Missão cumprida: como projetar a sua ONG para a redundância

7 min read
WaterAid/ Dennis Lupenga

À medida que The Soapbox Collaborative fecha depois de alcançar a sua missão de catalisar a melhoria da higiene no nascimento em estabelecimentos de saúde nos países em desenvolvimento, a sua líder científica Wendy Graham reflete sobre por que o tamanho é importante quando se está a tentar fazer a diferença.

Após 30 anos como académica aplicada em obstetrícia e epidemiologia, acabei de concluir uma das iniciativas mais empolgantes e gratificantes que tive o prazer de liderar — a Soapbox Collaborative. Refletindo sobre as lições aprendidas, muitas delas juntamente com a WaterAid, eu encontro uma frase recorrente nas minhas reflexões mentais - o tamanho importa.

Frases antropométricas apareceram de forma proeminente na minha longa carreira. Por exemplo, uma observação comum que recebo de pessoas do mesmo campo técnico que me encontraram pela primeira vez é: «Oh — você é muito mais pequena do que eu imaginava!». Esses incidentes muitas vezes fazem com que reflita sobre as implicações do tamanho, e agora vejo-me a aplicar uma regra deslizante semelhante ao The Soapbox Collaborative.

Pensar em grande, agir pequeno

Esta pequena ONG baseada em evidências foi criada em março de 2012 com a ambiciosa missão de catalisar a melhoria da higiene ao nascimento nos estabelecimentos de saúde em países de baixo e médio rendimento. A justificação veio principalmente da rápida aceleração do número de nascimentos nas instituições, que ultrapassava a sua capacidade de prestar cuidados limpos e seguros — com graves consequências adversas. Com dados que já apareciam em fracos padrões de WASH em muitas instalações, a preparação de uma tempestade perfeita de infeções associadas aos cuidados de saúde em mães e recém-nascidos tornou-se óbvia para a comunidade de investigação. Um generoso fundo de start-up de um benfeitor escocês deu-nos a oportunidade de estabelecer o Soapbox inicialmente na Universidade de Aberdeen e no NHS Grampian, e especificamente, através da pesquisa colaborativa e implementação, para desempenhar um papel catalítico em chamar a atenção para a tempestade que se avizinhava.

Uma das nossas primeiras parcerias foi com a WaterAid em Zanzibar, na Tanzânia, uma colaboração muito bem sucedida e o principal corredor de várias outras atividades conjuntas focadas na melhoria da prevenção e controlo de infeções (IPC) e água, saneamento e higiene (WASH). Talvez a mais famosa ou infame dessas colaborações seja em torno da recente Resolução na Assembleia Mundial de Saúdede 2019, e o 'momento mop' captado e partilhado pela maravilhosa equipa da WaterAid que convidou a minha participação.

World Health Assembly 2019. Highlighting the neglected topic of health facility cleaning: WHO Director General and Wendy Graham.
Assembleia Mundial da Saúde 2019. Destacando o tema negligenciado da limpeza das instalações de saúde: Diretor Geral da OMS e Wendy Graham.
Soapbox Collaborative

O tamanho aparece em força nas minhas reflexões sobre este momento de influência final do Soapbox antes da nossa conclusão em 30 de junho de 2019. Como é que uma ONG tão pequena conseguiu estar na mesa global, uma convidada por um parente muito, muito maior do mesmo campo? Como fomos capazes de manter um do nossos princípios orientadores desde o início — trabalhar no sentido da obsolescência? Como fomos capazes de chegar ao encerramento com uma celebração da missão cumprida e um legado deixado com grandes jogadores e parceiros, como a London School of Hygiene and Tropical Medicine (LSHTM), WaterAid e OMS? 

Não há uma resposta, é claro, mas sinto que o tamanho desempenhou um papel importante no nosso sucesso, bem como as nossas limitações. Como o cenário de financiamento parece gravitar para prémios cada vez maiores, exigindo estruturas e processos organizacionais cada vez maiores, talvez as minhas reflexões sobre o tamanho possam ter tido algum resultado útil. Vou resumi-los usando as letras da palavra-chave aqui (em inglês) — SMALL.

S: significa específico — a nossa área especificamente focada na higiene no nascimento em estabelecimentos de saúde.

Embora isso incluísse os aspetos mais amplos e complementares da higiene do ambiente de saúde e práticas ou comportamentos de higiene, o Soapbox desenvolveu um nicho e uma identidade precoces, num momento em que o WASH nas unidades de saúde estava apenas a começar a ser priorizado por agências internacionais e stakeholders. Como uma pequena ONG, tivemos de nos manter focados e na missão, e, enquanto também procurávamos localizar as nossas atividades de investigação e implementação nos campos gerais da melhoria da qualidade e cobertura universal de saúde (UHC), uma apertada alçada exigiu que operássemos de forma útil um orçamento apertado e uma mistura de habilidades.

M: significa mundano, mas não de forma negativa.

O facto de sermos uma pequena equipa técnica deu-nos a oportunidade de ver os bastidores das instalações de saúde e observar os trabalhos diários. Isso rapidamente destacou uma questão massivamente negligenciada na prevenção de infeções associadas aos cuidados de saúde, uma que muitos (ao nível das instalações e das políticas) viam como muito mundana e não digna de investimento ou atenção - a limpeza e os funcionários da limpeza. Ao trabalhar com os nossos colegas do Serviço Nacional de Saúde (NHS) em Aberdeen, tínhamos absorvido o ditado sobre a melhoria da qualidade que dizia que «nenhuma mudança é demasiado pequena.» Conseguíamos ver o enorme potencial para o aparentemente mundano: a melhoria da higiene através da limpeza do ambiente. O resto é história, dizem eles — nós desenvolvemos o pacote de formação TEACH CLEAN para funcionários da limpeza e promovemos a ciência das esfregonas. 

Zanzibar Needs Assessment Team: Pemba Public Health Laboratory, WaterAid Tanzania and The Soapbox Collaborative, 2016.
Equipa de Avaliação de Necessidades de Zanzibar: Laboratório de Saúde Pública de Pemba, WaterAid Tanzânia e The Soapbox Collaborative, 2016.
Soapbox Collaborative

A: significa administração, que fomos capazes de manter de forma leve e a baixo custo.

Ao projetar o Soapbox para a obsolescência, concordamos em fechar não só uma vez que nossa missão fosse alcançada, mas também se os custos de funcionamento da organização começassem a superar a nossa capacidade de fazer a diferença. A equipa permaneceu constantemente pequena, nunca excedendo mais de seis funcionários equivalentes a tempo inteiro, com sede nas nossas duas organizações anfitriãs: em Aberdeen NHS Grampian e na Universidade de Aberdeen; e em Londres no LSHTM. Os custos de funcionamento podem, naturalmente, manter-se no estritamente necessário com uma equipa tão pequena, com as viagens internacionais muitas vezes a ser o nosso maior item de orçamento depois da equipa. A administração simplificada também continha a nossa necessidade de recuperar despesas gerais. Esta característica foi vista de forma muito positiva pelos nossos parceiros colaboradores, e permitiu-nos manter o princípio da maximização dos fundos para projetos de melhoria.

L: significa local.

O pequeno tamanho do Soapbox exigiu trabalhar em comparativamente poucas instalações de saúde em locais de colaboração e poder visitar muitas delas. Tais mecanismos de trabalho são comuns para muitas ONG, mas na delicada questão da qualidade dos cuidados de saúde, talvez especialmente nas áreas clínicas das enfermarias de partos e maternidade, muitas vezes as visitas trazem complexidade e perturbação às próprias instalações, o que necessita de um tratamento cauteloso. O acesso pronto que nos foi dado às instalações, creio eu, reflete a falta de perceção de ameaça que apresentávamos como uma pequena organização, à medida que procurámos destacar construtivamente as duras realidades dos cuidados de saúde em ambientes altamente lotados e sobrecarregados.

L: por último, mas não menos importante, L significa alavancagem.

Como uma pequena ONG, as nossas colaborações no país começaram num ambiente aberto e transparente de não podermos trazer grandes recursos financeiros connosco. Isso ajudou a simplificar muitos relacionamentos com as principais partes interessadas e a ganhar a sua confiança no nosso papel de alavancagem para revelar as barreiras e os facilitadores da higiene ao nascimento e identificar intervenções de baixo custo e básicas.

A proud team of health facility cleaners, Ahmedabad, India.
Uma orgulhosa equipa de limpeza de centros de saúde, Ahmedabad, Índia, 2014.
Soapbox Collaborative

Será que eu defenderia a pequenez?

Com base na experiência Soapbox, sou fortemente da opinião de que se deve deixar espaço no cenário global do setor terciário para os pequenos operadores. Eles são limitados naquilo que conseguem alcançar em grande escala, obviamente, e muitas vezes dependem de relacionamentos com jogadores maiores, o que pode torná-los vulneráveis. Nós definitivamente tivemos alguns momentos desafiadores com os nossos parentes maiores, em termos de atraso no pagamento de faturas, finalização de contratos e excesso de expectativas de contribuições da equipa em termos de tempo e capacidades.

E, sem dúvida, também trouxemos complexidade e frustração aos nossos grandes parceiros — por exemplo, ter apenas uma pessoa para lidar com todas as operações, e a maioria dos funcionários a trabalhar apenas a tempo parcial com capacidade limitada para entradas não planeadas. Mas, ao atingir o objetivo final do desenvolvimento sustentável, não existe um tamanho único em relação a agentes eficazes, e os modelos mistos de parceria devem certamente ser autorizados a florescer.

Pata terminar com o título de um livro famoso com uma mensagem relevante (e também com um subtítulo muito apropriado) — e com palavras às quais me tento agarrar quando recebo um comentário sobre as minhas próprias dimensões — afinal... «Pequeno é lindo!»

Wendy Graham é Professora de Epidemiologia Obstétrica na Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres @wendyjgraham