A sede de moda deve primeiro saciar a necessidade de água dos trabalhadores do setor

on
17 April 2019
WaterAid/Sharbendu De

O setor global do vestuário é sério na melhoria dos direitos dos trabalhadores? A consultora do setor privado Ruth Romer explora o que as marcas de moda podem e devem fazer para melhorar as condições de trabalho enquanto impulsionam o lucro.

O setor global do vestuário representa dois por cento do PIB mundial e pode, portanto, impulsionar mudanças em grande escala. Tem a capacidade de causar um enorme impacto — tanto positivo como negativo — sobre as questões ambientais, económicas e sociais. Se o sector se preocupa com a melhoria dos direitos dos trabalhadores e de uma remuneração digna, ao mesmo tempo que impulsiona os resultados, deve agora centrar-se no papel desempenhado pela melhoria do acesso à água, ao saneamento e à higiene dos seus trabalhadores em toda a cadeia de abastecimento.

Os líderes empresariais e as principais marcas de moda, como a H&M e a Nike, tomaram medidas para melhorar as condições de trabalho no Fórum Económico Mundial de Davos em janeiro, quando se inscreveram na CEO Agenda 2019, que defende os direitos humanos no local de trabalho.

No entanto, a Agenda omitiu o acesso à água, a casas de banho e à higiene dos trabalhadores como um dos seus pilares fundamentais, o que é uma supervisão crucial. O papel que estas três instalações desempenham na garantia de «ambientes de trabalho respeitadores e seguros» é fundamental — sem elas, quaisquer alterações positivas serão seriamente diluídas.

No Bangladexe, por exemplo, onde a indústria do vestuário domina a economia, muitos trabalhadores vivem e trabalham em condições inadequadas sem água limpa para beber, uma casa de banho decente, ou um lugar para lavar as mãos. Os problemas de saúde resultantes — sejam eles próprios ou dos seus filhos — significa que eles são forçados a faltar ao trabalho. No trabalho, eles podem sentir-se mal e as pausas de conforto são desaprovadas, levando a uma queda na concentração e um aumento de acidentes e erros. A falta de casas de banho privadas seguras no trabalho tem um impacto prejudicial na força de trabalho principalmente feminina, especialmente quando estão na menstruação.

Investir na cadeia de abastecimento

Para definir e comprovar o significativo retorno sobre o investimento que as empresas poderiam ganhar ao investir em água, saneamento e higiene na cadeia de abastecimento têxtil, a WaterAid, com o apoio da Diageo, Gap Inc. e a Unilever, desenvolveu um guia «Fortalecer o caso dos negócios para água, saneamento e higiene». O guia está a ser dirigido pela Diageo, Gap Inc. e a Unilever, e atualmente está a ser testado pelo HSBC.

Em junho de 2018, como parte do «Programa de Cadeias de Abastecimento Sustentáveis», o HSBC e a WaterAid lançaram um novo projeto de três anos para fornecer serviços essenciais de água e saneamento a 24 fábricas de vestuário e às comunidades onde os trabalhadores vivem no Bangladexe e na Índia, desde pequenos trabalhadores artesanais a fábricas têxteis e de peles em larga escala. Além de melhorar as condições de vida e de trabalho dos trabalhadores, este financiamento permitirá à WaterAid fornecer evidências vitais do valor financeiro do acesso à água, ao saneamento e à higiene em termos de benefícios comerciais, a fim de incentivar outras empresas a investir nestes básicos.

Zarina (foto acima), de 40 anos, vive numa dessas comunidades artesanais, o bairro degradado de Bharat Puri em Lucknow, norte da Índia. Ela ganha uma pequena quantia de dinheiro com os seus lindos bordados 'Chikan', assim como a maioria das famílias nesta comunidade, onde atualmente existem apenas duas casas de banho para aproximadamente 4.500 pessoas.

Zarina demora dois dias a bordar um top, e com isto ela vai ganhar cerca de 100 rúpias; num mês ela pode ganhar 1.000 rúpias, aproximadamente 11€. No entanto, se ela adoecer - muitas vezes com diarreia causada por beber água suja ou não conseguir lavar as mãos - ela não pode fazer o seu trabalho a tempo e, portanto, não recebe nenhum pagamento do comprador.

Haseena Bano (foto abaixo), de 35 anos, vive em Budhiya Ghat, um bairro degradado ao lado do Ganges, onde 99% da comunidade trabalha nos curtumes. Não há abastecimento de água doméstico, e não há casas de banho, portanto, a defecação aberta é a norma. As pessoas na aldeia muitas vezes ficam doentes com problemas de estômago, dores de cabeça e infeções de pele devido a beber e tomar banho em água não tratada poluída pelo Ganges. O marido de Haseena, Mubarak, trabalha no Curtume Tel Mill por um salário escasso. Quando ele está doente, não pode trabalhar e a pobreza deles ainda aumenta mais.

Haseena Bano, 35 anos, fotografada com as filhas, vive num bairro degradado junto às margens do Ganges, na Índia.
WaterAid/Sharbendu De
Haseena Bano, 35 anos, fotografada com as filhas, vive num bairro degradado junto às margens do Ganges, na Índia.

Não é difícil imaginar como as vidas da família Haseena, Mubarak e Zarina poderiam mudar com a introdução de água limpa e casas de banho decentes.

Quer eles trabalhem em pequenas comunidades artesanais ou em grandes fábricas, uma força de trabalho saudável e contente leva a uma maior produtividade, menos erros, menor absentismo e benefício económico global melhorado. Inevitavelmente, a cadeia de abastecimento será mais resiliente e fiável para a marca-mãe. Em última análise, as empresas beneficiam de investimentos em melhorias na água, saneamento e higiene no local de trabalho, cadeias de abastecimento e nas comunidades onde os trabalhadores vivem.

As marcas de vestuário inovadoras podem conceptualizar os benefícios comerciais mais amplos — financeiros e de reputação — criados através de investimentos em instalações de água e saneamento para os seus funcionários. Outras marcas devem agora recuperar à medida que estas instalações vitais se incorporam na gestão responsável das cadeias de abastecimento. No fim de contas, o acesso à água é um direito humano.

Principais estatísticas da indústria do vestuário

  • Existem 4 milhões de trabalhadores de fábrica de vestuário no Bangladexe e 12 milhões na Índia.
  • As mulheres representam 80% da mão-de-obra.
  • O «Programa de Cadeias de Abastecimento Sustentáveis» da WaterAid financiado pelo HSBC, melhorará a vida de aproximadamente 11 000 pessoas que trabalham na indústria do vestuário no Bangladexe e na Índia.

 

Este artigo foi publicado pela primeira vez na plataforma de notícias Belong em abril de 2019.