Estamos todos em posição de fazer a diferença nas alterações climáticas e nos seus efeitos devastadores nas comunidades. Vamos tirar partido dela.

4 min read
WaterAid/ Nyani Quarmyne/ Panos

Savio Carvalho, Diretor de Campanha Global da WaterAid.

Dizem que uma semana é muito tempo na política. Que tal um ano na vida do planeta Terra? O ano passado viu movimentos sísmicos na narrativa sobre as mudanças climáticas: tivemos o efeito de Attenborough em curso na redução do uso de plástico; a campanha de greve escolar em todo o mundo liderada por Greta Thunberg; e o nascimento da Rebelião da Extinção, adotando meios confrontacionais, mas não violentos, para exigir ação imediata.

Também tivemos uma infinidade de relatórios, como o maldito relatório sobre a perda de biodiversidade, e análise sobre a humanidade que se encontra no limite da degradação ambiental irreversível.

O Secretário-Geral das Nações Unidas acredita que o clima é o nosso maior risco

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (PIMC) tem sido incisivo ao apontar que a atividade humana é o único responsável por pelo menos 1 °C aumento na temperatura acima dos níveis pré-industriais e pode alterar-se até 1,5 °C nos próximos 15 a 30 anos. Todos sabemos onde estão as linhas de falha – decorrentes de combustíveis fósseis, agricultura comercial e escolhas de estilo de vida que criam a procura e pressionam os escassos recursos do planeta.

Tswarelo, 12 anos, a apanhar água de uma depressão do leito do rio. Província de Lubombo, eSwatini.
Tswarelo, 12 anos, a apanhar água de uma depressão do leito do rio. Província de Lubombo, eSwatini.
WaterAid/Nyani Quarmyne/Panos

Também ouvimos muitos líderes mundiais falarem (com algumas exceções) sobre a necessidade de abordar as alterações climáticas em pé de guerra. O Secretário-Geral da ONU alertou os líderes empresariais presentes em Davos este ano que há nuvens escuras mais à frente, à medida que o risco climático se torna realidade climática, dizendo: “Eu acho que o risco climático é o risco sistémico mais importante para o futuro próximo. Acredito que estamos a perder a corrida.”

A mudança climática já está a arruinar vidas

No meio de todo este ruído no nível macro, a mudança climática está a deixar a sua marca na vida de indivíduos e comunidades. Inundações, incêndios florestais, furacões, ondas de calor e aumento do nível do mar têm tido impacto nas pessoas de todo o mundo. Embora muitos dos afetados nas economias desenvolvidas estivessem cobertos por seguros ou apoiados pelo Estado, para aqueles na maioria das economias em desenvolvimento que são afetados, perder a casa, gado, meios de subsistência ou até mesmo parentes pode significar começar do zero novamente. Um choque climático pode fazer com que uma família recue muitos anos, ou até mesmo uma vida inteira.

À medida que a água se torna mais escassa, as pessoas – principalmente mulheres e as raparigas – têm de caminhar mais e mais para ter acesso a ela. As crianças perdem preciosos dias escolares, não só por causa de inundações ou ciclones, mas também por causa dos desafios diários colocados pela falta de água limpa ou saneamento adequado. Esta realidade agrava as desigualdades cada vez mais crescentes, dentro e entre países. Esta não prestação de serviços básicos distorce ainda mais o equilíbrio de energia a favorece aqueles que já estão bem e têm o apoio e a capacidade de lidar.

Ntsika, 16, a caminho de casa com um balde de água na província de Lubombo, eWatini.
Ntsika, 16, a caminho de casa com um balde de água na província de Lubombo, eWatini.
WaterAid/Nyani Quarmyne/Panos

Fazer o bem com uma mão não é suficiente se a outra estiver a fazer mal

A tragédia desta história é que muitos líderes mundiais não estão a fazer o suficiente. A comunidade internacional, composta por governos, corporações e indivíduos poderosos, tem um papel a desempenhar para garantir que todos, em todos os lugares, sejam capazes de realizar os seus direitos humanos à água e ao saneamento. Não basta financiar projetos através de programas de responsabilidade social corporativa, se outra divisão do seu negócio estiver a ameaçar ativamente o acesso das pessoas à água ou a não garantir um bom saneamento nas comunidades onde trabalha, ou a produzir emissões que contribuam para as mudanças climáticas.

Temos de acordar para as realidades da diminuição do abastecimento de água e assegurar uma mudança na ação e na atitude.

Você está em posição de fazer a diferença

Nem tudo é desgraça e tristeza – vimos muitas iniciativas, lideradas por pessoas, comunidades, inovadores e empreendedores que estão fazendo a diferença. Há, em muitas partes do mundo, uma atenção crescente às alterações climáticas. Há um impulso global para um novo acordo verde para desmamar o planeta dos combustíveis fósseis, reduzir o aquecimento global dos gases de efeito estufa e criar novos empregos de alto salário em indústrias limpas e verdes. Enquanto isso, as comunidades afetadas pelas mudanças climáticas estão se adaptando e encontrando seus próprios mecanismos de pra lidar com a situação, com muito pouco apoio financeiro ou técnico.

O tempo não está do nosso lado. Ao assinalarmos mais um Dia Mundial do Meio Ambiente, vamos nos perguntar: o que estou a fazer para salvar o planeta Terra? Como posso fazer a diferença na minha própria vida como indivíduo, na minha comunidade e no meu local de trabalho? Há uma enorme tarefa pela frente para cada um de nós: apoiar aqueles que estão a fazendo campanha ou a protestar; interromper e exigir ações no nosso local de trabalho; fazer escolhas sólidas como consumidores; e usar o poder de voto como acionista e como indivíduos que têm o privilégio de votar. Se está a ler este blog, está definitivamente numa posição privilegiada para fazer a diferença. Então pergunte a si mesmo que diferença vai fazer.