O mundo está a ficar sem água?

on
10 January 2018
Thumbnail
WaterAid/Sam James - Marie waters her garden at home in Ambatoantrano, Madagascar, using water from a gravity fed system.

Vincent Casey, consultor sénior de WASH da WaterAid UK, aborda uma pergunta frequente sobre a causa da crise hídrica.

A questão de saber se o mundo está a ficar sem água é frequentemente colocada em manchetes noticiosas. No jornalismo, há um adágio que afirma que "qualquer título noticioso sob a forma de pergunta é geralmente respondido na negativa". Esta é a chamada "lei de Betteridge", que tem o nome de Ian Betteridge, um jornalista britânico. E então, será que o mundo está realmente a ficar sem água?

Não, não está.

A água é um recurso renovável que se move dentro do ciclo hidrológico. Não acaba, nem irá acabar. O problema é que vivemos dentro de um ciclo hidro-ilógico, em que as decisões necessárias para evitar a seca, a miséria, as doenças e as dificuldades raramente são tomadas até que seja tarde demais.

Há, certamente, uma grave crise hídrica, que muitas vezes se caracteriza como um problema de quantidades insuficientes de água. No entanto, uma narrativa de escassez de água que apresenta o problema apenas como o facto de a água se esgotar não é útil para encontrar soluções adequadas.

Alguns locais têm pouca água...

Existem muitas situações em que o consumo de água, particularmente associado à agricultura intensiva, resulta em escassez de água, e há muitas cidades que têm de explorar fontes de água adicionais para abastecer devidamente as suas populações em crescimento. À medida que a procura aumenta e diferentes setores de uso da água convergem, o próprio setor de WASH tem de prestar mais atenção às quantidades de água disponíveis do que agora presta.

... mas isso está bem longe de ser a história completa

Há, no entanto, aspetos do problema da água, além da quantidade disponível, que são bem conhecidos, embora negligenciados na narrativa popular.

A crise hídrica manifesta-se de diferentes formas, dependendo de quem é, onde está e para que precisa de água. Em países com níveis de precipitação relativamente elevados, como a Libéria, a Serra Leoa e as áreas orientais da Nicarágua, as populações pobres e marginalizadas sofrem de insegurança hídrica, nem sempre porque existem recursos hídricos insuficientes disponíveis, mas porque não têm acesso aos serviços necessários para captar, armazenar, tratar ou fornecer adequadamente água potável às suas casas. Os serviços que têm, como poços escavados, só podem colmatar necessidades sazonais. A falta de armazenamento e de gestão da procura durante períodos de seca pode levar à escassez.

A situação é semelhante em muitas zonas rurais remotas da África Subsariana, onde pode haver abastecimento suficiente de águas subterrâneas, mas não houve investimento suficiente na prestação e na gestão de serviços para garantir que as pessoas podem aceder a essa água de forma contínua. A má qualidade da construção e a atenção inadequada aos planos de gestão de serviços contínuos também prejudicam o acesso à água.

A má qualidade da água, outro aspeto da crise hídrica, é um perigo omnipresente e imediato que afeta pessoas que se considera que têm recursos hídricos suficientes e serviços básicos de abastecimento de água, bem como pessoas que não. Os eventos climáticos extremos e as inundações tornam ainda piores as situações de segurança da água que já são más.

O problema da qualidade do serviço

Um aspeto da crise hídrica que se apresenta como um enorme desafio para o setor WASH é a qualidade dos serviços. Ainda existem centenas de milhões de populações pobres e marginalizadas que não têm qualquer tipo de serviço básico de abastecimento de água; no entanto, também há centenas de milhões de pessoas que se considera que têm um abastecimento básico de água, mas um serviço terrível.

Os dados recolhidos sobre o nível de serviços prestado por bombas manuais instaladas em furos como parte do programa de investigação UPGRO Hidden Crisis mostram interrupções regulares do serviço, longos períodos de inatividade, má qualidade e reduzida disponibilidade de água. Estes desafios ao nível dos serviços não se limitam a abastecimentos baseados em bombas manuais. Sabe-se que muitos esquemas de abastecimento de água canalizada também oferecem um serviço de baixa qualidade.

Os níveis de serviços fracos nem sempre têm as suas origens no volume absoluto de recursos hídricos disponíveis, mas sim em fracos acordos de governação, corrupção, reduzida capacidade institucional para fornecer e gerir serviços, implementação de baixa qualidade, falta de mecanismos formais para os utilizadores apresentarem queixas e seleção de opções de serviço inadequadas.

Existe uma solução técnica para a crise hídrica?

Os artigos na imprensa apresentam frequentemente inovações, como filtros de água, coletores de nevoeiro e aplicações de telemóveis, como solução para a crise hídrica global. Mais uma vez, aplica-se a lei de Betteridge.

A crise hídrica não é apenas um problema técnico, portanto, uma solução técnica por si só não o irá resolver. As soluções técnicas para a purificação e o fornecimento de água existem há milhares de anos – o primeiro uso documentado do tratamento de água foi na era de Péricles, no século IV a.C. Antes disso, os antigos egípcios e os babilónios já tinham desenvolvido sistemas para o abastecimento de água.

As modernas tecnologias hídricas, como a dessalinização costeira em larga escala, oferecem aos governos a oportunidade de trazer mais água para a equação; isso é particularmente interessante quando se pretende evitar tomar decisões políticas estranhas sobre a gestão da procura ou a redistribuição de água para diferentes setores.

Qualquer boa tecnologia requer uma boa gestão que, por sua vez, exige um ambiente político, legislativo e financeiro, aliado à inexistência de corrupção. Este ambiente não existe em muitos locais que sofrem de escassez de água e além disso, o custo de transportar grandes quantidades de água dessalinizada para locais distantes no interior é proibitivo.

Diferentes soluções para diferentes locais

A resposta à crise hídrica deve, portanto, diferir de um local para o outro e basear-se numa análise sólida do contexto. Em última análise, a solução irá envolver uma combinação de alterações políticas, legislativas, institucionais, financeiras e técnicas, juntamente com mudanças no comportamento dos utilizadores.

A área que exige a maior inovação são os acordos de gestão, e não a tecnologia. Estes devem ser formulados e implementados por pessoas com o objetivo de garantir que os utilizadores recebem serviços adequados. Muitas vezes, isso cabe aos governos, mas também pode ser da responsabilidade do setor privado local, da sociedade civil e dos próprios utilizadores de serviços.

O setor WASH tem de fazer mais para resolver o desafio dos fracos níveis de serviço. A WaterAid trabalha com e através de organizações internacionais, nacionais e locais para promover melhorias nos serviços de água e saneamento para populações pobres e marginalizadas. Isto significa, muitas vezes, trabalhar com governos nacionais e locais, com o setor privado local, com a sociedade civil e os utilizadores dos serviços para identificar opções de serviço e acordos de gestão adequados, juntamente com as mudanças políticas e legislativas necessárias para sustentá-los.

Alguns exemplos do nosso trabalho nesta área encontram-se aqui:

Estudo de caso de sustentabilidade na Etiópia >

Estudo de caso de sustentabilidade em Timor Leste >

Estudo de caso de sustentabilidade na Nicarágua >

Estudo de caso de sustentabilidade no Maláui >