Defendendo a mudança de comportamento de higiene na África do Sul

5 min read
Thumbnail
WaterAid/Sam James

O simples ato de lavar as mãos com sabão pode prevenir doenças diarreicas e infeções respiratórias, mas muitas pessoas ainda não o fazem. Como podemos ajudar os governos a mudar isso? Sakhile Khaweka, responsável pelo apoio regional da WaterAid para a África Austral, descreve o progresso da África do Sul ao priorizar a higiene e sugere como os parceiros podem ajudar.

Lavar as mãos com sabão é a forma mais eficaz de prevenir a diarreia — pode reduzir a taxa em quase 40% e doenças respiratórias agudas em até um quarto. No entanto, poucas pessoas fazem isso.

Os perigos de não lavar as mãos são enormes. As doenças diarreicas são a terceira principal causa de morte de crianças menores de cinco anos e um dos principais contribuintes para a desnutrição e o déficit de déficit. Este é um enorme problema de saúde pública. A simples ação de lavar as mãos oferece a oportunidade de impactar enormemente na saúde pública e economizar dinheiro gasto aos nossos governos no tratamento de doenças. Então, como podemos fazer lavar as mãos uma parte normal da vida?

Para criar um hábito, as pessoas precisam do básico

De acordo com a JMP, a África do Sul alcançou 85% de acesso à água básica, que está acima da meta do Objetivo de Desenvolvimento do Milênio. Mas isso deixa muitas pessoas para trás. Muitos vivem em assentamentos onde o risco de contrair doenças relacionadas com água, saneamento e higiene (WASH) ainda é alto porque não há acesso a água potável ou sanitários adequados, e hábitos de higiene são ruins.

Como resultado, o país apresenta altas razões de mortalidade infantil e infantil. Em 2014, o Departamento Nacional de Saúde da África do Sul (NDH) iniciou, portanto, um programa para intensificar os esforços para melhorar a higiene, como uma das intervenções identificadas para reduzir essa mortalidade e morbidade. Primeiro, precisavam descobrir onde estavam os bloqueios.

Encontrando os estrangulamentos

Para encontrar as raízes dos problemas no acesso ao WASH seguro, o NDH, apoiado pela UNICEF, realizou uma Análise de Estrangulamento WASH utilizando a ferramenta de análise WASH-BAT. Identificaram os seguintes estrangulamentos:

  • Liderança e coordenação fracas, resultando em trabalho em silos e falta de colaboração intersetorial.
  • Teorias que assumem que a educação em saúde é o principal motor da mudança de comportamento de higiene, em vez de mensagens constantes e outras abordagens inovadoras e mais holísticas para influenciar a mudança de comportamento.
  • Alocação orçamental não rastreada e insuficiente em todos os setores para higiene — não foi priorizada na alocação de recursos.
  • Nenhum sistema de monitorização funcional para capturar a entrega de higiene e lavagem das mãos e acompanhar o progresso para melhorar a qualidade do serviço e a mudança de comportamento.
  • Não existem metas nacionais acordadas para a higiene, o que limita o planeamento e a responsabilidade pela entrega.
  • Falta de capacidade dos trabalhadores da linha de frente (comunidade) na mudança de comportamento.
  • Falta de uma base nacional de provas de higiene para apoiar programas e iniciativas.

Os governos devem priorizar a higiene

Com base nos estrangulamentos e ações identificados exigidos, uma ação fundamental do NDOH foi o desenvolvimento de uma Estratégia Nacional de Mudança Comportamental de Higiene das Mãos, 2016—2020. A estratégia visa proporcionar um quadro para o avanço da higiene da lavagem das mãos no país através de uma ação multissetorial, para a prevenção e redução das mortes diarreicas no país, especialmente em crianças menores de cinco anos.

Outra recomendação da análise é estabelecer um comité nacional de coordenação de higiene (NHCC) incluindo diferentes partes interessadas da WASH. O objetivo do NHCC é garantir uma melhor coordenação das iniciativas de promoção de higiene e lavagem das mãos no país e garantir a facilitação dos componentes de higiene da implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para melhorar os resultados em saúde. O Governo sul-africano convidou a WaterAid para fazer parte deste comité, e o Gerente Regional do Programa Elijah Adera e eu somos membros.

O NHCC realizou o primeiro Simpósio Nacional de Higiene em Pretória, em agosto, em nome dos Departamentos de Saúde, Educação Básica e Água e Saneamento em parceria com WaterAid África Austral, UNICEF e Associação de Governo Local da África do Sul (SALGA). Este evento intersetorial de alto perfil reuniu participantes, incluindo partes interessadas, funcionários do governo, ONGs, setor privado e académicos.

O objetivo era reunir exemplos concretos de mudanças de comportamento bem-sucedidas na África do Sul e globalmente, e partilhar a análise dos estrangulamentos e as suas recomendações para a prestação de serviços e comportamentos de higiene eficazes e sustentáveis na África do Sul. Também foi uma oportunidade para iniciar a campanha de lavagem das mãos que antecedeu o Dia Global de Lavagem de Mãos, quando o Governo lançará a Estratégia Nacional de Mudança do Comportamento de Higiene das Mãos 2016—2020. O Simpósio foi uma grande plataforma para colaborarmos com o governo sul-africano para ajudar a efetivar mudanças reais.

Como podemos apoiar governos responsivos e dispostos a cumprir os seus objetivos de higiene?

O nosso objetivo é persuadir os governos a priorizar o WASH reconhecendo-o como um direito humano, alocando um orçamento maior e possuindo compromissos regionais e globais. Como? Eu tenho algumas idéias:

  • O setor privado tem se interessado em lavar as mãos e higiene porque ajuda a promover os seus produtos sanitários. As agências de desenvolvimento e os governos podem aproveitar isso trabalhando em parceria com o setor privado para promover a mudança de comportamento de higiene.
  • Podemos fornecer evidências necessárias para planear intervenções para programas.
  • Podemos fornecer abordagens inovadoras para a mudança de comportamento de higiene.

A iniciativa sul-africana não poderia ter chegado num momento melhor. É importante para a WaterAid na África Austral porque a nossa principal mudança estratégica na região é a priorização da higiene, e prevemos grandes oportunidades para influenciar a higiene em outros países e regionalmente.

A higiene e o saneamento ainda estão atrasados na África Austral, apesar do acesso à água potável ter melhorado em alguns países; o fardo resultante que as nossas nações carregam é inaceitável. Melhorar os hábitos de higiene e garantir que as pessoas tenham os meios para os manter salvaria inúmeras vidas — precisamos agir agora para fazer a diferença.

Sakhile tweeta como @Sakhilek