Serviços de água, saneamento e higiene críticos para refrear a utilização de antibióticos como "solução rápida"

2 min read
WaterAid/ Guilhem Alandry

A proliferação de bactérias resistentes a medicamentos é uma ameaça global que pode tornar lesões e doenças simples numa ameaça à vida e os procedimentos médicos de rotina demasiado arriscados para serem realizados.

Abordar a resistência antimicrobiana (RAM) é um desafio multifacetado, mas o que muitas vezes é menosprezado é reduzir a necessidade de utilizar antibióticos. Os antibióticos são utilizados frequentemente para tratar infeções em instalações de saúde e comunidades que não dispõem de serviços adequados de água, saneamento e higiene (WASH). Os relatórios mais recentes do Banco Mundial e da Chatham House confirmam que as condições não higiénicas são uma das principais causas do uso de antibióticos em países de rendimentos baixos e médios, e que as melhorias de WASH são uma forma rentável de reduzir isto. Medidas práticas para melhorar o WASH, especialmente em contextos de recursos escassos, poderiam reduzir o uso de antibióticos e, consequentemente, a resistência, dando um enorme contributo para controlar a propagação da RAM.

Leia o artigo de Alison Macintyre, Celina Hanson, Leah Richardson e Mengying Ren publicado no Devpolicy.org, sobre o papel crítico do WASH na luta contra a resistência aos antibióticos. Alison é Responsável Técnica para a Saúde na WaterAid Australia, Celina é Consultora de Políticas da ReAct, Leah é Consultora para a Saúde e WASH da WaterAid Suécia e Mengying é Consultora de Políticas da ReAct.