Como navegar em ambientes de desenvolvimento complexos com programação adaptativa

4 min read
WaterAid/ Tom Greenwood

Os profissionais de desenvolvimento trabalham em ambientes complexos e em constante mudança. Como aprendemos e adaptamos para navegar nos mesmos e cumprir a nossa missão? David Shaw, diretor de aprendizagem e eficácia, fala sobre as novas diretrizes da WaterAid Australia para uma abordagem que integra a programação adaptativa com uma teoria da mudança.

Os profissionais de desenvolvimento estão cada vez mais a incentivar as ONG a trabalhar de forma adaptativa e orientada para a formação, sobretudo quando existe uma agenda que visa o fortalecimento dos sistemas. Embora haja cada vez mais documentação a apelar à adoção de abordagens mais flexíveis e com capacidade de resposta à prática de desenvolvimento, pouco tem sido publicado para apoiar de modo prático esta forma de trabalhar.

Trabalhar de modo transversal a vários sistemas implica navegar na complexidade

O desenvolvimento é um processo complexo, mas muitas vezes, o trabalho de desenvolvimento não é feito de uma forma que reconheça ou responda a essa complexidade.

Enquanto parte da nossa abordagem transversal a vários sistemas na WaterAid, procuramos transformar os sistemas nacionais, regionais e locais (incluindo instituições, infraestruturas e recursos) necessários para os serviços sustentados e equitativos de água, saneamento e higiene (WASH). Para isso, trabalhamos com uma série de organizações, incluindo governos nacionais e subnacionais, organizações da sociedade civil e setor privado, membros da comunidade, doadores e funcionários. Todas as pessoas destas organizações têm diferentes políticas, relacionamentos, educação, experiências e incentivos, que influenciam a forma como pensam e agem.

A natureza do que fazemos e do ambiente em que trabalhamos é, portanto, complexa.

O nosso guia de apoio ao planeamento, monitorização, avaliação e aprendizagem

A nossa abordagem à programação adaptativa evoluiu ao longo dos últimos cinco anos, com base na prática experimental, através da aplicação e da adaptação de diferentes conceitos e estruturas para saber o que funciona para nós. Reconhecendo a complexidade do nosso trabalho, o manual A guide to support planning, monitoring, evaluation and learning (Um guia para apoiar o planeamento, a monitorização, a avaliação e a aprendizagem) define a nossa abordagem à programação adaptativa. Descreve como utilizamos princípios de programação adaptativa para:

  • Planear e projetar iniciativas orientadas para a aprendizagem.
  • Monitorizar o progresso (tanto para responsabilização, como para aprendizagem).
  • Gerir de modo adaptativo em resposta a mudanças, evidências e oportunidades.

O guia está estruturado em torno de seis componentes que consideramos essenciais para apoiar o planeamento, a monitorização, a avaliação e a aprendizagem através de uma abordagem de programação adaptativa. Utilizamos a teoria da mudança para ajudar a estruturar o processo de conceção e gestão, com base num compromisso absoluto com a análise de contexto contínua e a tomada de decisões orientada para a formação. Descobrimos que o desenvolvimento de uma teoria da mudança suporta um processo de conceção mais robusto. Uma teoria da mudança identifica pressupostos fundamentais e fornece um ponto em torno do qual é possível fazer adaptações.

(Direita) Jemima, 12 anos, aluna do 6º ano, fora da casa de banho das meninas com as amigas (M-E) Bonni e Chanel na Escola Primária Ginigolo-Gunugau, Distrito de Rigo, Papua Nova Guiné. Outubro 2018.
Da esquerda para a direita: Bonni, Chanel e Jemima, alunas do 6º ano, fora da casa de banho das meninas na sua escola no Distrito de Rigo, Papua Nova Guiné.
WaterAid/ Tom Greenwood

Uma maneira de monitorizar melhor o trabalho de fortalecimento dos sistemas

Acreditamos que esta forma de pensar e trabalhar é ideal para uma monitorização mais eficaz da mudança dos sistemas, que tem sido reconhecida como um desafio fundamental do trabalho de fortalecimento dos sistemas.

Utilizámos recentemente o guia para rever os quadros de conceção, monitorização e avaliação de dois projetos, financiados através do programa Water for Women da DFAT, na Papua-Nova Guiné e em Timor-Leste. O processo de revisão dava margem para refletir criticamente sobre o contexto e as mudanças intermédias inicialmente identificadas para os resultados do projeto.

Ao fornecer uma estrutura e um processo para verificar se os pressupostos se mantinham à luz de novas evidências, o guia permitiu que as equipas identificassem e respondessem na prática a questões que iam surgindo. Apoiar esta resposta flexível e informada é fundamental para a programação adaptativa e para garantir que os projetos se mantêm relevantes e eficazes.

Qual é a sua opinião?

Estamos disponíveis para aprender como podemos melhorar os nossos processos e sistemas para melhorar continuamente a forma como permitem a programação adaptativa. Gostaríamos de aprender com a experiência de outras pessoas na aplicação de abordagens semelhantes às iniciativas de fortalecimento de sistemas WASH ou, de um modo mais abrangente, sobre programas de desenvolvimento.

David Shaw é diretor de aprendizagem e eficácia na WaterAid Australia @dshaw76

Siga a conta do Twitter de políticas, prática e defesa, @WaterAid, e a WaterAid Australia, @WaterAidAustralia