Medição do imensurável: monitorização e avaliação em advocacia

4 min read

Para continuar a aumentar o nosso impacto, é importante medirmos o que fazemos. Podemos somar casas de banho e registar quantas pessoas ganharam acesso a água potável, mas como contamos o efeito da advocacia que constitui metade do nosso trabalho? Kate Norgrove, chefe global de campanhas da WaterAid, encontra algumas pistas no Malawi.

Gladys está sentada num círculo de mulheres num salão de escola com o seu filho pequeno, Blessings. "Eu trago-o aqui para que ele aprenda a apreciar o que as mulheres podem fazer", diz ela.

Estou aqui no Malawi, 'The Warm Heart of Africa', esta semana, olhando com colegas como planeamos, monitorizamos e avaliamos (PME) nosso trabalho de advocacia. A Gladys faz parte de um grupo de poupança que vim ver, que dá empréstimos a mulheres que querem construir um casa-de-banho. O mesmo grupo de mulheres também fez lobby para obter água acessível para a comunidade, começou várias (e lucrativas), pequenas empresas e pagou por uniformes e livros infantis. Não é de admirar que Gladys leve seu filho para fazer parte disso.

Kate Norgrove, Chefe Global de Campanhas da WaterAid, (à esquerda) com Gladys e Blessings no grupo de poupanças no Malawi.

WaterAid/ Dennis Lupenga

Kate Norgrove, Global Head of Campanhas da WaterAid, (à esquerda) com Gladys (segunda direita) e Bênçãos (frente) num grupo de poupança no Malawi.

O parceiro da WaterAid, Training Support for Partners, simplesmente apoiou a comunidade para se organizar, mas agora essa comunidade se sente a uma geração longe da transformação. Como meu colega Chilufya disse:" Cresça lá, tenha uma boa educação e pode fazer qualquer coisa.”

Como podemos medir o impacto da advocacia?

Grande parte do impacto do trabalho da WaterAid parece imensurável. Mas é?

Tenho trabalhado neste projeto para melhorar nossos processos PME de defesa por um tempo agora. As conversas pareciam girar em torno das mesmas refraternizações familiares. Como podemos atribuir o sucesso da advocacia à WaterAid? Como um mundo de mudanças complexas pode ser traduzido em um quadro de registo linear?

O problema é que metade do nosso trabalho literalmente não pode ser contada. Como “contaria” a força da WESNET — a rede de organizações da sociedade civil que conheci esta manhã, que se tornou uma brilhante roupa nacional de lobby atualmente trabalhando sem fundos WaterAid?

As tensões entre nossos colegas de angariação de fundos, especialistas em PME e nossos defensores são palpáveis em momentos como esses. O ativista criativo não quer ser amarrado por processo; o lobista quer estar a bater nas ruas, influenciando. O especialista do PME quer alguma evidência; a angariação de fundos sente pressão dos doadores para saber exatamente o impacto que teremos, com anos de antecedência.

Esta semana temos tentado encontrar algum terreno comum, e achamos que podemos ter o início disso.

Os nossos colegas no Camboja têm, há algum tempo, testando a “gestão adaptativa” como um processo — uma frase zumbido sobre a qual muitos outros escreveram (aqui, aqui, aqui e, brilhantemente, um solicitar para passar dos objetivos SMART para STUPID aqui) - o que está a permitir que mapeiem o impacto e a mudança em território complexo.

No centro da abordagem está um processo de reflexão e adaptação frequentes, que é, importante, documentado e usado como evidência para monitorização e avaliação. Os projetos podem ser executados em ciclos de atividade de seis semanas ou três meses, com planos claros que são refletidos e adaptados no final do período acordado.

Esse processo instintivo, já comum a muitos projetos de advocacia, é então documentado da maneira que faz mais sentido para aquele projeto. Com o tempo, essa documentação acumula-se e pode ser marcada e usada para aprendizado e responsabilidade.

Planeamos combinar essa abordagem com análise política inteligente e algumas ferramentas mais tradicionais, para tentar criar uma imagem de nossos sucessos de defesa — e fracassos.

Principais alterações

Tudo isso vai levar alguma mudança, no entanto. A WaterAid é uma organização fundada por engenheiros, e os números são uma parte central do nosso negócio. Para planear, monitorizar e avaliar nosso trabalho de advocacia de forma mais eficaz neste contexto, achamos que teremos que fazer algumas mudanças organizacionais importantes:

  • Rumo ao “bom o suficiente” (longe do perfecionismo) — fazendo PME bom o suficiente para informar eficazmente os próximos passos.
  • Para que os nossos processos sejam mais adaptáveis a mudanças frequentes.
  • Para fazer mais monitorização, vinculado a mais planeamento por toda parte, e bom o suficiente (muito menos) planeamento antecipadamente.
  • Para mais documentação da atividade e do progresso no momento em que isso acontece.
  • Rumo à reflexão — usando reflexão para aprender, valorizar aptidões reflexivas e usar a reflexão como dados para monitorização.
  • Rumo à análise — valorização de aptidões políticas e analíticas e recrutamento para elas.
  • Em direção à aprendizagem – enfatizando o PMER para a aprendizagem tanto quanto para a responsabilidade.

Nunca seremos capazes de "contar" a influência que Gladys teve na educação de seu filho. Mas podemos melhorar em medir o impacto do que fazemos e ter algumas evidências para mostrar na próxima vez que um doador nos perguntar o que fizemos para fortalecer essa rede nacional.

Kate Norgrove tweeta como @katenorgrove

Para mais informações, veja: