Por que as instalações sanitárias devem estar na agenda em Davos

5 min read
Miniatura
WaterAid/ Prashanth Vishwanathan

Sabia que agora existe uma casa de banho inteligente, que vem com iluminação ambiente e música? No entanto, 2,3 mil milhões de pessoas em todo o mundo ainda não têm uma casa de banho básica. O CEO da WaterAid Reino Unido Tim Wainwright explora o caso de negócio para o saneamento decente, e porque os líderes e empresas em Davos devem estar a tirar notas.

À medida que o Fórum Económico Mundial se aproxima, fiquei impressionado com duas notícias.

Primeiro, o New York Times lembrou-nos que cerca de 300.000 pessoas por dia em 2018 tiveram acesso a água potável – destacando que, por mais triste e preocupante que o estado da nossa Terra às vezes possa parecer, a humanidade ainda está a progredir.

E a segunda foi uma história peculiar sobre uma nova casa de banho operada por voz fornecida pela Alexa da Amazon, que permite ao utilizador solicitar configurações de temperatura, iluminação ambiente, música, funções de lavagem e secagem e, naturalmente, limpeza automática. Isto parece ser o máximo em inovação de alta tecnologia em saneamento. E, no entanto, uns chocante 2,3 mil milhões de pessoas em todo o mundo ainda não tem uma casa de banho doméstica básica à sua disposição.

É improvável que muitos dos líderes e empreendedores de Davos estejam a pensar muito em casas de banho. Mas deviam.

O saneamento é um grande negócio

Mais de 100 milhões de pessoas ganharam uma casa de banho doméstica decente e privada em 2015 – uma média de 270.000 por dia (washdata.org). Embora esta seja uma conquista enorme, é apenas uma pequena fração do que é realmente necessário, uma vez que corresponde apenas a cerca de uma megacidade de pessoas (ou 20 milhões) mais do que o crescimento anual da população global: muitos países não conseguem acompanhar o ritmo de crescimento e urbanização.

O impacto económico do mau saneamento é enorme: cerca de 222,9 mil milhões perdidos do PIB apenas em 2015, dos custos da mortalidade, perda de produtividade, aumento da saúde e do tempo perdido para procurar um lugar decente para ir. Este preço inclui a vida de 289.000 crianças abaixo dos cinco anos que perecem anualmente por doenças diarreicas diretamente ligadas à água suja, ao mau saneamento e à falta de higiene.

Considere, também, os dias de educação perdidos e o potencial perdido de crianças que estão cronicamente mal ou que têm atrasos de desenvolvimento. A cólera, a disenteria, a hepatite A, a febre tifoide e a poliomielite estão entre as doenças mortais que prosperam na ausência de um bom saneamento.

A maior parte deste fardo é sentida na Ásia-Pacífico, abrandando economias em muitas nações que, de outra forma, se orgulham de progresso: um preço de 172,3 mil milhões do PIB apenas daquela região – a cada ano. E, no entanto, esta é uma parte do mundo que não é estranha à inovação.

Smartphones vs. casas de banho

Vejamos outra estatística: empresas de tecnologia, incluindo várias sediadas na Ásia-Pacífico, enviaram 1,44 mil milhões de smartphones para todo o mundo apenas em 2018. Isso é o equivalente a 3,9 milhões de smartphones por dia. Dois terços da população mundial, ou 5 mil milhões de pessoas, possuem telemóveis – um número alcançado em apenas cinco anos e espera-se que salte para 75% até 2020. Destes, cerca de metade são utilizadores de smartphones; até 2020, projeta-se que seja cerca de dois terços.

Então, e se as casas de banho fossem smartphones, e se o mundo se comprometesse em fazer chegar casas de banho às pessoas ao mesmo ritmo? Nesse ritmo, haveria o suficiente para alcançar todos no mundo atualmente sem uma casa de banho decente no espaço de dois anos – até contando com o crescimento populacional.

Aqueles de nós que trabalham no saneamento aspiram capturar esse tipo de rápido crescimento, ambição e inspiração: uma mudança importante na inovação, financiamento e impulso para garantir que todos no mundo tenham acesso a este mais básico dos serviços, para garantir uma melhor saúde, produtividade e dignidade. Como é que as empresas de tecnologia incentivam as pessoas a comprar smartphones? Fazem isso assegurando que estejam disponíveis e sejam acessíveis, fornecendo uma gama de opções, e garantindo que eles são algo que as pessoas aspiram a usar: um símbolo de estatuto que está ao alcance.

Não foi por acaso que Bill Gates escolheu Pequim – capital de uma das superpotências mais emergentes do mundo – para realizar sua Reinvented Toilet Expo em novembro, onde discursou com um frasco de fezes humanas ao seu lado para demonstrar reformulações radicais da casa de banho básica.

Entre os destaques: uma estação de tratamento de pequena escala e autoalimentada chamada Omni Processer, que processa resíduos humanos e sólidos para produzir eletricidade e água potável, e 'casas de banho reinventadas' usando tecnologias que desagregam resíduos humanos e destroem germes, produzindo água limpa e sólidos seguros para usar como adubo.

Além da inovação tecnológica

As corporações multinacionais que gerem inúmeros desafios na contratação e cadeias de distribuição, marketing e vendas têm contribuições a fazer na entrega de água, saneamento e higiene, seja focada em seus próprios mercados e cadeias de aprovisionamento, ou trazendo experiência e inovação para o planeamento, formação e gestão do tratamento e eliminação segura dos resíduos humanos. A WaterAid trabalhou com multinacionais líderes, incluindo Gap, Diageo e Unilever na demonstração do caso de negócios para água, saneamento e higiene, com mais trabalho em andamento.

O Fórum Económico Mundial considerará algumas das questões mais críticas enfrentadas pelo nosso planeta, incluindo os apelos para uma Quarta Revolução Industrial na tecnologia e o impacto das mudanças climáticas no crescimento e desenvolvimento globais.

À medida que as cidades do mundo crescem, e os padrões climáticos extremos que acompanham as mudanças climáticas assumem um maior controlo, a inovação no saneamento representa uma grande oportunidade e não deve ser relegada para a equipa de responsabilidade social corporativa. É essencial para a sustentabilidade das corporações globais para garantir o sucesso das suas próprias operações e o crescimento de novos mercados. Juntamente com a água e a higiene, o bom saneamento contribui para níveis mais elevados de educação e produtividade e, em última instância, para um maior sucesso nos negócios.

Esta na altura de as casas de banho, que desempenham um papel tão crucial para nos manter saudáveis e felizes, se tornarem verdadeiramente virais. Certamente podemos todos fazer um "gosto" nessa ambição.

 

Interessado na abordagem de telemóveis vs. saneamento? Saiba mais sobre como as lições da cobertura de telemóveis podem ser aplicadas ao setor WASH >