Mãos limpas – uma receita para a saúde: ligar a higiene das mãos e a higiene dos alimentos

on
12 October 2018
Thumbnail
WaterAid/Jacques Nkinzingabo

Sete em cada dez casos de diarreia nos países em desenvolvimento podem ser transmitidos por alimentos, com efeitos devastadores na saúde e no desenvolvimento. Então, por que motivo a higiene alimentar é frequentemente excluída da promoção da higiene? Qual é a ligação entre a higiene dos alimentos e a higiene das mãos? Om Prasad Gautam, gestor sénior de WASH para a higiene da WaterAid do Reino Unido, explica o porquê e como mudar os comportamentos – e o que pode fazer para ajudar.

Mãos limpas – uma receita para a saúde. Por que motivo a higiene alimentar é tão importante?

A higiene alimentar pode ser um dos maiores problemas ainda por resolver no desenvolvimento. Lavar as mãos com sabão antes de comer, alimentar as crianças ou preparar os alimentos; cozinhar e reaquecer com cuidado; utensílios limpos para servir; e o armazenamento adequado e com tampa dos alimentos cozinhados são essenciais para prevenir doenças relacionadas com os alimentos e doenças diarreicas. No entanto, uma grande percentagem de pessoas não pratica rotineiramente uma boa higiene alimentar e lavagem das mãos.

As evidências sugerem que a preparação de alimentos e a alimentação não higiénicas poderão aumentar o nível de contaminação microbiológica dos alimentos e, consequentemente, o risco de doença diarreica. As pessoas com diarreia não só comem menos como são menos capazes de absorver os nutrientes dos alimentos. Para as crianças, isto afeta seriamente o desenvolvimento físico e cognitivo e deixa-as mais vulneráveis a doenças futuras. 1

O tema deste ano para o Dia Global da Lavagem das Mãos, o tema Mãos limpas – uma receita para a saúde concentra-se nas ligações entre a lavagem das mãos e dos alimentos, incluindo higiene alimentar e nutrição. Temos alguns progressos que merecem ser celebrados: a inclusão da lavagem das mãos na agenda dos ODS 6; a inclusão de indicadores de lavagem das mãos como parte do Programa Conjunto de Monitorização da OMS/UNICEF; mais dados do que nunca; a atenção política à lavagem das mãos; e menos crianças com menos de cinco anos a morrer de doenças diarreicas do que há 10 anos.

Mas ainda cerca de meio milhão de crianças morrem todos os anos de doenças diarreicas evitáveis. 2 Apesar de o simples ato de lavar as mãos com sabão poder reduzir os casos de diarreia em até 48%,3 apenas 27% das famílias em todo o mundo têm sabão e água para lavar as mãos4 e apenas 19% das pessoas lavam as mãos após o contacto com fezes. 5

Estudos sugerem que 70% da diarreia nos países em desenvolvimento pode ser de origem alimentar e de agentes patogénicos transmitidos através dos alimentos. 6 Precisamos de mais evidências como esta sobre o papel da higiene alimentar na prevenção da diarreia, para informar e aumentar eficazmente a urgência na política de saúde pública e na promoção da higiene. E precisamos de novas formas inteligentes de melhorar a higiene, informadas por evidências e abordagens centradas no comportamento, como as que monitorizamos no Nepal. 7

Até agora, as intervenções de saúde pública não abordaram a contaminação alimentar de forma suficiente – é uma enorme lacuna.

 

Five key prioritised food hygiene behaviours
Gautam O, Schmidt W, Cairncross S, Cavill S, Curtis V (2016). Trial of a novel intervention to improve multiple food hygiene behaviours in Nepal. American Journal of Tropical Medicine and Hygiene.
Cinco principais comportamentos de higiene alimentar priorizados

O que devemos fazer e não fazer?

O Dia Global da Lavagem das Mãos oferece uma oportunidade importante para aumentar consideravelmente a consciencialização do público sobre a importância da higiene das mãos e dos alimentos. Este ano, pedimos priorização, mudança de política, investimento e esforços coletivos e coordenados no sentido da programação da lavagem das mãos. Todos temos um papel a desempenhar – leia a parte final desta publicação para saber o que pode fazer.

As intervenções para combater a transmissão de doenças através de alimentos têm sido largamente esquecidas tanto na investigação como na programação em contextos de rendimentos baixos e médios. Esperemos que este ano o Dia Global da Lavagem das Mãos possa ajudar a mudar isso.

Também temos de evitar os maus hábitos na nossa campanha. As mensagens educativas pontuais dizendo às pessoas para fazer isto e aquilo, o desperdício de dinheiro a imprimir bonés e t-shirts ou o desperdício de tempo e recursos a distribuir cartazes e panfletos apenas neste dia não servirá de muito. Um esforço anual não será suficiente para mudar os comportamentos de higiene das mãos e dos alimentos. E também sabemos que não basta disponibilizar instalações para mudar os hábitos.

Em vez disso, celebrar o dia deve ser um ponto de entrada essencial para aprofundar o trabalho de mudança de comportamento. Precisamos nos concentrar durante todo o ano em incentivar as pessoas a melhorarem o seu comportamento, para maximizar os benefícios da melhoria das instalações de água e saneamento. Temos de mudar hábitos de uma vida com métodos de mudança comportamental baseados em evidências8 – emoção/motivação; estímulos, sugestões e instrumentos de apoio; tornar os bons hábitos fáceis e óbvios; e incentivar a boa higiene como norma social.

Como mudar eficazmente os comportamentos e a situação?

Para serem eficazes, as intervenções de mudança de comportamento de higiene devem ser cuidadosamente concebidas, com base em princípios científicos de mudança de comportamento, e abordar vários comportamentos-chave, incluindo a lavagem das mãos com sabão e higiene alimentar.

A WaterAid abandonou abordagens de higiene educacional antiquadas, condescendentes e ineficazes que repetem mensagens focadas apenas nos germes e nos benefícios para a saúde da boa higiene. Em vez disso, adotámos abordagens centradas no comportamento, nas quais ouvimos as comunidades para entender os seus determinantes universais de comportamento – as suas motivações, intenções e ambições. Em seguida, trabalhamos com equipas criativas para desenhar abordagens inovadoras e envolventes que usam as emoções para gerar mudanças duradouras no comportamento de higiene positiva.

Para melhorar os comportamentos, a higiene das mãos e dos alimentos deve ser integrada de forma mais adequada na nutrição, na saúde, na educação e na programação em curso dos setores WASH, a nível nacional e internacional. E os governos, os doadores e os profissionais devem aumentar o financiamento para intervenções complementares de higiene alimentar e de lavagem das mãos.

Apoiamos os governos a aumentar a sua capacidade de execução, priorização e alocação de financiamento para mudanças de comportamento de higiene, intervenções de água e saneamento. Demonstramos a forma como as campanhas de mudança de comportamento inovadoras e com boa base de investigação podem ser mais eficazes do que a educação tradicional. E trabalhamos com os governos para integrar a mudança de comportamento de higiene noutros setores, como a saúde (vacinação, cuidados neonatais), a nutrição e a educação; e para ajudar a construir (ou fortalecer) sistemas de monitorização e avaliação para analisar comportamentos e acompanhar o impacto das intervenções.

Espero que a celebração global deste ano incentive as partes interessadas, incluindo os governos, a dar prioridade e implementar em escala novos programas com base em evidências. Com melhores financiamento, integração e priorização, podemos começar a resolver este problema.

O que pode fazer para melhorar a higiene das mãos (e dos alimentos)?

Todos – incluindo as crianças

Lave as mãos com sabão em momentos críticos, especialmente antes de comer e de alimentar. Seja um modelo para lavar as mãos para os outros.

Líderes de comunidades ou grupos

Introduza e incentive comportamentos de lavagem de mãos com sabão como normas sociais e assegure a existência de instalações de lavagem de mãos com sabão e água em locais públicos.

Escola

Assegure a existência de instalações inclusivas de lavagem das mãos com sabão e água nas escolas e pratique a lavagem das mãos em grupo.

Centros de saúde

Certifique-se de que as instalações de lavagem das mãos com sabão e água existem em diferentes partes dos centros de saúde e que a equipa exemplifica práticas sustentadas de lavagem das mãos. Inclua a lavagem das mãos como parte das atividades de promoção da saúde.

Locais de trabalho

Garanta a existência de instalações de lavagem das mãos com água e sabão e incentive os comportamentos de lavagem das mãos junto da equipa nos momentos críticos.

Decisores políticos

Assegure um ambiente político correto (disponibilize uma política de higiene, normas e diretrizes a vários níveis) e atribua mais recursos para a lavagem das mãos/higiene.

Governo

Certifique-se de que as instituições responsáveis planeiam e executam programas de higiene/lavagem de mãos, com uma atribuição de recursos adequada. Integre a higiene nos programas em curso.

Investigadores

Produza dados com vista a reduzir a lacuna de evidências e partilhe-os em tempo útil para informar políticas e práticas. 

Implementadores de programas

Integre a higiene em programas contínuos de WASH, saúde, nutrição, educação, agricultura e outros. Realize abordagens inovadoras.

Setor privado

O setor privado tem um papel, se não a responsabilidade, de promover a lavagem das mãos. Introduza produtos inovadores para mudar comportamentos, tais como as estações de lavagem de mãos e o sabão para mais perto dos locais onde as pessoas necessitam deles. Integre as componentes de promoção da lavagem das mãos nas atividades de marketing social e promoção em curso.

Doadores institucionais e todos os outros tipos de doadores

Dê prioridade à higiene e assegure uma atribuição de recursos adequada. Invista na inovação e na programação da mudança de comportamento em grande escala.

 

1 Rosenbaum J and Berry R (2017). Essential WASH Actions: A training and reference pack. globalhandwashing.org/resources/essential-wash-actions-a-training-reference-pack-to-supplement-essential-nutrition-actions/ 

2 www.thelancet.com/infection Publicado online em 1 de junho de 2017 http://dx.doi.org/10.1016/S1473-3099(17)30276-1

3 Ejemot R, Ehiri J, Meremikwu M, Critchley J (2008). Hand washing for preventing diarrhoea. Cochrane Database of Systematic Reviews. 

4 OMS/UNICEF (2017). Progress on drinking water, sanitation and hygiene. Programa Conjunto de Monitorização OMS/UNICEF.

5 Freeman M, Stocks M, Cumming O et al (2014). Hygiene and health: systematic review of handwashing practices worldwide and update of health effects. Tropical Medicine and International Health. 

6 Ejemot R, Ehiri J, Meremikwu M, Critchley J (2008). Hand washing for preventing diarrhoea. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2008

7 OMS (1996). Basic Principles for the preparation of safe food for infants and young children Geneva: World Health Organization. 

8 Gautam O, Schmidt W. Cairncross S, Cavill S, Curtis V (2016). Trial of a novel intervention to improve multiple food hygiene behaviours in Nepal. American Journal of Tropical Medicine and Hygiene.