Não podemos esperar: Um relatório sobre saneamento e higiene para mulheres e meninas

Thumbnail
WSSCC/Saskia Castelein

Ainda há 2,5 bilhões de pessoas sem acesso a saneamento adequado.

Não podemos esperar deixa claro que os governos, a sociedade civil e as empresas devem trabalhar juntos para melhorar a saúde e a prosperidade das mulheres em todo o mundo.

O relatório foi apresentado num evento da ONU em Nova Iorque, celebrando o primeiro Dia Mundial da Casa de Banho oficial. O dia serve para lembrar ao mundo que mais de 2,5 bilhões de pessoas não têm acesso a uma casa de banho adequada, com consequências devastadoras em particular para o bem-estar, saúde, educação e capacitação de mulheres e meninas em todo o mundo.

O relatório apresenta uma série de recomendações, incluindo:

  • Os governos (dos países em desenvolvimento e doadores) tornam o fortalecimento do setor de saneamento e trazendo a meta do Objetivo de Desenvolvimento do Milénio quanto a saneamento uma prioridade política imediata e urgente.
  • Governos em todo o mundo mantêm as suas promessas e implementam os compromissos assumidos a nível nacional, regional e global.
  • O quadro de desenvolvimento pós-2015 para suceder aos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio precisa de abordar a água, o saneamento e a higiene como questões prioritárias.
  • O saneamento deve ser integrado na política educacional apoiada por recursos suficientes e planos concretos.
  • Mais intervenientes no setor privado devem aperceber-se das oportunidades sociais e de negócios e investir no desenvolvimento social. Uma colaboração mais frequente e intersetorial é essencial para alcançar progressos reais.

O relatório foi produzido pela WaterAid, a organização organizada pela UN Water Supply e o Sanitation Collaborative Council, e a principal marca de sanitas da Unilever, a Domestos.