Quando o financiamento climático não chega, os mais pobres é que pagam

on
17 January 2018
Thumbnail
WaterAid/Ernest Randriarimalala

Para reduzir o fardo de algumas das pessoas mais pobres do mundo relacionado com os efeitos das alterações climáticas nos seus serviços de água e saneamento, os governos devem aumentar a adaptação e a resiliência. A chave para isso é garantir e direcionar eficazmente o financiamento. Jonathan Farr, analista sénior de políticas de segurança hídrica e alterações climáticas da WaterAid UK, apresenta uma nova investigação com recomendações para o governo de Madagáscar.

Na semana passada, a natureza avisou-nos que, se o aquecimento global ultrapassar uma média de 1,5 °C, 20 a 30% do mundo pode tornar-se árido antes do final do século, devastando milhões de meios de subsistência e abastecimentos alimentares das pessoas.

Avisos como estes tornaram-se comuns, mas embora para muitos isso pareça uma ameaça distante, a WaterAid trabalha com comunidades que já vivem na iminência desta catástrofe de início lento. Infelizmente, enquanto governos e organismos internacionais se concentram em grandes soluções e medidas de redução de carbono, as experiências destas pessoas não se traduzem em ações reais no terreno.

De cidades em crescimento a aldeias rurais remotas, 60% das pessoas já vivem com um aumento do stress hídrico, exacerbado por estações secas cada vez mais longas, padrões imprevisíveis de chuva causados pelas alterações climáticas e pelos danos subsequentes a pontos de água e instalações sanitárias. O resultado é que as pessoas sem acesso a água de boa qualidade e saneamento fiáveis, algumas das pessoas mais pobres do mundo, estão efetivamente a pagar a conta das emissões carbónicas dos países mais ricos.

Temos de enfrentar esta injustiça com uma ação urgente e significativa à escala global para criar resiliência às alterações climáticas e aos seus efeitos, de modo a que os milhões de pessoas afetadas possam construir um futuro seguro.

O financiamento tem de ser direcionado

As conferências sobre o clima resultaram repetidamente em milhares de milhões de dólares para apoiar a adaptação dos países em desenvolvimento às alterações climáticas. No entanto, apesar de a pressão ser a nível internacional, os impactos não são visíveis no terreno: frequentemente, o dinheiro não chega aos locais onde é mais necessário.

Em 2016, a WaterAid encomendou uma investigação para examinar algumas das razões para isto; hoje, publicamos um relatório com base nos resultados do estudo de caso de Madagáscar

Madagáscar é o 20.º país mais vulnerável em termos de clima do mundo, com mais de 25% da população a cada ano afetada por eventos relacionados com o clima. Quase metade das pessoas não tem acesso a, pelo menos, água potável básica, e as alterações climáticas, bem como outros fatores, significam que as pressões sobre o abastecimento estão a aumentar, ao mesmo tempo que o financiamento nacional para água e saneamento está a ser reduzido.

Em 2016, apenas um projeto com financiamento da luta contra as alterações climáticas previa dar prioridade ao WASH (água, saneamento e higiene) a favor das populações pobres. Isto apesar de a falta de investimento em saneamento e higiene estar a custar à economia nacional mais de 100 milhões de dólares por ano

Criar capacidade para garantir fundos

O nosso relatório sugere ações que o governo de Madagáscar poderia tomar para aumentar a capacidade de os departamentos governamentais e as autoridades locais aumentarem a probabilidade de garantir o financiamento internacional da luta contra as alterações climáticas para atividades relacionadas com WASH.

As recomendações incluem:

  • Um "roteiro" de WASH para adaptação e resiliência, para demonstrar o compromisso do governo de integrar as questões das alterações climáticas em todos os ministérios.
  • Incentivar a cooperação interministerial em matéria de alterações climáticas e questões de WASH. O Madagáscar está bem posicionado para desenvolver e implementar um quadro estratégico para a adaptação climática dos serviços de WASH, com uma clara vontade do governo de apoiar a integração do clima e de WASH.
  • Reforçar os sistemas de gestão das finanças públicas no setor de WASH, a fim de garantir que os recursos chegam ao local onde são mais necessários.

Estas recomendações não são suficientes para resolver os desafios de aumentar o financiamento da luta contra as alterações climáticas, mas destinam-se a permitir que o governo do Madagáscar crie laços com as comunidades e os setores mais bem posicionados para identificar ameaças ao seu abastecimento de água e, assim, criar serviços de água e saneamento adequados para o futuro.

Não se trata apenas de um problema de adaptação às alterações climáticas: a coligação End Water Poverty indicou, no início desta semana, que o setor de água e saneamento tem uma "margem cada vez mais reduzida para que as organizações da sociedade civil se envolvam com os governos. Há uma falta de liderança e de coordenação dos governos na área do saneamento e da higiene".

À medida que nos aproximamos da conferência do clima COP 24 na Polónia, que terá lugar em dezembro, os responsáveis políticos pela tomada de decisões, as ONG e as empresas têm de encontrar uma forma de amplificar a voz das pessoas que já vivem na linha da frente das alterações climáticas. Devemos dar-lhes apoio para que sejam ouvidos pelos governos e pelas instituições internacionais, para que possam implementar as mudanças necessárias nas suas próprias comunidades.