Monitorização, responsabilização e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

4 min read
Thumbnail
WaterAid/Ernest Randriarimalala

Como parte da participação da WaterAid no Fórum Político de Alto Nível, Kathryn Tobin coordenou vários eventos paralelos e um plano de comunicação em toda a federação, enquanto Maisie-Rose Byrne leu todas as revisões nacionais voluntárias (que são 111 no total) apresentadas desde 2016. Ambas participaram em sessões em que os governos relataram o progresso dos ODS 6 (água, saneamento e higiene para todos). Estas são as suas descobertas:

Exatamente há três anos, nesta semana, líderes globais de 192 estados membros da ONU adotaram por unanimidade a Agenda 2030 e comprometeram-se a um plano de ação para as pessoas, o planeta e a prosperidade. Desde então, 102 países partilharam o seu progresso em direção a esses Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), e uma coisa é clara: os governos não estão a priorizar relatórios sobre água, saneamento e higiene (WASH) na medida necessária para alcançar sua promessa de fornecer água potável e saneamento para todos, em todos os lugares até 2030.

O Fórum Político de Alto Nível (HLPF) de 2018 incluiu a primeira revisão global dos progressos no sentido da obtenção do ODS 6 (água limpa e saneamento). Provavelmente devido a este foco, os países partilharam atualizações sobre o seu progresso em questões relacionadas com o WASH nos seus relatórios anuais de revisão nacional voluntária (RNV), em maior medida do que nos anos anteriores.

Quase um quinto dos países candidatos incluiu um relatório de progresso do ODS 6 e mais países referiram-se explicitamente ao “direito humano fundamental à água e ao saneamento”, um avanço bem-vindo na apropriação de uma abordagem baseada nos direitos humanos. E, no reconhecimento claro da universalidade da Agenda 2030, um número crescente de países desenvolvidos forneceu relatórios robustos sobre suas realizações relativas ao ODS 6, incluindo a Grécia e o Canadá. Além disso, o relatório do Equador aplica sua estratégia “Água Segura e Saneamento para Todos” para destacar que a integração das metas do ODS 6 serve um passo efetivo para tornar o WASH numa prioridade governamental.

No entanto, estes exemplos positivos são preocupantemente raros: a maioria das RNV simplesmente repete os seus compromissos com a Agenda 2030, tornando ainda mais visível a simultânea falta de urgência e progresso na sua realização.

Embora muitos observadores sintam que as RNV não cumpriram a sua promessa e exigem uma reforma considerável, o processo é o principal mecanismo para avaliar o progresso dos ODS nacionais, pelo que os governos precisam ser responsabilizados para apresentar relatórios completos, participativos e honestos detalhando desafios e avanços. Embora alguns países, como o Nepal, tenham usado criativamente o processo de RNV para mostrar como os seus compromissos ODS fazem parte de um “Plano Nacional Integrado de Ação de Avaliação”, em geral, os relatórios não têm estrutura e comparabilidade.

Além disso, a maioria dos países que dedicam uma secção ao ODS 6 concentra-se explicitamente na água e deixam de fora o saneamento e a higiene, uma tendência ecoou na sessão oficial do ODS 6 no HLPF 2018. Líbano, Colômbia e México são exceções ao relatar claramente as suas metas de saneamento, mas o progresso da higiene está quase unanimemente ausente dos relatórios da RNV, refletindo tanto a tarefa mais desafiadora de reunir dados precisos quanto o baixo estatuto da higiene e da mudança de comportamentos como prioridade política.

Em última análise, o desafio de responsabilização em torno da ação WASH permanece urgente. Para alcançar o acesso universal à água e ao saneamento até 2030, todos os governos devem informar de forma robusta sobre o progresso da WASH todos os anos, tanto contra as metas do ODS 6 quanto em relação aos objetivos interligados. Sem uma medição clara e uma ampla partilha de dados existentes, não poderemos gerir claramente quais políticas e programas são eficazes ou - fundamentalmente - responsabilizar os responsáveis.

CAIXA DE FACTOS

Como é que os governos comunicaram sobre o ODS 6 nas suas RNV?

  • Desde 2016, menos de 5% das RNV comunicaram claramente o objetivo 6.1, e a maioria dos que comunicaram usaram estatísticas desatualizadas.

  • Desde 2016, menos de 3% das RNV comunicaram claramente ao objetivo 6.2; aquelas que se concentram quase exclusivamente no progresso do saneamento, negligenciando a importância da higiene.

Sri Lanka VNR