Colocar a igualdade, a inclusão e os direitos no centro de uma resposta à COVID-19 em matéria de água, saneamento e higiene

11 min read
WaterAid/ Anindito Mukherjee

As secções mais pobres e menos poderosas de todas as sociedades provavelmente serão mais afetadas nas crises, mas podemos trabalhar para aliviar as desigualdades através da nossa resposta. Priya Nath e Louisa Gosling destacam como nossa resposta de emergência à pandemia de coronavírus pode mitigar vulnerabilidades novas e existentes entre as pessoas afetadas.

Lavar as mãos com sabão é a primeira linha de defesa no combate à pandemia de COVID-19. No entanto, as desigualdades abundam no acesso a água, saneamento e higiene (WASH) e a serviços, e seguir o conselho de lavar as mãos com sabão regularmente para alguns não é tão fácil como pode parecer.

Anos de experiência e evidência mostram que rendimento, contexto económico e falta de terra; idade, deficiência e estado de saúde; localização geográfica; e etnia, raça, religião e género desempenham papéis enormes para determinar se indivíduos, famílias e comunidades têm WASH apropriado, disponível e acessível. Na WaterAid, temos o compromisso de combater as desigualdades em todos os aspetos do acesso ao WASH.

A maneira como abordamos a extraordinária crise atual de saúde global não pode ser diferente. O combate às desigualdades novas e existentes deve ser central para nossa resposta de emergência ao coronavírus. Durante a pandemia global de COVID-19, a água limpa que salva vidas e é essencial para a higiene, o saneamento seguro e os cuidados de saúde básicos é mais crítica do que nunca. E fornecer respostas de WASH equitativas e capacitantes para todos é fundamental.

Em apoio às respostas à COVID-19 através do WASH, estamos a tirar partido do que já sabemos e a aprender novas maneiras de alcançar os mais marginalizados e os mais sobrecarregados.

O que já sabemos sobre lidar com as desigualdades em contextos WASH e emergência

1. A desigualdade de género é exacerbada em emergências de saúde e crises económicas, por isso deve ser abordada em todos os esforços de resposta

À medida que as escolas fecham e as famílias ficam confinadas, as tarefas domésticas e as responsabilidades de cuidados aumentam consideravelmente. Ao mesmo tempo, o aumento dos pedidos de lavagem das mãos, bem como de limpeza e desinfeção, multiplicam a necessidade de água. Devido à divisão do trabalho por género, são as mulheres e as raparigas que têm de recolher esta água adicional, realizar mais trabalho e prestar mais cuidados às pessoas que ficam doentes.

Para os 29% das pessoas que não têm água dentro das suas casas (até 73% na África Subsariana), as longas viagens adicionais até às fontes de água causadas pelo aumento da procura de água significa mais oportunidades de contacto com outras pessoas em pontos de água ou quiosques. E, para muitas pessoas, isso implica um maior gasto dos já escassos recursos na compra de água a um custo inacessível.

Mulheres fazem fila para recolher água da fonte de água comum em Anna Nagar Basti, Hyderabad, Índia.
Mulheres fazem fila para recolher água da fonte de água comum em Anna Nagar Basti, Hyderabad, Índia.
WaterAid/ Ronny Sen

Enquanto isso, estima-se que 70% da força de trabalho global da saúde e da assistência social sejam mulheres. À medida que a pandemia de coronavírus se espalha, essas trabalhadoras da linha de frente enfrentam um aumento da pressão e da exposição ao vírus, muitas vezes com pouco equipamento de proteção individual. Isto no contexto de dois em cada cinco estabelecimentos de saúde em todo o mundo não terem instalações de higiene das mãos em pontos de atendimento, e apenas 55% nos países menos desenvolvidos terem um abastecimento de água básico.*

As crises de saúde também aumentam os riscos de violência e assédio de profissionais de saúde da linha de frente, especialmente mulheres enfermeiras. Durante o surto de Ébola na República Democrática do Congo, por exemplo, a Organização Mundial da Saúde documentou ataques a mais de 300 estabelecimentos de saúde em 2019, o que resultou em 6 trabalhadores e pacientes mortos e 70 feridos.

Durante períodos de isolamento forçado e fecho de muitas instalações públicas, a capacidade de mulheres e meninas de gerir a menstruação pode ficar comprometida nas comunidades e nas famílias. Encontrar um espaço limpo e privado para mudar e lavar, permanecendo dentro de casa durante grande parte do tempo com a sua família e aceder a materiais menstruais e água, pode ser difícil.

Finalmente, as medidas de isolamento, a impossibilidade de acesso a sistemas de apoio social anteriores e o aumento das tensões financeiras e outras estão aumentando os riscos de violência contra as mulheres em todo o mundo (faça download do relatório em PDF). Embora não esteja diretamente associado ao WASH, tal tem implicações para a capacidade das mulheres de aceder a serviços essenciais, e deve ser considerado na nossa resposta, para garantir a segurança das pessoas ao aceder a WASH e outros serviços.

Pode ler mais sobre os impactos em matéria de género da pandemia de COVID-19 neste artigo publicado no The Lancet.

2. As pessoas marginalizadas tornam-se ainda mais vulneráveis durante uma crise

Pessoas com problemas crónicos de saúde, tais como o VIH, ou outras condições de saúde, estão a lidar com o medo crescente de contrair a COVID-19, ao mesmo tempo que, muitas vezes, já sofrem de estigma e exclusão social com base no seu estado de saúde. Num ambiente em que os conceitos errados em torno da transmissão do VIH ou a discriminação geral podem já impedi-los de utilizar instalações de WASH comunitárias, as crises têm o potencial de exacerbar a situação, tornando ainda mais difícil a lavagem das mãos e a manutenção dos tratamentos. Além disso, enfrentam o risco real de rutura de serviços essenciais que salvam vidas, e existem preocupações sobre se serão capazes de aceder ao tratamento para a COVID-19 numa base de igualdade com outros.

Mais de mil milhões de pessoas em todo o mundo vivem com deficiência, as taxas são mais elevadas nos países de rendimentos baixos e entre aqueles que vivem na pobreza ou pertencentes a minorias étnicas. Mais uma vez, as desigualdades de saúde e sociais que já enfrentam são intensificadas nas crises. Para alguém com deficiência física, aceder a água potável com frequência pode ser um desafio devido à distância, infraestrutura inacessível ou dependência de terceiros.

As pessoas com deficiência já estão frequentemente isoladas do mundo exterior, ficando de fora de campanhas de saúde pública orientadas para pessoas que se deslocam. E as campanhas de saúde pública e de informação raramente são orientadas para as suas necessidades específicas. Aqueles que dependem de um prestador de cuidados para os ajudar nas tarefas diárias enfrentam o risco de exposição acrescida ao vírus através do seu prestador de cuidados, ou não conseguem obter a ajuda de que necessitam mais do que nunca em tempos difíceis.

Reuben J. Yankan, Diretor do Campo de Portadores de Deficiência da Comunidade 17th Street, deficiente visual, é ajudado a descer os degraus de uma casa de banho pública por Timothy Kpeh, Diretor Executivo para a Paz, Educação, Transparência, & Desenvolvimento em Sinkor, Monróvia, Libéria.
Reuben J. Yankan, Diretor do Campo de Portadores de Deficiência da Comunidade 17th Street, deficiente visual, é ajudado a descer os degraus de uma casa de banho pública por Timothy Kpeh.
WaterAid/ Ahmed Jallanzo

Do mesmo modo, as mensagens de saúde pública e as chamadas para ficar dentro de casa são difíceis de cumprir para as pessoas que têm pouco ou nenhum acesso às instalações de WASH, para as que dependem dos salários diários para sobreviver, para as que vivem em assentamentos informais densamente povoados ou em campos de refugiados, e para quem vive nas ruas. Isto coloca-os em maior risco não só de COVID-19, mas também de severas punições por parte das autoridades. Por exemplo, já estamos a assistir a uma resposta que inclui a limpeza de mercados e habitações informais em nome da "sanitização" em alguns locais. A crise do ébola na Monróvia em 2014 estabeleceu um precedente para a colocação em quarentena de assentamentos informais inteiros que foram considerados um "risco sanitário". Isto é uma profunda injustiça.

Os nossos esforços de resposta podem mitigar vulnerabilidades existentes e novas

Embora os mais pobres e menos poderosos sejam mais afetados em situações de crise, podemos trabalhar para aliviar a desigualdade através da nossa resposta:

  1. Apoie os governos e outros atores do WASH a concretizar o direito humano à água e ao saneamento como parte central dos esforços de resposta, desde que não sejam discriminatórios e sejam acessíveis a todos.
  2. Desenvolva respostas de crise ao lado das comunidades afetadas e não para elas, para garantir que as soluções atendam aos desafios culturais, sociais e religiosos. Direitos de deficiência, direitos das mulheres e grupos de direitos indígenas, para citar alguns, estão em melhor posição para nos ajudar a moldar nossa resposta de uma forma que seja capacitadora, não prejudica e responda a requisitos reais.
  3. Enfrente e confronte a discriminação e estigmatização nos esforços de resposta, relacionadas com fatores como idade, sexo, raça, etnia, status socioeconómico, tipo de subsistência e casta. Temos de acompanhar de perto as nossas mensagens, imagens e abordagens para garantir que não estão a alimentar inadvertidamente a discriminação.
  4. Promover a recolha de água, limpeza de água e instalações sanitárias e a prática da higiene como responsabilidade de todos – e não apenas das mulheres.
  5. Reconheça as obrigações e a responsabilidade dos intervenientes governamentais e setoriais para dar resposta; não faça disto uma questão de ação ou responsabilidade individual.
  6. Garanta que estamos a recolher e desagregar dados para entender diferentes impactos em todas as partes da população. A desagregação é necessária para a idade mínima, a deficiência, o género e a localização.

Leia o guia da UNICEF COVID-19 Considerations for Children and Adults with Disabilities (PDF) .

O que deve fazer e o que não deve fazer – uma lista simples

Como as respostas iniciais, incluindo as nossas, dependem fortemente da comunicação pública visual e dos meios de comunicação social, é vital que sejam respeitosas e não causem danos. A nossa lista de ações a realizar e a evitar pode ajudar.

O que deve fazer: utilizar imagens e mensagens que mostrem responsabilidade pelos comportamentos de higiene e que podem ser difundidas.

  • Certifique-se de que as imagens apresentam um equilíbrio entre géneros.
  • Inclua homens em imagens de práticas de higiene domésticas e comunitárias para mostrar a responsabilidade coletiva.

O que não deve fazer
 

  • Não fomente estereótipos de género ou outros – isto é, não apresente apenas mulheres a lavar, a limpar ou a cuidar de crianças.

O que deve fazer: enquadrar a mensagem de forma a desenvolver o espírito comunitário, o apoio e a ação coletiva.

  • Use termos como "nós", "connosco", "juntos como uma comunidade", "juntos podemos", etc.
  • Use imagens que mostram pessoas a ajudarem-se umas às outras.
  • Demonstre respostas e deveres do setor/governo, e não apenas responsabilidade individual.

O que não deve fazer
 

  • Não se concentre apenas em mensagens individualistas, que reforçam respostas e ações individualistas.
  • Não utilize "gatilhos" emocionais, como a vergonha, a culpa ou o medo – temos a responsabilidade de evitar promover histeria ou culpa.
  • Evite linguagem emocional ou negativa.

O que deve fazer: retratar as pessoas em toda a sua diversidade.

  • As comunidades são constituídas por mulheres, homens, crianças, pessoas com deficiências, pessoas com diferentes identificações étnicas ou religiosas, etc. – reflita esta realidade nas suas comunicações para melhorar a aceitação.

O que não deve fazer
 

  • Não culpe nem associe fatores individuais, como o sexo, a etnia, a religião, a idade, a deficiência, o estado de saúde ou de pobreza com motivos de infeção ou de contágio.
  • Evite mensagens, imagens ou abordagens de implementação que involuntariamente estigmatizem, ostracizem ou causem abusos a algumas pessoas.

O que deve fazer: reconhecer e responder às diferentes necessidades das comunidades.

  • Demonstre a forma como os dispositivos de assistência podem ser utilizados.
  • Apresente soluções relevantes em comunidades de baixos rendimentos e em áreas rurais e com escassez de água.
  • O Compêndio de tecnologias WASH acessíveis tem ilustrações e descrições que pode adaptar.

O que não deve fazer
 

  • Evite abordagens genéricas que sugerem que todos podem mudar os comportamentos sem adaptações específicas.
  • Não direcione as mensagens ou a responsabilidade pela "mudança de comportamento" para um grupo de pessoas, como, por exemplo, as mães; em vez disso, fale dos pais que cuidam dos filhos.
  • Não deturpe o número de pessoas que têm um abastecimento de água limpa ou acesso a sabão.

O que deve fazer: adaptar as comunicações aos diferentes grupos-alvo.

  • Considere as capacidades de comunicação e aprendizagem de todas as pessoas, incluindo as pessoas com deficiências visuais, auditivas e intelectuais.
  • Planeie os canais de informação de modo a chegar a todos, especialmente àqueles que desempenham funções de cuidados, trabalhos de saneamento, etc.
  • Os materiais para levar podem reforçar a mensagem e compensar alguma perda de memória de curto prazo entre pessoas mais velhas ou pessoas com deficiência.
  • Estes devem ser de leitura fácil, com letras grandes, contraste elevado entre texto e papel, em papel sem brilho, nos idiomas/dialetos locais, muito visuais.

O que não deve fazer
 

  • Não exclua ninguém. O facto de não ser inclusivo para todos pode levar ao medo, à vergonha e à culpa.
  • Não represente assentamentos informais ou áreas de favelas como "vetores de doença", nem as áreas mais pobres da cidade como sendo incapazes de se manterem limpas. Isto reforça o estigma e aumenta a possibilidade de uma reação negativa. Por exemplo, já houve casos de habitações informais a serem limpas em nome da "higienização". A solução reside em garantir níveis de serviço adequados e seguros para todos, em vez de reforçar o estigma em relação a certas partes da população.

O que deve fazer: como parte da nossa abordagem de não prejudicar, faça uma avaliação de risco antes e durante as campanhas de comunicação

  • Monitorize as reações negativas nas redes sociais, como comentários racistas, e apague-as imediatamente, se necessário.
  • Certifique-se de que não amplifica ou responsabiliza um grupo (ou que o público está a interpretar dessa forma).
  • Faça uma lista das pessoas que podem não conseguir comunicar devido à língua, à capacidade, à cultura ou ao género e apresente estratégias sobre a forma como podem ser incluídas.

O que não deve fazer
 

  • Não ostracise ou incentive a "chamada de atenção" de pessoas ou partes da população. Tal poderá encorajar táticas de vigilantes ou reações negativas.
  • Evite termos como "vítima", "infetar" ou "passar aos outros".
  • Não tolere comentários racistas, preconceituosos ou de acusação nas redes sociais e tenha uma estratégia de monitorização das mesmas.

Acompanhe-nos na nossa viagem de resposta

Ao apoiarmos as respostas comunitárias, nacionais e globais à pandemia de coronavírus, precisamos de tirar partido daquilo que já sabemos, continuar a aprender com os outros e, em última análise, melhorar a forma como o trabalho de resposta alcança e responde às necessidades dos mais marginalizados, dos mais prejudicados e dos mais afastados da água limpa que salva vidas e é essencial para a higiene, o saneamento seguro e os cuidados básicos de saúde.

Na WaterAid, estamos a colocar estes princípios em ação, aplicando-os aos nossos esforços de resposta à COVID-19. Pode ler mais nesta publicação do blogue. Esperamos ansiosamente poder partilhar lições e desafios ao longo do caminho.

Priya Nath é Consultora para a Igualdade, a Inclusão e os Direitos e Louisa Gosling é Gestora Sénior WASH – Responsabilização e Direitos, ambos na WaterAid Reino Unido.

*Este parágrafo foi alterado em 30.04.2020 para esclarecer e corrigir as estatísticas.