O longo e sinuoso caminho — levando água até Kibondemaji, Dar es Salaam

5 min read
Thumbnail

Colaboração e inovação são dois valores fundamentais para o trabalho da WaterAid, e apercebemo-nos frequentemente de como são fundamentais para os nossos projetos. Priya Sippy, Diretor de Campanhas e Comunicações da WaterAid Tanzânia, partilha experiência na linha da frente de parceria e planeamento adaptativo para levar água e saneamento para Kibondemaji em Dar es Salaam.

70% da população da Tanzânia é rural, mas a demografia está mudando rapidamente. As cidades do país estão vendo um grande crescimento – espera-se que até 2030 mais de dois terços da população viverá em ambientes urbanos.

Esse crescimento sem precedentes pode sobrecarregar as cidades e levar as pessoas a viver em assentamentos não planejados, que muitas vezes não têm acesso a instalações de água, saneamento e higiene (WASH). Em Dar es Salaam, por exemplo, mais de 70% dos moradores vivem em assentamentos não planejados 1 com serviços limitados de água ou gestão de lodo fecal e resíduos sólidos, aumentando o risco de contrair doenças transmitidas pela água.

Desde 2015, a WaterAid Tanzânia tem trabalhado com parceiros para levar estes serviços a Kibondemaji, uma ala no distrito de Temeke, Dar es Salaam.

Esses assentamentos não eram servidos por uma rede de água, então as pessoas estavam pagando preços excessivos pela água ou usando poços inseguros. Os serviços de esvaziamento de fossas de latrinas são limitados, forçando as pessoas a esvaziar manualmente suas fossas, o que é anti-higiénico e perigoso – Kibondemaji foi uma das áreas mais afetadas pelo surto de cólera, com cerca de sete novos casos por mês em 2015.

As complexidades de trabalhar em assentamentos urbanos não planeados apresentaram muitos desafios ao projeto. Como resultado, a WaterAid aprendeu lições importantes sobre a importância de parcerias e planeamento adaptativo.

Trabalhar em parceria

Durante o projeto, a WaterAid trouxe a bordo várias partes interessadas importantes – incluindo o Conselho Municipal de Temeke, DAWASA (Autoridade de Água e Esgoto de Dar es Salaam), DAWASCO (Corporação de Água e Esgoto de Dar es Salaam), micro finanças UTT, líderes comunitários eleitos, Desenvolvimento de Pessoas Fórum (PDF) e empresas de saneamento – para fornecer serviços WASH pró-pobres. Essa gama de parceiros foi necessária porque o projeto exigia aquisição de terra, capital, participação da comunidade e conhecimento técnico. Precisávamos até de trazer a bordo partes interessadas inesperadas, por exemplo, a TANROAD (a Agência de Estradas da Tanzânia), porque a tubagem da água precisava ser estendida sob a estrada.

As parcerias trouxeram oportunidades adicionais. Por exemplo, a DAWASCO viu uma oportunidade de conectar os domicílios ao abastecimento de água, alcançando mais pessoas com água do que o planeado inicialmente – 600 domicílios até agora. Continuamos a trabalhar com a DAWASCO para negociar tarifas pró-pobres para garantir que os membros da comunidade possam pagar pela água. O projeto reduziu o preço de uma unidade de água de 5000 a 6000 xelins tanzanianos (Tzs) para 1800 Tzs.

The cost of water has reduced, with users now paying 50 TZS per bucket instead of 150-300 TZS per bucket from private vendors
O custo da água baixou, com os utilizadores agora a pagar 50 TZS por balde em vez de 150-300 TZS por balde de fornecedores privados.
WaterAid/Priya Sippy

Embora o desenho original do projeto não incluísse tantos parceiros, os desafios durante a implementação do projeto nos mostraram que, para levar WASH às comunidades urbanas pobres, precisávamos da colaboração de todas as partes interessadas. Historicamente, as agências e autoridades da Tanzânia tendem a trabalhar isoladamente, por isso, trabalhando com uma ampla gama de partes interessadas, mesmo fora do setor de WASH, demonstramos uma abordagem nova e inovadora para fornecer WASH em ambientes urbanos.

Planeamento adaptativo

Os muitos desafios ao longo do projeto fizeram do planejamento adaptativo outra característica fundamental. Inicialmente planeámos reabilitar e perfurar poços para levar água à enfermaria. No entanto, constatamos que as infraestruturas estavam abandonadas e a água era altamente salina e não segura para consumo. Após consulta com nossos parceiros, decidimos trabalhar com a DAWASCO para estender sua rede de abastecimento de água encanada através da reabilitação de tanques e quiosques de água. Proteger as caixas d'água foi difícil, porque os proprietários de terras queriam indenização.

Ao estender a rede, surgiu outro desafio – a tubulação tinha que passar por baixo de uma estrada. Isso exigiu contato com a TANROAD para obter as permissões necessárias, o que atrasou o cronograma do projeto em semanas. Depois de muita negociação, eles concederam permissão.

Outro desafio foi adquirir o terreno necessário para os quiosques de água e as estações de transferência de resíduos sólidos e líquidos. Os proprietários pediram indenização para construir em suas terras, que estava além do orçamento do projeto. No entanto, fizemos parceria com a DAWASA e trabalhamos com proprietários de terras individuais e, desde então, garantimos terras para a construção do DEWATS (sistema descentralizado de tratamento de águas residuais).

Os muitos desafios nos ensinaram que precisamos ser flexíveis com a concepção do projeto e acordos contratuais, e garantir uma boa comunicação entre todos os parceiros para que as mudanças possam ser negociadas e acordadas.

Um dos nossos destaques no ano passado foi trabalhar em conjunto com parceiros para levar água limpa e segura para Kibondemaji, Temeke, Dar es Salaam #SDG6 pic.twitter.com/7MTLozu0iE

— WaterAid Tanzânia ( @WaterAidTZ ) 20 de janeiro de 2017

O que vem a seguir?

Apesar da chegada da água, a gestão comunitária do projeto ainda está sendo considerada, principalmente a questão do financiamento, e estamos trabalhando com nossos parceiros para discutir opções. Continuaremos a fortalecer e aprofundar as parcerias criadas a partir deste projeto para alavancar mais recursos para WASH urbano.

Comunicaremos este trabalho ao Governo e ao setor WASH em geral, porque ele abordou alguns dos principais desafios do setor, como água sem receita, envolvimento do setor privado para enfrentar desafios financeiros e técnicos e falta de conhecimento em torno do -pobre modelo. Se ampliado, este modelo pode ajudar o Governo a atingir as metas nacionais para WASH urbano, conforme descrito no Programa de Desenvolvimento do Setor de Água.

Reconhecemos que a urbanização em todo o país transformará muitas vilas em cidades e que os conselhos precisarão planejar isso. Queremos garantir que WASH continue a ser parte integrante do planejamento urbano, por isso estamos realizando pesquisas em Babati e trabalhando com o conselho municipal sobre como ele pode ser integrado com sucesso. Esta pesquisa pode ajudar a informar outras áreas em processo de urbanização.

WASH em ambientes urbanos pode ser complexo e desafiador, e ainda estamos aprendendo as maneiras mais eficazes de enfrentá-lo. O projeto Kibondemaji demonstrou que, por meio de parcerias fortes e eficazes e adaptação aos desafios ao longo do caminho, podemos alcançar as comunidades urbanas mais pobres com WASH.

1. Habitat da ONU: Assentamentos Informais e Finanças em Dar es Salaam, Tanzânia, 2010.

Descubra as últimas notícias da WaterAid Tanzânia @WaterAidTZ