Seis oportunidades promissoras destacadas na conferência Água e Além da UE 

7 min ler
A combined image of children's hands in water and the EU flag.
WaterAid/ Nana Kofi Acquah; pixel2013

Depois de uma intensa e sem precedentes conferência da UE de quatro dias com o objetivo de fortalecer a cooperação e as parcerias na água para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris, Sophie Aujean pondera o que vem por aí para a ação europeia sobre água, saneamento e higiene (WASH).

Em maio de 2019, o ex-chefe da equipa de água da Comissão Europeia (CE) partilhou connosco a ideia de organizar uma conferência de alto nível da UE sobre água. O plano então era sediar o evento seis meses depois, justamente quando a nova CE tomaria posse, para que a água fosse o primeiro tópico sobre o qual seria solicitado a mostrar liderança. Adiada várias vezes, a conferência Water and Beyond ocorreu online de 18 a 21 de janeiro.

A flyer for the Water and Beyond conference
DG INTPA

Uma conferência oportuna para a programação da UE

Faz um ano que Jutta Urpilainen, Comissária para as Parcerias Internacionais, começou o seu mandato, mas a conferência ainda era muito oportuna. Foi o primeiro evento organizado pela nova DG INTPA — Direção Geral de Parcerias Internacionais da CE, substituindo a antiga DG DEVCO. Esta mudança de nome de DEVCO para INTPA, e o novo organigrama, devem refletir a «forte vontade da CE de se afastar de uma “relação doador-beneficiário” para “parcerias de igualdade” com os países em desenvolvimento». Agora resta saber como essas parcerias se desenrolarão.

O primeiro teste — e esta é outra razão pela qual esta conferência foi extremamente oportuna — será o exercício de programação da UE que estabelece as prioridades de ajuda da UE em termos de setores e países para 2021—27. Este processo é atualmente liderado por delegações da UE, que decidem sobre os três setores em que gostariam de se concentrar nos próximos sete anos. Foi promissor que 70 representantes das delegações da UE se inscrevessem para o evento, de 47 países parceiros da UE, incluindo 11 onde operamos (Bangladesh, Camboja, Eswatini, Gana, Índia, Moçambique, Nepal, Nigéria, Pacífico, Papua Nova Guiné, Ruanda e Zâmbia).

A visual asset containing a photo of Carla Montesi, Director Green Deal and Digital Agenda at DG INTPA and a quote from her: "Getting water governance and investment right are essential for our people, our planet, our prosperity and our peace. Let us continue to put water at the heart of our partnerships."
Uma citação da Diretora Green Deal and Digital Agenda na DG INTPA Carla Montesi.
DG INTPA

Um impulso renovado para a água a nível da UE

O facto de o evento ter sido aberto a um nível muito elevado por Janez Lenarčič, Comissário da UE responsável pela Gestão de Crises, e Stanislav Raščan, Ministério dos Negócios Estrangeiros da Eslovénia, sinaliza uma dinâmica renovada na água a nível da UE. Ambos os oradores deixaram claro que a água deve estar no topo da agenda da UE devido ao seu papel vital na realização de toda a Agenda 2030.

Congratulo-me com o facto de o novo Chefe Executivo da WaterAid Suécia também ter participado no painel de abertura, juntamente com o Ministro da Água e Saneamento do Senegal, o Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Portugal (atualmente ocupando a Presidência do Conselho da UE), o Representante Especial da UE para Ásia Central e o vice-presidente do Grupo SUEZ.

Estou também muito grato aos nossos campeões da água no Parlamento Europeu, que proferiram discursos de abertura enquanto o Parlamento se reuniu em plenário. A eurodeputada francesa Chrysoula Zacharopoulou, ginecologista, lembrou ao público que a água é vital para construir a nossa resiliência às futuras pandemias e como ferramenta para o desenvolvimento humano. O eurodeputado sueco Pär Holmgren, meteorologista, abriu a sessão sobre clima e água, concentrando-se nas necessidades das pessoas vulneráveis ao clima no acesso ao WASH.

A natureza transversal da água

A conferência explorou a natureza transversal da água através de sete sessões, incluindo quatro que co-organizamos. A primeira concentrou-se no desenvolvimento humano, com palestrantes da UNICEF, da Organização Mundial da Saúde (OMS), da Delegação da UE para Burkina Faso, WaterAid Nepal e governos cambojano e moldavo. Eles destacaram que o WASH é vital durante todo o curso de vida, para abordar as desigualdades e aproveitar ao máximo os programas de educação, nutrição e saúde.

A diretora do Departamento de Saúde Pública, Ambiente e Determinantes Sociais do Departamento de Saúde da OMS Maria Neira à UE foi muito clara:

Vocês conhecem o argumento: o acesso ao WASH é sobre desenvolvimento humano, não há mais intervenção económica. Agora é apenas uma pergunta para sermos pragmáticos, e veremos enormes benefícios em todas as áreas.

No segundo dia, co-organizámos duas sessões com a UNECE, sobre finanças e clima.

Foi maravilhoso ouvir a apaixonada chamada da CEO de Saneamento e Água para Todos Catarina de Albuquerque:

Se há algo que aprendemos em 2020, é que o funcionamento como de costume não é uma opção. A transformação é o único caminho a seguir — e a água, o saneamento e a higiene estão no centro de como nos transformamos.

Representantes da Agência Francesa de Desenvolvimento, Veolia, do Banco Mundial, da Delegação da UE no Lesoto e das OSC analisaram o cenário financeiro para o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 6 e as opções para colmatar a lacuna financeira - ainda mais urgente em vista do COVID-19 e crises climáticas.

Congratulo-me com o facto de Henk Ovink, Enviado Especial para os Assuntos Internacionais da Água dos Países Baixos, ter aberto a sessão sobre o clima, dado que o seu Governo sediou a Cimeira da Adaptação Climática apenas alguns dias depois. Esta sessão também contou com a WaterAid Bangladesh e a DG Climate da Comissão Europeia.

Pedro Arrojo-Agudo, novo Relator Especial sobre os direitos humanos à água e ao saneamento, abriu a última sessão, com foco na administração. Exortou a UE a reforçar as capacidades financeiras das autoridades locais encarregadas do WASH, que é uma base para a saúde pública. Seguiu-se uma conversa útil com o Serviço Europeu de Ação Externa, Aquafed, WaterAid Etiópia e Women for Water Partnership, sobre as nossas respetivas funções de abordar a fraca administração do setor e fazer valer os direitos humanos à água e ao saneamento.

A screenshot showing a word cloud of terms participants chose as the most important barrier to achieving Sustainable Development Goal 6, other than financing. The biggest are governance, SDG silos, political will and poor governance.
Uma captura de tela mostrando uma nuvem de palavras de termos que os participantes escolheram como a barreira mais importante para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 6, além do financiamento.
WaterAid

O que vem a seguir agora para garantir que a UE aja em relação ao WASH?

Existem várias oportunidades promissoras pela frente:

  1. Em primeiro lugar, a UE deve aproveitar a oportunidade do exercício de programação da UE para não só aumentar as suas dotações WASH no âmbito da sua ajuda global ao desenvolvimento ultramarino (APD), mas também garantir que a sua APD WASH seja direcionada para os países menos desenvolvidos e canalizada através de apoio orçamental ou subvenções, em vez de projetos e empréstimos.
  2. Em segundo lugar, muitas vezes foi salientado, inclusive durante o encerramento da conferência, que a água é expressamente mencionada como uma prioridade da ação externa da UE no âmbito do objetivo «acordo verde». Além disso, foi feito um anúncio sobre o recente apoio da UE (19,7 milhões de euros) ao Climate Investor Two, uma instalação combinada que financia projetos de água e saneamento «comercialmente viáveis». E ouvimos que a UE lançaria em breve uma estratégia de adaptação climática, que também olharia para a água. Esses são todos sinais positivos. No entanto, em última análise, precisamos de ver os investimentos da UE no WASH que visam as comunidades mais vulneráveis às alterações climáticas como parte de uma estratégia essencial para a adaptação climática.
  3. Em terceiro lugar, o Governo esloveno anunciou que apresentaria conclusões do Conselho sobre a água, a adotar até ao final de 2021. É fundamental que essas conclusões reconheçam que WASH é fundamental para os esforços da UE para garantir que a recuperação socioeconómica seja saudável, verde e justa.
  4. A quarta oportunidade foi de alguma forma negligenciada (apesar de muitos oradores de alto nível estarem baseados na África Subsariana) — a parceria entre a UE e a África. É de seu interesse comum colocar decisivamente o desenvolvimento humano no centro de sua futura parceria. Com efeito, nenhum dos cinco principais objetivos que a UE apresentou (como a transição verde, o crescimento sustentável ou a paz e a governação) para a sua parceria com a África poder ser alcançada sem acesso universal e equitativo aos serviços sociais públicos básicos — incluindo o WASH.
  5. Em quinto lugar, muitos palestrantes durante o evento enquadraram o WASH como uma importante intervenção de saúde pública. E, na verdade, apelamos à UE para que aumente significativamente o seu financiamento para o WASH nas instalações de saúde. Além disso, instamos a UE a mostrar liderança, defendendo a iniciativa Higiene das Mãos para Todos da UNICEF — OMS e adotando uma Estratégia Global de Saúde da UE, para alcançar os seus objetivos globais de saúde e garantir a preparação para crises sanitárias globais.
  6. Por último, durante a sessão sobre administração e encerramento, discutimos extensivamente o papel que a UE poderia desempenhar na aplicação dos direitos humanos à água e ao saneamento. Foi ótimo ver a UE a adotar as suas diretrizes sobre esses direitos em junho de 2019 e encorajador ouvir como está a monitorizar a sua implementação. Na WaterAid, através da abordagem Making Rights Real e de várias outras ferramentas, estamos prontos para trabalhar em conjunto com as delegações da UE para garantir que esses direitos se tornem realidade.

Sou muito grato pela tenacidade da equipa de água na CE e parceiros co-organizadores (UNECE, UNESCO, Borda e Women for Water Partnerships) que fizeram o evento acontecer.

Sophie Aujean é a Representante da UE da WaterAid. Siga a nossa defesa da UE no Twitter em @EUWaterAide siga Sophie em @SophieAujean.