Sete caminhos para acabar com a desnutrição integrando nutrição com água, saneamento e higiene

on
21 August 2019
WaterAid/ Dennis Lupenga

Globalmente, mais de uma em cada cinco crianças com menos de cinco revelam atraso de desenvolvimento, o que prejudica irreversivelmente o seu desenvolvimento físico e cognitivo e limita as suas oportunidades da vida. O mau saneamento é o segundo principal fator de risco para o atraso de desenvolvimento de peso a nível mundial.

Para acabar com a fome e os efeitos devastadores e de longo prazo da desnutrição, temos de enfrentar as suas causas profundas. A falta de acesso a água potável, saneamento decente e boa higiene continua sendo um fator dramático da desnutrição, especialmente nas crianças. É altura de os governos, organizações da sociedade civil, doadores e setor privado implementarem coletivamente novas abordagens para garantir que as intervenções em água, saneamento e higiene (WASH) têm uma melhor integração com as políticas e os programas nutricionais.

Lições consistentes de Madagáscar, do Camboja e da Etiópia

Não há soluções milagrosas para criar uma abordagem multissetorial da nutrição e as ações devem ser específicas do contexto. No entanto, a pesquisa conjunta da Action Against Hunger e da WaterAid em Madagáscar, no Camboja e na Etiópia aponta para, pelo menos, sete impulsionadores ou fatores facilitadores, que podem apoiar um trabalho conjunto mais próximo entre as partes interessadas em nutrição e WASH para uma integração bem-sucedida das intervenções de WASH com políticas e programas nutricionais. Sete caminhos que podem contribuir para a criação de mudanças duradouras para comunidades e países travados pela desnutrição crónica.

A nossa experiência, baseada em entrevistas qualitativas com as partes interessadas nos três países, aponta para oportunidades e pontos de entrada para governos e parceiros para fortalecer abordagens multissetoriais. Esta conclusão é consistente com o trabalho anterior e a experiência do Banco Mundial, da USAID, da Action Against Hunger e de outros atores internacionais de desenvolvimento. Reconhecemos a complexidade da questão, mas esperamos contribuir para a discussão através da partilha da nossa experiência.

Os sete caminhos:

1. Liderança

O apoio e a liderança devem ser garantidos ao mais alto nível — do primeiro-ministro ou presidente. A desnutrição é multicausal, portanto, uma forte liderança é essencial para impulsionar a coordenação interministerial necessária para a enfrentar e responsabilizar os ministérios de tutela pela integração do WASH e da nutrição nos planos de desenvolvimento. Sem um apoio de alto nível e de alto gabarito, a definição de prioridades pode escapar.

2. Políticas

Assim como a liderança deve vir do topo, as políticas também deveriam. Os planos nacionais e regionais de desenvolvimento devem adotar uma abordagem multissetorial para integrar as intervenções nutricionais e WASH, visando melhorar a nutrição infantil. As políticas específicas para nutrição e WASH devem ser coordenadas e cruzadas entre si, cada uma exigindo ministérios líderes, orçamento suficiente, metas e indicadores.

No terreno, as intervenções correspondentes devem fornecer um pacote mínimo integrado de serviços de saúde, nutrição e lavagem e mensagens. Focar na promoção dos principais comportamentos de higiene (tais como lavagem das mãos em momentos-chave, tratamento seguro e armazenamento de alimentos e água e eliminação segura das fezes infantis), direcionados especialmente para mães, recém-nascidos e crianças, e combinado com intervenções nutricionais, oferece uma chave ponto de entrada para integração.

3. Financiamento e sistemas governamentais fortes

Para que as políticas sejam traduzidas em ação, os planos WASH e nutrição devem ser plenamente financiados, com estratégias de financiamento claramente definidas entre os ministérios que apoiam uma melhor coordenação. Tanto o financiamento nacional quanto o internacional precisam de aumentar, para apoiar os sistemas governamentais e garantir que as intervenções WASH possam ser alinhadas com intervenções nutricionais.

4. Dados

Os governos e os doadores devem priorizar os investimentos em sistemas de dados para permitir que as intervenções sejam priorizadas e direcionadas de forma eficaz e para permitir um acompanhamento fiável. As políticas públicas devem basear-se numa recolha sistemática de dados localizados, a fim de direcionar intervenções de WASH para hotspots de desnutrição, priorizando mães, recém-nascidos e crianças pequenas.

Sem dados de qualidade, de que forma é que os atores podem escolher onde concentrar os esforços e como acompanhar o progresso? Os países precisam de dados atualizados e localizados sobre a desnutrição e partilham dados regularmente entre os ministérios responsáveis pela nutrição e pelo WASH.

Raoly, 29 anos e a sua filha, Natasha, no posto de água, seis meses após a chegada da água à sua aldeia. Aldeia de Tsarafangitra, comuna Belavabary, distrito de Moramanga, Madagascar, março 2018.
WaterAid/ Ernest Randriarimalala
Raoly, 29 anos e a sua filha, Natasha, no posto de água, seis meses após a chegada da água à sua aldeia. Aldeia de Tsarafangitra, comuna Belavabary, distrito de Moramanga, Madagascar, março 2018.

5. Coordenação subnacional

A fim de implementar políticas de forma sustentável, é essencial assegurar reuniões regulares de coordenação entre as partes interessadas, de nível local para nacional. Os mecanismos de coordenação nacionais fortes estabelecidos a nível ministerial devem ser replicados a nível subnacional. Os governos nacionais e os doadores devem investir na criação de capacidades e na criação de incentivos para que as autoridades subnacionais planeiem, forneçam e monitorizem conjuntamente abordagens integradas de WASH e nutrição.

6. Partilha de conhecimento

As autoridades locais, as OSC, as ONG e os doadores devem priorizar a documentação e a partilha de conhecimento e experiência de projetos integrados de Wash e nutrição, para apoiar os governos a adotar e ampliar modelos que funcionam. Isto tem de acontecer do nível local para o internacional. A colaboração contínua entre a Scaling Up Nutrition (SUN) e a Parceira Saneamento e Água para Todos (SWA) é um ótimo fórum para partilhar lições.

7. Responsabilização

Os governos devem garantir a transparência e a prestação de contas — fundamentais para a condução de abordagens multissectoriais. Definir claramente papéis e responsabilidades em todos os setores e partes interessadas que trabalham em WASH e nutrição, e medidas comuns de sucesso, significa que todos sabem onde estão e pelo que são responsáveis - e para quem. A comunicação aberta e clara de novas abordagens multissectoriais pode demonstrar aos cidadãos os benefícios a longo prazo pretendidos e ajudá-los a manter o governo em conta.

Como demonstraram os estudos WASH Benefits e SHINE, a relação entre nutrição e WASH é complexa. Mas uma melhor colaboração entre os setores WASH e a nutrição pode, sem dúvida, apoiar o progresso coletivo em todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para acabar com a desnutrição e garantir que todos, em todo o mundo, têm acesso à água, ao saneamento e à higiene .

Governos e doadores devem agir de forma diferente investindo em ações integradas em nutrição e WASH, para garantir que cada criança tenha o início saudável que é seu direito.