#PressforProgress: quebrar barreiras e desafiar estereótipos

on
8 March 2018
Miniatura
Father Tesfa Senay and his wife Muluken Dessie are raising happy and healthy children because of the arrival of clean water in their neighbourhood. Burie, Amhara, Ethiopia. WaterAid/Behailu Shiferaw.

Agir e pensar de uma forma inclusiva em termos de género permitir-nos-á chegar mais rapidamente à mudança que desejamos: a erradicação da pobreza e as pessoas que servimos a usufruir dos benefícios de uma mudança duradoura. Bethlehem Mengistu, Diretora Nacional da WaterAid Etiópia, partilha a sua experiência das repercussões do WASH na igualdade de género na Etiópia.

O tema do Dia Internacional da Mulher deste ano — #PressforProgress — é fantástico, não só porque destaca a necessidade de um esforço coletivo para provocar mudanças coletivas, mas também porque reflete a urgência que a questão da igualdade de género merece. Acredito que tudo é possível quando pessoas afins se reúnem. E quando são mulheres que pensam igual se juntam, podem ser praticamente imparáveis...

Gosto especialmente do tema porque sublinha o caminho rumo ao progresso como sendo inclusivo e com benefícios partilhados - mulheres e homens a trabalhar juntos para alcançar o progresso social.

Tendo trabalhado para a WaterAid durante sete anos ou mais, vi o impacto surpreendente que a água potável, o saneamento decente e a boa higiene (WASH) têm nas comunidades — mulheres, homens, meninas e meninos. Os impactos imediatos são muitas vezes óbvios — o acesso ao WASH salva vidas; permite que as pessoas tenham uma vida com dignidade e saúde.

Mas que tal os impactos sociais e psicológicos mais subtis que muitas vezes diminuímos nos nossos relatórios porque são difíceis de quantificar?

Tento sempre reavaliar as diferentes abordagens que nós, no setor WASH, empregamos para influenciar os papéis de género e as relações de poder para garantir que os benefícios dos serviços WASH sejam apreciados igualmente em todos os sexos.

Por exemplo, uma abordagem fundamental é que os comitês WASH atendam a uma quota de 50:50 proporção para homens e mulheres. Esta abordagem é importante — creio que a participação e a representação são fundamentais para serem ouvidas e contadas. No entanto, a quota não deve ser vista como um fim em si mesmo. Deve ser considerada como um meio para realizar uma tomada de decisão partilhada e garantir que os benefícios dos serviços sejam partilhados.

Partilhando a responsabilidade

Uma recente visita de campo a Burie, um dos nossos projetos na região de Amhara, ensinou-me algo completamente novo sobre o impacto (honestamente não intencional, mas positivo) que os serviços de WASH melhorados já estão a ter na redefinição das relações de género, mesmo em tais comunidades rurais e, portanto, bastante patriarcais.

Vimos homens casualmente a carregar latas de água para casa, a andar lado a lado com as suas esposas e filhas. (Suspiro!) Falámos com um dos homens, Tamiru, um ex-soldado, e fizemos-lhe algumas perguntas sobre isso. Aqui está o que ele tinha a dizer:

“Eu recolhi duas latas ontem, também. Eu nem sempre posso vir intencionalmente para recolher água, mas se eu vir que a minha esposa ou os meus filhos estão a recolher água, eu passo e pego numa das latas a caminho de casa. Estamos a aprender que os homens devem recolher água, assim como as mulheres. Na nossa língua dizemos: “um marido tolo ri quando o jantar cozinha”. O que queremos dizer com isso é que um marido inteligente deve entender tirar o excesso de comida fora do fogão não é necessariamente o trabalho da sua esposa. Deve perceber o facto de que, se estiver cozido demais, vão todos para a cama com fome. Nós, como homens, temos que fazer a nossa parte para melhorar os nossos meios de subsistência. Certamente serei mais intencional sobre isso e recolherei água a partir de agora. Muitos homens já estão a fazer isso.”

Tamiru Werqe bombeia água no novo posto de água. Ligazh, Burie Zuria Wereda, Amhara, Etiópia.
WaterAid/Behailu Sheferaw
Tamiru Werqe bombeia água no novo posto de água. Ligazh, Burie Zuria Wereda, Amhara, Etiópia.

Esta conversa foi chocante para alguns de nós. Tem alguma ideia de quantas formações, reuniões de consulta comunitária, panfletos e spots de rádio normalmente seria necessário para que os homens em tais áreas rurais façam essas tarefas “femininas”? Muita coisa! E as mudanças comportamentais impostas externamente são sustentáveis de qualquer maneira?

A coisa maravilhosa sobre esta mudança em particular é que nem sequer planeamos isso. A mudança de comportamento apenas seguiu a mudança no seu estilo de vida, que, por sua vez, seguiu a mudança na forma como a comunidade acedia e via a água.

Partilhando os benefícios

Outro homem na comunidade disse-nos algo que eu achei igualmente impressionante.

Bazizew disse: “Está a mudar tudo. Estamos a deixar os nossos filhos a serem crianças e os alunos serem estudantes. A minha esposa pode ficar em casa e cuidar das outras tarefas enquanto eu recolho a água. Poupa tempo a todos nós. Então podemos ir trabalhar juntos na quinta. Sabe o que significa ter a sua esposa a trabalhar ao seu lado na quinta? A sua produtividade apenas duplica.”

Bazizew Yeruq está feliz por finalmente conseguir ter água limpa na sua aldeia. Wulanta, Burie Zuria Wereda, Amhara, Etiópia.
WaterAid/Behailu Sheferaw
Bazizew Yeruq está feliz por finalmente conseguir ter água limpa na sua aldeia. Wulanta, Burie Zuria Wereda, Amhara, Etiópia.

As mudanças mais sustentáveis são as que têm incentivos práticos no dia-a-dia das pessoas; as comunidades que servimos estão a começara ver esses incentivos para si mesmas. Já estão a colocar os estereótipos de género arcaicos de lado e estão a pressionar para o progresso — juntos! Está na hora de nós fazermos o mesmo.

Feliz Dia da Mulher!