Respostas criativas à COVID-19 em acampamentos informais

6 min read

As pessoas que vivem em urbanizações informais sobrelotadas foram gravemente afetadas pelos confinamentos e pelo recolher obrigatório aplicados em resposta à pandemia de COVID-19. Mbaye Mbéguéré e Rémi Kaupp partilham exemplos de respostas locais inspiradoras aos desafios encontrados, bem como o nosso guia do que se deve ou não fazer para lidar com a COVID-19 em urbanizações informais.

Enquanto lê isto, provavelmente está a implementar – ou implementou recentemente – medidas de distanciamento físico. Nunca é uma experiência confortável, mas ainda menos se for uma dos milhares de milhões de pessoas que vivem em urbanizações informais ou bairros degradados, onde a sobrelotação é comum e a economia é, frequentemente, informal.

A maioria dos governos reagiu à pandemia de COVID-19 com confinamentos, obrigando as pessoas a ficar em casa e a fechar as empresas. Porém, quando as empresas são de cariz informal e a economia funciona dia a dia, essas medidas são inviáveis e extremamente prejudiciais para os meios de subsistência dos residentes. Para piorar as coisas, alguns governos usaram também a desculpa da "higienização" das áreas urbanas para conter a propagação do coronavírus a fim de despejar comerciantes e residentes, deixando-os sem emprego e sem abrigo.

Outra questão comum nas urbanizações informais é o mau acesso a água e ao saneamento. Em muitas cidades indianas, por exemplo, a água é uma das principais razões pelas quais a população urbana pobre precisa de sair de casa todos os dias. Por outras palavras, o distanciamento físico é um luxo de que só aqueles que não precisam de fazer essa viagem diária podem desfrutar.

Normalmente, a água potável custa mais em urbanizações informais quando é fornecida por intermediários, o que reduz a quantidade de água que as pessoas podem pagar para lavar as mãos. E com a falta de espaço, os residentes costumam recorrer a instalações sanitárias comuns e partilhadas, o que pode aumentar o risco de transmissão através de superfícies. Também dificulta o trabalho aos responsáveis pelo esvaziamento dos depósitos cheios.

No entanto, existem oportunidades para organizar a prestação de serviços em urbanizações informais durante a pandemia, com grupos locais e estruturas comunitárias que fornecem serviços e recolhem dados sobre residentes e instalações. Estes grupos estão bem posicionados para criar respostas à COVID-19, e muitos já o fazem.

As pessoas lavam as mãos na estação portátil sem contacto no posto à entrada da comunidade no Bangladesh
Pessoas a lavar-se e filas para lavar as mãos na estação portátil sem contacto à entrada de um bairro degradado no Bangladesh.

Respostas de base à COVID-19 em urbanizações

Algumas das respostas mais inspiradoras à crise foram lideradas diretamente por residentes, quer através de grupos de entreajuda recém-estabelecidos, ou de redes existentes de moradores de bairros degradados. Por exemplo, nas áreas de Huruma e Mukuru de Nairobi, a Muungano wa Wanavijiji, uma associação de residentes, tem estado ativa desde fevereiro, instalando estações de lavagem das mãos, produzindo mapas e relatórios de situação e mostrando a forma como os residentes estão a lidar com os problemas. Destacaram, inclusive, possíveis áreas de isolamento. Na Nigéria e no Benim, associações semelhantes de populações urbanas pobres criaram "Coronadiaries" (diários do coronavírus), que contam histórias da pandemia, e cuja leitura e visionamento recomendamos vivamente.

Além disso, iniciativas como a desenvolvida na África do Sul, para dar voz às pessoas que vivem em urbanizações informais e que enfrentam graves problemas de escassez de água e serviços de saneamento básico durante a crise de COVID-19, são respostas que surgem de baixo para cima e que merecem destaque. Neste exemplo, os resultados das consultas diárias são partilhados semanalmente com municípios relevantes e departamentos públicos nacionais, a fim de permitir respostas rápidas por parte do governo.

Os investigadores estão a estudar estas dinâmicas e lições de surtos anteriores, como o do ébola, para tirar conclusões úteis: a unidade de planeamento de desenvolvimento tem estado a analisar os "futuros urbanos" pós-COVID-19, e uma equipa abrangente sugeriu ações imediatas para melhorar o bem-estar dos residentes, incluindo: a criação de comités de planeamento de emergência em cada urbanização; uma moratória imediata relativa a despejos; transferências imediatas de dinheiro; a implementação de trabalhadores comunitários de saúde; o fornecimento imediato de alimentos, água e saneamento; e a assistência com os resíduos sólidos.

Uma mulher espera, mantendo o distanciamento, enquanto o seu cântaro de água enche durante a pandemia de COVID-19, no Bangladesh.
Uma mulher num assentamento em Bangladesh espera, mantendo o distanciamento, enquanto o seu cântaro de água enche.

A nossa posição sobre a resposta à COVID-19 em urbanizações informais

Na nossa resposta, pretendemos:

  • Fazer com que as ações se baseiem no reconhecimento dos direitos dos residentes de bairros degradados e na satisfação das suas necessidades.
  • Adaptar mensagens ao contexto das urbanizações informais.
  • Aprender com as atividades existentes lideradas pela comunidade.
  • Junto das autoridades, defender o acesso a água potável e livre, ao saneamento e à lavagem das mãos.
  • Reforçar a capacidade dos fornecedores de serviços de água e saneamento.

Para exemplos mais específicos, a WaterAid Bangladexe publicou um guia detalhado (PDF) para a resposta à COVID-19 em bairros degradados densamente povoados. Por exemplo, eles estão a desinfetar pontos de água e instalações sanitárias comuns , e a utilizar casas de banho públicas como estações de lavagem de mãos.

Também defendemos um melhor reconhecimento e apoio aos trabalhadores do saneamento, que prestam serviços essenciais — e que poderiam estar ainda mais em risco durante a pandemia. Há orientações emergentes para garantir que a exposição dos trabalhadores é limitada, mas a realidade é que em muitas cidades, esse trabalho essencial é feito sem qualquer proteção.

É importante reforçar a capacidade de os fornecedores de serviços de água desenvolverem estratégias para lidar com serviços prestados às populações mais pobres em períodos de crise. Efetivamente, os serviços públicos das grandes cidades do norte e do sul, responsáveis pelas respostas de emergência durante crises como os sismos no Nepal ou no Haiti, podem agora assumir o papel de orientar as pequenas empresas públicas do sul que cobrem urbanizações informais. Os serviços públicos podem enfrentar enormes desafios em crises como esta pandemia, e partilhar experiências e lições pode ser inestimável.

Lista do que fazer e do que não fazer

Para sustentar as nossas atividades em urbanizações informais durante a resposta à COVID-19, estabelecemos os seguintes princípios:

A fazer: defender a distribuição de água potável livre para todas as famílias de urbanizações informais, pelo menos durante a resposta de emergência.

A não fazer: criar um modo de abastecimento de água que dê origem a multidões.

A fazer: criar instalações de lavagem de mãos acessíveis em vários pontos das urbanizações.

  • Consulte vários utilizadores ou organizações representativas para garantir que a localização é adequada e segura para todos.
  • Certifique-se de que as instalações são operacionais e sustentáveis ao longo do tempo.

A não fazer: instalar uma estação de lavagem de mãos sem uma modalidade operacional, incluindo drenagem/tratamento adequado de resíduos líquidos gerados, potencialmente contaminados com coronavírus.

A fazer: adaptar as mensagens ao contexto das urbanizações informais

  • Certifique-se de que estão de acordo com as orientações de igualdade e inclusão e com as orientações de higiene .
  • Crie opções inovadoras para manter o distanciamento físico ao aceder a instalações públicas de água, saneamento e lavagem das mãos (como criar um percurso, posicionar instalações em círculo para manter a distância física adequada, etc.)

A não fazer: adotar uma abordagem única – mensagens inadequadas criam dúvidas e comprometem todos os esforços de comunicação.

A fazer: implementar soluções de longo prazo para uma prestação de serviços adequada, inclusiva e sustentável às urbanizações, em conformidade com os deveres (por exemplo, quiosques de água ou pontos de abastecimento de água em massa ligados a pequenas redes, poços, furos).

A fazer: desenvolver uma estratégia para reforçar rapidamente as capacidades de os fornecedores de serviços de água, saneamento e higiene disponibilizarem esses bens essenciais às populações mais pobres.

A não fazer: apoiar (direta ou indiretamente) a autorização de mercados informais e de habitação em nome da "higienização" , ou permitir a quarentena de urbanizações informais inteiras devido ao "risco para a saúde".

Esperamos que estes princípios e exemplos façam sentido também para si. Tem algo a acrescentar? Conhece outros bons exemplos de respostas da comunidade que devamos analisar? Envie-nos um tweet para os ficarmos a conhecer!

Mbaye Mbéguéré é gestor sénior de WASH urbano e está no Twitter com o nome @MbayeMbéguéré. Rémi Kaupp é consultor do programa de saneamento urbano e resistência, e está no Twitter com o nome @RemKau.