Incentivar uma ligação entre o microfinanciamento e o WASH para apoiar uma recuperação sustentável da COVID-19

on
20 July 2020
A girl crouching to feed chickens in rural Bangladesh
WaterAid/Drik/Habibul Haque

Como podemos juntar as intervenções tradicionais de água, saneamento e higiene com abordagens de microfinanciamento para apoiar as famílias de baixos rendimentos a fim de obter serviços sustentáveis? O Diretor Nacional da WaterAid Bangladexe e antigo Diretor de Programas partilha a sua experiência de gestão de um esquema de microfinanciamento de WASH.

O microfinanciamento e o WASH (água, saneamento e higiene) podem não parecer muito compatíveis. Os principais fornecedores de WASH através de intervenções de desenvolvimento têm defendido o acesso a WASH como direitos fundamentais, muitas vezes a serem fornecidos através de apoio ou subsídio (total ou parcial) para lares com baixos rendimentos. Na sua opinião, as famílias de baixos rendimentos não deveriam ter de investir diretamente em WASH através de um empréstimo com juros à taxa de mercado.

Em contrapartida, o microfinanciamento normalmente tem ajudado as famílias de baixos rendimentos a enfrentar crises, como emergências familiares ou perda de rendimentos, e tem permitido o acesso a capital para iniciativas ou pequenas empresas, como a venda de produtos alimentares e a criação de aves de capoeira ou de vacas, através de produtos financeiros, como empréstimos, com condições acessíveis. Além disso, o microcrédito é visto como um tipo especial de intermediação financeira e não como uma instituição de caridade baseada em subsídios. O abismo entre as duas abordagens tem aparentemente dissuadido ambos os lados de explorar os benefícios de os reunir com sucesso.

Ver o microfinanciamento e o WASH como complementares

Poder-se-ia procurar uma solução juntando os dois sem alterar os seus objetivos. Embora o microfinanciamento inclusivo deva continuar a apoiar as comunidades desfavorecidas com serviços financeiros inovadores para WASH, os fornecedores de WASH podem ter um plano de saída viável para que as pessoas sustentem o equipamento e as práticas seguras depois da atribuição das verbas. Esta sustentabilidade continua a ser um desafio para os projetos de WASH.

Os projetos de WASH convencionais têm-se concentrado principalmente em intervenções de equipamento, que são apenas investimentos de capital únicos. A operação e manutenção tem sido limitada a grupos de utilizadores comunitários ou comités de gestão, sem meios sustentáveis de financiamento. Como resultado, vemos frequentemente que quando as torneiras e instalações sanitárias deixam de funcionar depois de um projeto ter terminado, a comunidade tende a esperar por assistência externa mesmo para pequenas reparações, uma vez que estão habituadas a esse apoio há anos. Esta falta de propriedade funcional e atitude de dependência levanta a grande questão: como assegurar a sustentabilidade a longo prazo?

Sayra Begum lava as mãos com sabão ao lado de sua latrina perto de sua casa em Sunamganj Tahirpur, Bangladesh.
WaterAid/ Tapas Paul
Sayra Begum lava as mãos com sabão ao lado da sua latrina em Sunamganj Tahirpur, Bangladesh. O comité da aldeia arrecadou dinheiro para as casas de banho dos moradores, mas os moradores ainda lutam para ter acesso à água.

A análise crítica de nossas abordagens e de outras pessoas melhora a conceção

Uma crítica ao setor de desenvolvimento é que não partilhamos as nossas falhas com frequência e de forma suficientemente honesta, e muitas vezes reinventamos a roda, mantendo o verdadeiro retrato da conceção e implementação invisível. Chegou a hora de acabarmos com essas práticas e ver o que funcionou e o que não funcionou, como construir sobre fracassos ou sucessos passados, e adotar uma visão crítica das nossas abordagens de execução atuais.

A nossa consideração relativamente ao microfinanciamento decorreu de uma análise crítica do nosso próprio trabalho. Duas áreas-chave chamaram mais a atenção: a sustentabilidade a longo prazo das instalações de WASH nas comunidades; e a má qualidade das superstruturas de latrinas instaladas pelas famílias. A primeira reflete uma lacuna no fluxo de mecanismos de financiamento institucional, para além da formação de grupos de utilizadores ou comités de gestão. À medida que o desenvolvimento económico avança, a mudança de estilos de vida significa que as pessoas têm menos tempo para participar em grupos comunitários e há uma tendência para a propriedade individual de bens e de acesso a serviços. Por conseguinte, foi necessário repensar seriamente tais acordos de contratação social, que se tinham baseado principalmente na cooperação semiformal. Esta última questão estava apenas ligada à necessidade de criar uma procura de superstruturas de alta qualidade, com mecanismos de financiamento para a construção por cada família.

Esta análise incentivou-nos a analisar cuidadosamente as abordagens alternativas de financiamento de WASH e a repensar a nossa estratégia. Desde o início que temos tido o cuidado de capitalizar os pontos fortes tanto do microfinanciamento como do WASH: a mobilização da comunidade e as competências de criação de procura dos profissionais convencionais de WASH; e as competências dos profissionais de microfinanciamento em matéria de avaliação financeira e gestão eficiente dos instrumentos financeiros.

Ao analisarmos as experiências de outras organizações, constatamos que misturar estas duas competências distintas e conseguir que sejam disponibilizadas pelo mesmo indivíduo não tem sido uma estratégia bem sucedida. Se pedir a um responsável por empréstimos de microfinanciamento que motive as comunidades para o investimento em superstruturas de WASH, não está a tirar o melhor partido das respetivas competências especializadas para implementar um esquema financeiro. E não deve esperar que os agentes de promoção de WASH da linha da frente desempenhem eficientemente o seu papel de agentes de crédito, pelo menos, sem uma formação rigorosa.

Como ambos os conjuntos de competências especializadas estão disponíveis nas comunidades, entendemos que é melhor que cada um faça o seu trabalho e trazê-los para um projeto comum. Ao mesmo tempo, não queríamos distorcer as taxas de mercado predominantes para produtos de empréstimos de microfinanciamento (20-25% por ano), considerando a sustentabilidade para além do período do projeto, pois, caso contrário, a instituição de microfinanciamento (IMF) não conseguiria cobrir os seus custos de operação sem subsídio dos doadores.

O nosso projeto para melhorar o WASH com o microfinanciamento

Estabelecemos uma parceria com a SKS e a ESDO para conceber e implementar um projeto simples e escalável de microfinanciamento de WASH (MFW) nos distritos de Gaibandha, Thakurgaon e Panchagar, a fim de melhorar as instalações de WASH para as comunidades rurais através do microfinanciamento. A conceção envolveu a participação de grupos de microfinanciamento e de WASH da SKS e da ESDO, para reunir competências no domínio das tecnologias WASH, da mobilização da comunidade e da criação de procura, e estabelecer protocolos para a avaliação e administração de empréstimos. Estabelecemos um objetivo de equilíbrio de 21 meses, após o qual o esquema deverá poder continuar sem subsídios.

Ao conceber o esquema, retirámos lições dos diversos tipos de empréstimos existentes oferecidos pelas IMF, como o empréstimo ao consumidor, o empréstimo para a educação e o empréstimo de emergência (muitos dos quais não geram retornos financeiros imediatos, como acontece com os empréstimos comerciais típicos). Convidámos as equipas das IMF da SKS e da ESDO a liderar a conceção e implementação, em parceria com as suas homólogas do WASH.

Desenvolvemos o esquema de MFW com duas componentes integrais: um produto de empréstimo para infraestruturas de WASH como investimento de capital; e poupanças para cobrir despesas de operação e manutenção e pequenas despesas de reparação. O papel da homóloga de WASH era criar procura de infraestruturas de WASH na comunidade. Assim que uma família se interessasse por uma instalação de WASH, a homóloga de WASH iria apresentá-la à equipa de MF na filial mais próxima.

O agregado familiar tinha, então, de se inscrever no grupo regular de microfinanciamento próximo e continuar a ser um membro regular. Depois, tem de manter uma conta de depósitos na IMF, o que o tornaria rapidamente elegível para solicitar um empréstimo para WASH, juntamente com outras facilidades de empréstimo. A ONG de WASH fornece assistência técnica para orientar o cliente sobre a tecnologia, mas o cliente tem de gerir o empréstimo.

Divisão clara das funções entre IMF e ONG

O que é único na conceção do nosso esquema de MFW é a clara divisão de papéis entre IMF e ONG (neste caso, sob a mesma gestão da SKS e da ESDO). O papel da ONG era a criação de procura, a assistência técnica e o acompanhamento; a unidade da IMF era responsável pela avaliação financeira, o desembolso e a cobrança de empréstimos. Esta foi a caraterística singular do nosso modelo na primeira fase: cada núcleo a executar a tarefa em que é especializado.

Quando implementámos o esquema, a WaterAid forneceu o financiamento para cobrir o défice operacional das IMF durante o projeto, com pessoal adicional para a criação de procura, compensando as receitas mais baixas geradas pelos empréstimos de WASH, que estavam abaixo da dimensão média dos empréstimos para as IMF. As IMF forneceram o fundo de empréstimo a partir das suas próprias fontes e foram responsáveis pela cobertura dos custos administrativos a partir das receitas obtidas através das taxas de serviço. Verificou-se um esforço deliberado para não distorcer as normas operacionais das IMF, reduzindo a taxa de serviço do empréstimo, a fim de promover a sustentabilidade a longo prazo. Mais de 90% do financiamento para o esquema de MFW ao longo de dois anos foi assegurado pelas IMF. A parte restante proveio da subvenção operacional, que deixaria de ser necessária após o objetivo de equilíbrio de dois anos.

Os resultados da fase piloto foram encorajadores, pelo que, ao entrarmos na segunda fase, flexibilizámos a condicionalidade da componente de crédito para permitir aos clientes a utilização de parte do empréstimo para outros fins que não a construção de instalações sanitárias ou pontos de água. Isto permitiu às IMF oferecer produtos de empréstimo mais atrativos para WASH sem comprometer a dimensão média dos empréstimo. A opção de utilizar o empréstimo para várias finalidades também serviu de incentivo para os clientes nos casos em que o acesso a serviços financeiros acessíveis era um desafio para as comunidades mais pobres. O resultado foi uma taxa de recuperação encorajadora acima dos 99%.

Generalização do microfinanciamento de WASH e inclusão dos mais pobres

Inspirados pela experiência dos nossos projetos-piloto de MFW, no Bangladexe estamos a considerar uma integração gradual de componentes de MFW no nosso planeamento estratégico e na conceção de programas. Existe, contudo, uma limitação à nossa conceção atual: o pacote financeiro padrão ainda não é adequado para aqueles que vivem em extrema pobreza. Este segmento das comunidades pobres necessita de atenção especial, com esquemas subsidiados. Ao conceber projetos de WASH para as pessoas mais pobres, temos de explorar a possibilidade de incorporar subsídios inteligentes, criando várias ligações com esquemas públicos e de aumento do mercado, facilitando assim uma "saída" da pobreza extrema.

O MFW é adequado para a maioria, se não para todas, as IMF do Bangladexe? Quais são os desafios? Um estudo conjunto realizado pelo Grupo Banco Mundial e a Water.org (PDF) em 2015 descobriu que o risco associado aos produtos de WASH é semelhante ao dos produtos de empréstimo regular, tendo uma taxa de reembolso superior a 99%.

É a mudança de atitude das IMF e do "WASHwalas" (agentes de promoção do WASH) que é importante. Frequentemente, existe uma hesitação de ambas as partes: as IMF hesitam em reduzir os seus empréstimos para fins aparentemente não produtivos, como o WASH, enquanto que as ONG têm historicamente considerado tais instalações como direitos básicos dos cidadãos e, por conseguinte, algo cujo fornecimento é da responsabilidade dos detentores de direitos e das comunidades doadoras.

Porém, estas ideias estão a mudar gradualmente. A nossa experiência demonstra que os resultados encorajadores para as comunidades de baixos rendimentos podem vir de uma parceria estratégica entre as IMF e as ONG de WASH, sendo que cada uma se concentra nas suas capacidades específicas. De facto, outra abordagem possível para o financiamento de WASH liderado por IMF que pode obter ainda maior sucesso consiste numa secção dedicada ao WASH dentro da organização, especialmente em locais menos remotos.

Husne Ara Begum ajuda a lavar as mãos da filha em Sunamganj Tahirpur, Bangladesh.
WaterAid/ Tapas Paul
Husne Ara Begum ajuda a lavar as mãos da filha em Sunamganj Tahirpur, Bangladesh.

Colaboração e integração no novo normal pós-COVID-19

No novo normal de um mundo pós-COVID-19, os setores financeiro e de desenvolvimento devem realinhar as suas intenções estratégicas. As pessoas estão mais conscientes do que nunca da importância da saúde e da higiene das mãos, e há uma extrema necessidade de água corrente ou instalações de lavagem das mãos em cada casa e comunidade, para permitir que as pessoas se protejam a si próprias e aos outros da pandemia.

A rápida promoção da higiene a uma escala sem precedentes em todo o Bangladexe criou uma oportunidade para as IMF abordarem a crescente procura de financiamento de produtos e instalações de WASH nas comunidades. As ONG de WASH podem complementar isto através de inovações na conceção eficiente dos produtos de WASH, desenvolvendo as capacidades técnicas dos empresários locais de WASH e facilitando as ligações comerciais com as IMF.

O microfinanciamento está enraizado na economia do Bangladexe: existem mais de 750 IMF registadas, e, em 2017, cerca de 27 milhões de mutuários ativos de microfinanciamento com empréstimos no total de cerca de 7897 milhões de dólares e saldos de depósitos superiores a 5038 milhões de dólares. Com a melhoria inovadora e contínua dos pacotes financeiros, o microfinanciamento estabeleceu-se como um meio poderoso para contribuir para o desenvolvimento sustentável e a capacitação das mulheres para economias subdesenvolvidas. É extremamente importante reforçar o envolvimento das IMF na revitalização da economia do Bangladexe pós-COVID.

As IMF têm como legado apoiar a recuperação das economias locais com poupanças, empréstimos de emergência, proteção de crédito e financiamento a curto prazo para habitação após catástrofes naturais. É tempo de incorporarem a agenda de melhorar a saúde e a higiene através de WASH inclusivo na sua agenda mais antiga de combate à pobreza. É necessário promover as associações de WASH e IMF, para nos prepararmos para o novo panorama normal da estratégia de desenvolvimento, financiamento e fornecimento.

Hasin Jahan é Diretor Nacional da WaterAid Bangladexe e Hossain I. Adib é Chefe de Implementação de Programas em Ação Prática, Gabinete Nacional do Bangladexe (e ex-Diretor de Programas da WaterAid Bangladexe).