Como podemos garantir que todos possam lavar as mãos com sabão e água, para proteger vidas da COVID-19?

13 min read
WaterAid/ Sibtain Haider

Om Prasad Gautam, Khairul Islam e Erik Harvey discutem a importância da lavagem das mãos com sabão e água na redução do risco de infecção por COVID-19 e destacam o que o setor de água, saneamento e higiene pode e deve fazer em resposta à pandemia de coronavírus.

COVID-19, a doença causada pelo coronavírus que surgiu no final de 2019, está rapidamente a espalhar-se pelo mundo e ainda não está disponível um tratamento específico, incluindo vacinas. Esta pandemia global é uma emergência de saúde pública, que dá origem a elevados níveis de ansiedade e com impactos devastadores na saúde, na educação e nos meios de subsistência das pessoas.

Até à data, a COVID-19 propagou-se sobretudo em países de elevados rendimentos, com sistemas de saúde relativamente resistentes. No entanto, o impacto será muito maior se continuar a propagar-se para países com sistemas de saúde mais fracos. Os efeitos sobre as populações em países de baixo e médio rendimento (LMIC) seriam catastróficos, não apenas como consequência direta, mas também devido ao ainda maior enfraquecimento dos serviços críticos de saúde.

Alunos lavam as mãos numa escola em Chhattisgarh, Índia.
Alunos lavam as mãos numa escola em Chhattisgarh, Índia.
WaterAid/ Prashanth Vishwanathan

Lavar as mãos com sabão é vital para combater o coronavírus

A pandemia de COVID-19 está a evoluir rapidamente e ainda precisamos de saber mais sobre isso. Porém, uma coisa é certa: para proteger as pessoas e reduzir o risco de infeção com o vírus, lavar as mãos frequentemente e bem com água e sabão é essencial.

Basta lavar as duas mãos com água e sabão:

  • antes de comer ou dar de comer
  • depois de ir à casa de banho
  • antes de tocar no nariz ou no rosto
  • depois de tocar em áreas frequentemente expostas a potencial contaminação

Isto pode ajudar a evitar que as pessoas apanhem o coronavírus e que contribuam para a sua transmissão.

A higiene das mãos tem muitos benefícios para a saúde

Lavar as mãos com sabão salva vidas. A intervenção de saúde pública mais económica também protege as pessoas contra doenças de alto risco, tais como cólera, outras doenças diarreicas, pneumonia e vermes intestinais.

Tem sido associado a:

A mortalidade infantil relacionada com infeções pode ser reduzida até 27% ao melhorar as práticas de lavagem das mãos nas instalações de cuidados de saúde, e é possível reduzi-la mais 40% com a lavagem das mãos depois do parto.

No entanto, a disponibilidade de instalações de lavagem das mãos em países de baixo e médio rendimento é fraca. Globalmente, 40% das famílias ainda não têm instalações para lavar as mãos com água e sabão, e apenas 19% das pessoas lavam as mãos com sabão depois de defecar. Quase metade das instalações de cuidados de saúde (43%) não têm instalações básicas de higiene das mãos nos pontos de atendimento, e praticamente metade das escolas (47%) nos países em desenvolvimento não têm instalações de lavagem das mãos. Isto torna uma boa higiene das mãos impossível para milhões de pessoas, contribui para a disseminação de infeções e dificulta o combate a esta pandemia.

Os médicos lavam as mãos com água de um jarro enquanto se preparam para fazer uma cesariana no Hospital Kiomboi, na Tanzânia.
Os médicos ajudam-se uns aos outros a lavar as mãos enquanto se preparam para fazer uma cesariana no Hospital Kiomboi, na Tanzânia, antes a WaterAid começou a trabalhar para melhorar as instalações de lavagem no local.
WaterAid/ Anna Kari

Na WaterAid, sempre promovemos a lavagem das mãos com água e sabão enquanto parte do nosso programa contínuo de água, saneamento e higiene (WASH) e de alterações de comportamento em termos de higiene. Diante da ameaça da COVID-19, iremos intensificar os nossos esforços para melhorar a lavagem das mãos com sabão. Iremos apoiar os esforços dos governos e dos parceiros para manter as pessoas seguras, ajudando nesta área da nossa especialização. Este é o momento em que todos precisamos de agir em conjunto para mudar os comportamentos de higiene das pessoas – para toda uma geração, em grande escala.

O que devem fazer as agências de WASH para limitar a propagação do coronavírus?

Enfrentar a COVID-19 requer um pacote abrangente, incluindo intervenções preventivas, protetoras e curativas. As más condições de WASH e a falta de práticas de higiene contribuem para a propagação de infeções e dificultam muito o controlo da epidemia de COVID-19. Enquanto o setor da saúde se concentra na vigilância de doenças, deteção de casos, tratamento e gestão de casos, o setor WASH e as agências que trabalham na promoção de WASH e da higiene devem unir-se para se concentrarem no lado da prevenção e da proteção da resposta.

Acreditamos que o setor WASH pode fazer as seguintes contribuições urgentes:

  • Todos temos de adotar uma abordagem de "não causar danos" enquanto ao mesmo tempo, promovemos a higiene. As reuniões públicas, como eventos comunitários, eventos culturais e desportivos, o contacto entre pessoas, workshops e seminários em larga escala iriam dar origem a um elevado risco de transmissão do vírus. É importante definir respostas faseadas com base nos contextos de cada país e na forma como o vírus se está a propagar nesse local.
  • Devem ser ativados ou estabelecidos núcleos de WASH a nível nacional e regional, contribuindo para o plano geral de preparação, e liderando os aspetos promocionais das medidas preventivas e de proteção. Os setores de WASH e da saúde precisam de trabalhar em conjunto nisto.
  • As agências WASH (todos os parceiros de desenvolvimento e o setor privado) e os líderes governamentais precisam de rever os materiais promocionais de higiene existentes, voltar a projetar pacotes e incluir neles comportamentos abrangentes adequados para a COVID-19, de acordo com as orientações globais. É importante desenvolver e adicionar materiais impressos, áudio e visuais para mobilizar os meios de comunicação digitais e em massa, bem como as redes sociais. Também é imperativo disponibilizar mensagens abrangentes, coerentes e concisas ao público, para neutralizar qualquer desinformação sobre a COVID-19.
  • O setor WASH, em coordenação com a saúde, a educação e outros, poderia lançar campanhas de promoção da higiene em larga escala nacional, com enfoque em comportamentos-chave, direcionados para o grande público e para grupos específicos. É importante usar vários pontos de contacto promocionais, ter um elevado alcance com uma frequência grande e manter a fidelidade para evitar confusão.
  • Podemos apoiar os governos para melhorar as instalações de higiene em locais-chave, como ambientes de cuidados de saúde, escolas, paragens de autocarro, mercados e outros locais públicos.
  • O setor pode trabalhar com os principais responsáveis pela tomada de decisões para acelerar a ação, por exemplo, apoiando os governos para disponibilizar orientações adequadas para as organizações e os principais empregadores de cada país sobre o que podem fazer para contribuir. Pode também coordenar com o setor da saúde, educação, os parceiros de desenvolvimento, o setor privado e as organizações da sociedade civil para organizar uma resposta coordenada.
  • O setor pode reavaliar a situação num momento posterior, com base na dinâmica de transmissão das doenças, em coordenação com o setor da saúde, e debater as ações a implementar. Quando as medidas de distanciamento social forem levantadas, podemos criar uma mudança de comportamentos sustentada a longo prazo e programas WASH resilientes.
  • Os doadores do setor de WASH e saúde podem fornecer um financiamento rápido e flexível, bem como assistência técnica para os esforços liderados pelo governo a fim de promover uma boa higiene e criar sistemas WASH. Estes podem investir em programas de mudança de comportamentos sustentados e em serviços WASH, enquanto prioridade essencial para garantir a segurança global da saúde e prevenir futuras pandemias.
  • O setor pode consolidar lições para uma melhor promoção, agora e em qualquer resposta futura, e reduzir a lacuna de evidências a partir das lições programáticas e da investigação.
  • Os serviços WASH, como os sistemas de abastecimento de água e os serviços de saneamento, devem ser funcionais quando estiverem disponíveis nesta crise, para que as instalações de cuidados de saúde possam fornecer cuidados de qualidade e para quem se isolar em casa possa aceder a instalações que garantam a sua dignidade. As agências do setor WASH e os prestadores de serviços devem dar apoio neste sentido.
  • A COVID-19 irá afetar as pessoas de diferentes maneiras. O setor WASH precisa de apoiar respostas inclusivas em termos de género e socialmente inclusivas na promoção da higiene,evitando qualquer estereótipo. Precisa de reconhecer que as pessoas mais marginalizadas são mais afetadase garantir que as mensagens chegam a todos e apelam a diversas pessoas.

Como é que a WaterAid está a participar na resposta à COVID-19?

A WaterAid não é uma agência médica e não lidamos com vigilância de doenças ou gestão de casos, incluindo tratamento. Como uma agência WASH e líder global na promoção de higiene e de alterações comportamentais, iremos dar apoio aos governos nacionais e aos mecanismos liderados pelo governo para promover a higiene, que se centrem em comportamentos que são fundamentais para controlar e prevenir a propagação do coronavírus.

Nos nossos programas operacionais dos países, iremos apoiar os governos na conceção de pacotes de promoção de higiene e ajudar na implementação de campanhas em meios de comunicação em massa, digitais e em redes sociais para amplificar mensagens de promoção de higiene, estabelecendo uma relação com a COVID-19. Em coordenação com os governos nacionais, iremos intensificar essa resposta nalguns países mais populosos com casos registados em que o controlo do coronavírus iria reduzir o impacto global e proteger os países vizinhos mais pequenos. Do mesmo modo, iremos intensificar a resposta quando tivermos programas de higiene pré-existentes.

As nossas iniciativas de promoção de higiene irão concentrar-se em comportamentos-chave que são críticos para reduzir a propagação do coronavírus, com base nas recomendações da OMS e nas prioridades nacionais dos ministérios da saúde. Abaixo encontra-se o conjunto inclusivo de comportamentos, que iremos contextualizar para cada país.

Lavar as mãos com sabão

Lavando bem ambas as mãos com sabão e água frequentemente (sobretudo antes das refeições ou de dar de comer; antes de tocar no nariz ou no rosto; depois de ir à casa de banho; após a exposição a qualquer sujidade, poeira, fluidos ou superfícies de contacto frequente).

Higiene respiratória

Cobrir nariz e boca ao tossir e espirrar (espirrar ou tossir para o cotovelo, caso se use um lenço, deitá-lo fora num recipiente fechado), seguindo-se a lavagem das mãos com sabão.

Manter o distanciamento social

Evitar o contacto próximo e manter, pelo menos, 2 m de distância de qualquer pessoa a tossir ou a espirrar. Manter o distanciamento social, por exemplo, evitando encontros com muitas pessoas. Utilizar saudações sem contacto, não apertos de mão ou abraços, por exemplo.

Limpeza

Limpeza de superfícies de contacto frequente utilizando desinfetante, como maçanetas ou puxadores, telemóveis, interruptores de luz, botões de elevadores, superfícies de trabalho e corrimões.

Indicação

Se se sentir mal, fique em casa. Se tiver febre ou tosse/dificuldade em respirar, consulte imediatamente um médico, ligando previamente. Siga as recomendações do seu ministério da saúde.

A nossa resposta faseada à COVID-19

Estamos a adotar uma abordagem faseada que responde à natureza dinâmica da transmissão do coronavírus e às diversas necessidades dos países-alvo. Todas as campanhas de promoção da higiene são efetuadas em parceria ou coordenação com o governo.

Fase 1 (dois a três meses). Prevemos que este seja o período crítico para reduzir a propagação do coronavírus em países de baixo e médio rendimento. O nosso objetivo é centrar-nos em três elementos principais:

  • Promoção da higiene em larga escala. Para minimizar o risco através do contacto interpessoal, iremos concentrar-nos em meios de comunicação em massa, digitais, materiais impressos e redes sociais como principais canais de divulgação. Mais concretamente, iremos criar lembretes visuais ou sugestões (por exemplo, para serem colocados perto de instalações de lavagem de mãos) e anúncios de serviço público para cartazes, publicidade impressa, rádio, televisão e redes sociais. Nestes, iremos recorrer a celebridades locais que demonstrem os comportamentos-alvo e que liderem pelo exemplo. Todo o nosso trabalho será alinhado com campanhas lideradas pelo governo. A nossa divulgação irá concentrar-se em ter uma elevada cobertura com maior frequência, mantendo a fidelidade da promoção.
  • Apoiar os governos a melhorar as instalações de higiene em locais-chave. As evidências mostram que, durante os surtos, as pessoas normalmente começam a lavar as mãos mais porque estão preocupadas. No entanto, em países de baixo e médio rendimento, água e sabão estão disponíveis menos frequentemente, o que pode criar uma barreira importante que impede as pessoas de fazer a coisa certa. Consoante a disponibilidade de orçamento, iremos apoiar a construção de instalações de lavagem das mãos em locais públicos chave (por exemplo, mercados e paragens de autocarro). Os locais serão identificados consultando o governo e as instalações ficarão sob a sua gestão.
  • Trabalhar com os principais responsáveis pela tomada de decisões para acelerar a ação. Para responder rapidamente à ameaça do coronavírus, precisamos de envolver o maior número possível de organizações nos esforços de prevenção. É importante começar a trabalhar com os governos para dar prioridade à incorporação da mudança de comportamentos de higiene no núcleo dos planos nacionais de desenvolvimento económico. Iremos apoiar os governos para que tenham uma coordenação virtual com organizações e principais empregadores de cada país, para que possam aconselhá-los sobre como podem contribuir. Sempre que necessário, iremos facilitar igualmente uma melhor coordenação setorial e intersetorial.

Fase 2 (passados 6 meses). No final da primeira fase, iremos reavaliar a situação com base na dinâmica de transmissão da doença na altura. Iremos debater os cursos de ação com os governos. Nesta fase, idealmente, iremos dar apoio aos parceiros governamentais e da sociedade civil para que intensifiquem a campanha em curso através de comunicação interpessoal ou eventos (se as restrições forem levantadas), enquanto continuamos com a campanha digital e de meios de comunicação em massa. Também nos iremos concentrar na promoção destes comportamentos através dos nossos programas existentes.

Esta fase irá também incluir planeamento a longo prazo e ações para programas de mudança de comportamentos de higiene sustentáveis através de programas em curso e de novos programas nos países.

Kumari Maya Shrestha a lavar as mãos na torneira perto de sua casa em Mayankhu, Nepal.
Kumari Maya Shrestha a lavar as mãos na torneira perto de sua casa em Mayankhu, Nepal.
WaterAid/ Mani Karmacharya

Como podemos tornar as intervenções mais eficazes após a resposta à COVID-19?

Acreditamos na programação de mudanças de comportamento sustentáveis. Entre as razões para a baixa cobertura contínua de uma boa higiene no setor estão a falta de priorização da higiene; intervenções ineficazes e focadas no conhecimento; posicionamento da higiene como atividade complementar; conceção de intervenções baseadas no pensamento especializado; implementação de programas de higiene em silos; falta de mecanismos institucionais e de financiamento específicos; e mecanismos de monitorização centrados em resultados.

Embora o reconhecimento da importância da mudança de comportamentos esteja a aumentar, impulsionado por esta pandemia, esta ainda é altamente negligenciada nos setores WASH, de saúde, educação e nutrição. Estamos plenamente conscientes de que o medo da propagação de doenças funciona como um estímulo para que as pessoas exijam produtos comportamentais e procurem comportamentos potenciais para por em prática imediatamente. Manter esse desejo é primordial. Todos nós devemos estar sempre conscientes da higiene, lavando as mãos com sabão, para além de adotarmos outros comportamentos-chave enquanto parte das nossas rotinas normais, a fim de evitar surtos futuros.

Iremos continuar a impulsionar os nossos programas de higiene inovadores, eficazes e robustos. Estes são concebidos através de um processo criativo, com base na investigação formativa e no uso das emoções das pessoas, de pistas ambientais, lembretes, pistas, produtos comportamentais e criando desejo social e normas para mudar comportamentos. Iremos continuar a investir no reforço da capacidade do setor de integrar e aumentar a implementação de programas de mudança de comportamentos através dos setores WASH, de saúde, nutrição e educação.

A longo prazo, as agências de WASH e de saúde devem abandonar abordagens educativas tradicionais ineficazes para promover a higiene, concentrando-se, em vez disso, em programas de mudança de comportamentos sustentados e em escala. O setor deve adotar abordagens centradas no comportamento, nas quais ouvimos verdadeiramente as comunidades para entender os determinantes comportamentais universais – os seus motores, as suas motivações e ambições – e projetamos e implementamos intervenções de mudança de comportamentos específicas do contexto, com base em emoções para gerar mudanças comportamentais duradouras e positivas.

Crucialmente, todos nós precisamos de apoiar os governos para aumentar as suas capacidades de executar, priorizar e atribuir financiamento a mudanças de comportamentos de higiene e intervenções em WASH. Precisamos igualmente de demonstrar o quanto essas campanhas podem ser mais eficazes para prevenir surtos futuros, epidemias e pandemias.

Om Prasad Gautam é gestor sénior de WASH para higiene na WaterAid UK (a nossa principal equipa global na área da higiene), Khairul Islam é diretor regional da WaterAid para o sul da Ásia e Erik Harvey é diretor da unidade de apoio a programas na WaterAid UK.

Se tiver qualquer pergunta para a WaterAid sobre o coronavírus, envie um e-mail para o Om aqui.

Pode fazer um donativo para a nossa resposta de emergência à COVID-19 aqui