado à fase de desenvolvimento do saneamento na cidade. Além disso, é possível personalizar uma série de ferramentas (incluindo fluxogramas de excrementos, SaniPlan, FSM Toolboxe Prognosis for change) para o planeamento de saneamento ao nível de uma cidade.

Notas de debate da SACOSAN

O debate do plenário no evento paralelo de gestão de lamas fecais da SACOSAN VII, organizado pela WaterAid e com a participação de importantes representantes governamentais e especialistas do tema, indicou que, embora a maioria dos países reconheça a gestão de lamas fecais como um passo crítico para o derradeiro objetivo de ter um saneamento gerido com segurança para todos, ainda há um longo caminho a percorrer para alcançar esse objetivo. A finalidade parece ser atingir o patamar das cidades ocidentais, com 100% de cobertura de esgotos e estações de tratamento de águas residuais, e a gestão de lamas fecais é um passo intermédio nesse sentido. No entanto, esta abordagem continua a ser um ponto de debate sério entre especialistas em saneamento urbano e decisores políticos.

Alguns dos países falaram sobre os passos necessários para garantir que as estações de tratamento de águas residuais existentes se tornam totalmente funcionais, enquanto outros falaram sobre as suas experiências-piloto de gestão de lamas fecais nalgumas cidades.

Algumas notas específicas dos representantes dos países foram:

  • O Paquistão salientou a necessidade de abordar problemas técnicos que afetam a funcionalidade das estações de tratamento de águas residuais existentes. O problema da aquisição de terrenos para estações de tratamento semelhantes para as cidades é um grande desafio, e é necessário examinar sistemas adequados para garantir que as lamas fecais são tratadas ou eliminadas com segurança.
  • O Nepal reconheceu que o país ainda está na fase inicial de abordagem à gestão de lamas fecais e irá tentar avançar para projetos-piloto de soluções de tratamento adequadas, ao mesmo tempo que estabelece o quadro institucional e regulamentar para estes.
  • O Afeganistão partilhou detalhes da sua estação-piloto de tratamento de lamas fecais em Cabul, indicando o quão apropriada é esta estação tendo em conta o terreno e a população dispersa. Partilhou igualmente o seu plano de aumentar as abordagens semelhantes noutras cidades do país.
  • O Seri Lanca partilhou que as estações de tratamento de lamas fecais, sustentadas por diretrizes políticas e regulamentares, têm sido uma parte essencial dos seus planos de saneamento ao nível das cidades há já algum tempo. O país ambiciona agora aplicar esta abordagem em mais cidades, para além de referir que tenciona analisar modelos de desenvolvimento de negócios com base em opções adequadas de tratamento e reutilização.
  • A Índia descreveu o papel ativo desempenhado pela sociedade civil através da rede de gestão de lamas fecais, ao motivar o governo para avançar em termos de políticas, financiamento e ações no terreno. Muitas das principais cidades da Índia estão a implementar o co-tratamento como parte de estações de tratamento de águas residuais, enquanto cidades mais pequenas estão a analisar a implementação de estações de tratamento de lamas fecais.

O evento paralelo gerou uma certa abertura e boa vontade por parte de alguns dos responsáveis governamentais de cada país, permitindo-lhes reconhecer o problema, partilhar conhecimentos e boas práticas.

Ainda há algum caminho a percorrer antes de os líderes políticos decidirem apoiar a gestão de lamas fecais como uma parte fundamental do planeamento de saneamento ao nível das cidades, do financiamento e da ação no terreno.

Entretanto, é importante que representantes da sociedade civil, como a WaterAid e outras partes interessadas do setor, continuem a chamar a atenção para este problema: partilhando modelos bons, inovadores e escaláveis que mostrem claramente os benefícios desta abordagem, sobretudo para a população mais pobre, ao garantir a saúde e o bem-estar da comunidade em geral ao nível da cidade.

1 Programa Conjunto de Monitorização (JMP) da OMS/UNICEF para abastecimento de água, saneamento e higiene (washdata.org).
2 Urban Sanitation - why a portfolio of solutions is needed (Saneamento urbano - por que é necessário um portfólio de soluções), documento de trabalho da BCG, dezembro de 2014.