Quem é que paga pela a inércia da crise climática?

4 min read
WaterAid/ James McCauley

As pessoas que menos contribuíram para as emissões de CO2 estão a sentir os maiores impactos da falta de ação do mundo em relação às alterações climáticas. Estarão a receber o financiamento climático de que precisam para se adaptar aos efeitos de um mundo cada vez mais quente? Jonathan Farr apresenta os argumentos a favor do restabelecimento do equilíbrio para a justiça climática.

As alterações climáticas estão a acontecer e estão a acontecer agora – e, infelizmente, todos os que têm levantado esta questão nas últimas três décadas estão profundamente conscientes das oportunidades perdidas.

Em 2006, Lord Nicholas Stern propôs investirmos apenas um 1% do PIB do Reino Unido na redução de carbono para evitar pagar pelos piores impactos das alterações climáticas. Perante os impactos que vemos atualmente, ficaria barato para muitos países e, no entanto, o mundo ainda está aquém dos seus compromissos climáticos.

Os países que menos contribuíram para o aquecimento global são os que mais sofrem

A injustiça das alterações climáticas é que os países com emissões de carbono insignificantes, como o Ruanda ou Moçambique, estão a ter de viver com os efeitos do aquecimento global, e esses impactos atingem mais duramente os mais pobres. As emissões de CO2 de Moçambique em 2017 foram de 7,7 megatoneladas. Nesse mesmo ano, o Reino Unido – geralmente considerado como tendo feito progressos relativamente bons na redução de carbono – lançou 379 megatoneladas de CO2. 50 vezes mais! No entanto, em 2018, Maputo, capital de Moçambique, quase que ficou sem água após três anos de seca. E um ano depois, o país sofreu inundações sem precedentes, generalizadas e devastadoras.

Um homem caminha numa inundação pesada numa comunidade em Lilongwe, Malawi, após fortes chuvas em fevereiro de 2017.
Em fevereiro de 2017, fortes chuvas trouxeram inundações em algumas partes de Lilongwe, Malawi. O acesso à água limpa foi interrompido devido a canalizações avariadas e as pessoas perderam colheitas e propriedades.
WaterAid/ Dennis Lupenga

As pessoas sentem os efeitos das alterações climáticas principalmente através da água

Não se trata de desastres de escala nacional. Muitos dos impactos das alterações climáticas estão a ser sentidos através da água – as secas cada vez mais severas, as inundações e as alterações nos padrões climáticos que têm impacto na vida quotidiana. As comunidades onde trabalhamos já se debatiam, carecendo mesmo de acesso básico à água, o que significa que as pessoas – muitas vezes mulheres e raparigas – que viajam meia hora ou mais até uma fonte de água não melhorada para ir buscar o máximo de água possível.

Pequenas mudanças no clima poderiam fazer a diferença para estas comunidades conseguirem ou não sobreviver, com as mulheres, os muito jovens e os muito velhos e as pessoas que vivem com deficiências e que, geralmente, são as primeiras a sentir os impactos. São estas pessoas que têm de adaptar as suas vidas às alterações climáticas, e que não tiveram outra escolha senão fazer sacrifícios em termos de saúde ou de oportunidades de vida.

O acesso à água e ao saneamento é a primeira linha de defesa contra as alterações climáticas

Foram prometidos 100 mil milhões de dólares por ano como parte do processo climático da ONU, em reconhecimento de que os países pobres precisam de apoio face à crise climática. Até agora, o mundo não conseguiu atingir este objetivo. Mesmo o financiamento que foi gasto não está a responder aos desafios urgentes que muitas comunidades enfrentam. Acreditamos que o acesso a água de boa qualidade, saneamento e serviços de higiene (WASH) deve ser uma componente de qualquer comunidade que seja resiliente às alterações climáticas. Mas, atualmente, o financiamento climático não está a chegar aonde é necessário.

O financiamento climático não está a chegar às pessoas que dele mais precisam

Recentemente, publicámos análises que mostram que, em alguns países, apenas pequenas quantias de dinheiro chegam aonde são necessárias. Na Etiópia, por exemplo, o 23.º país mais vulnerável ao clima, apenas 0,39 dólares de financiamento climático por pessoa e por ano vão para água e saneamento. No Níger, classificado como o segundo país mais vulnerável ao clima, são 0,82 dólares por pessoa por ano. Não é justo que as pessoas mais pobres dos países com emissões insignificantes estejam a pagar a conta das alterações climáticas, e é por isso que apelamos a uma mudança radical no financiamento climático para apoiar o acesso à água potável nos países menos desenvolvidos.

Nitsuh Tsehay à espera da sua vez no poço cavado à mão em Gorad Village, Amhara, Etiópia.
Nitsuh Tsehay à espera da sua vez no poço cavado à mão em Gorad Village, Amhara, Etiópia.
WaterAid/ Frehiwot Gebrewold

A dimensão do desafio é enorme. Estima-se que 2 mil milhões de pessoas não tenham acesso a serviços de água geridos com segurança, e, com os serviços e os recursos sob pressão crescente devido às alterações climáticas, precisamos de ver esta questão no topo das agendas políticas, tanto para os governos nacionais como para as instituições multilaterais.

Temos de reduzir o carbono, mas também precisamos de garantir que o financiamento internacional para o clima apoia o investimento em comunidades altamente vulneráveis para concretizar todos os benefícios de ter água limpa perto de casa, como parte de planos urgentes que os colocarão numa base firme e resiliente face a uma crise climática com que já vivem.

Jonathan Farr é o Analista Sénior de Políticas para as Alterações Climáticas na WaterAid UK.