Cinco princípios de direitos humanos que colocam as pessoas no centro das respostas de água, saneamento e higiene à COVID-19

9 min read
WaterAid/ James Kiyimba

Capacitar e aumentar a dignidade das pessoas marginalizadas e vulneráveis vai ajudar-nos a emergir da crise da COVID-19 com sociedades mais saudáveis e oportunidades revitalizadas de desenvolvimento e paz. Louisa Gosling, Naomi Carrard, Hannah Neumeyer e Virginia Roaf descrevem como aplicar os princípios dos direitos humanos pode salvar vidas agora e no futuro.

O vírus não discrimina, mas os seus impactos – e as nossas respostas – sim.

- Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres.

Todos estamos a fazer o nosso melhor para minimizar o impacto da pandemia de coronavírus. Impressionantemente, a resposta em todo o mundo tem sido reduzir a transmissão através do distanciamento, lavagem das mãos e reforço dos sistemas públicos de saúde. Sabemos que o abastecimento de água, saneamento e higiene (WASH) são fundamentais para a resposta à COVID-19. Então, como os direitos humanos podem ajudar

Uma lente de direitos humanos revela oportunidades inesperadas à medida que respondemos à crise atual e planeamos o futuro. A aplicação dos princípios dos direitos humanos – igualdade e não discriminação, participação, transparência, responsabilidade e sustentabilidade – aprofunda as respostas do WASH à COVID-19, ajudando a proteger todos agora e a construir sociedades mais equitativas e sustentáveis.

O que fazemos agora moldará o mundo pós-COVID e nossa resiliência a ameaças futuras, sejam as mudanças climáticas ou outras crises de saúde.

Igualdade e não-discriminação

Os riscos que a COVID-19 apresenta não são suportados igualmente. Vemos evidências disso em todo o mundo. Pessoas mais velhas, pessoas com problemas de saúde, pessoas que vivem em casas inadequadas (especialmente aqueles em acampamentos densos sem acesso a serviços básicos), pessoas sem-abrigo, trabalhadores migrantes e aqueles que têm que sair para trabalhar todos os dias para sobreviver ou que estão a cumprir um necessário, mas subvalorizado papel, como trabalho de cuidados ou limpeza de rua – todos estão em maior risco de contrair o vírus porque são menos capazes de se proteger com boa higiene e distanciamento físico. Também são mais severamente afetados por provisões de distanciamento ou confinamento, com meios de subsistência eliminados ou reduzidos.

As pessoas que não podem pagar as suas contas de água e saneamento correm o risco de perder serviços essenciais. Especialistas independentes em direitos humanos da ONU convidaram os governos a proibir as desconexões e a alargar o acesso contínuo à água a pessoas que ainda não a possuem. Os governos são obrigados a garantir o acesso aos serviços. Devem intervir para que os prestadores de serviços continuem a cumprir e não enfrentem desafios financeiros ao fazê-lo. Esta não é uma façanha pequena, dada a amplitude e a diversidade dos prestadores de serviços públicos, privados e comunitários de água e saneamento, mas reforçar o reconhecimento destes serviços básicos como serviços públicos é fundamental para a realização dos direitos humanos.

Os trabalhadores de saneamento realizam um trabalho vital e ainda estão especialmente expostos à COVID-19. São frequentemente discriminados, trabalhando sem proteção ou dignidade. Limpadores, trabalhadores de cuidados e muitas mulheres e crianças que buscam água para si e para os outros também correm o risco de serem expostos ao vírus.

Tal como acontece com muitas áreas de desenvolvimento, as mulheres – apesar do seu papel central – são muitas vezes ignoradas ou marginalizadas nas decisões, pelo que as suas necessidades e os riscos específicos que enfrentam não são considerados. Mas muitas organizações estão a investigar e a documentar as implicações generalizadas de género da pandemia e medidas resposta. A justiça de género deve ser central na resposta WASH, e há um imperativo crescente para a colaboração com organizações e líderes de mulheres para encontrar maneiras de o fazer.

Os direitos humanos à água e ao saneamento (e outros direitos) exigem que nossa resposta à COVID-19 aborde essas desigualdades. Eles promovem e protegem as vozes de pessoas discriminadas, marginalizadas e vulneráveis e garantem que as respostas ao vírus as incluam proativamente.

A colaboração entre os agentes WASH e as organizações que representam os direitos dos grupos marginalizados – incluindo aqueles focados em deficiência, idade, moradores de favelas, prisioneiros, crianças ou mulheres – traz novas compreensões e ações que garantem serviços inclusivos de água e saneamento. Soluções inovadoras já estão a emergir dessa colaboração, tornando as mensagens de higiene e as instalações de lavagem de mãos acessíveis para pessoas com deficiência e relevantes para diversas populações em ambientes desafiadores.

WaterAid Papua Nova Guiné a fornecer altifalantes, tinta e papel para imprimir materiais de sensibilização, apoiando as autoridades locais de saúde na preparação para o COVID-19.
A WaterAid Papua Nova Guiné forneceu altifalantes, tinta e papel para imprimir materiais de sensibilização, apoiando as autoridades locais de saúde na preparação para o COVID-19.
WaterAid Papua-Nova Guiné

Participação

As epidemias de SIDA e Ébola ensinaram a importância de envolver as comunidades afetadas. Construir confiança entre o governo e a sociedade civil é fundamental para a adequação, eficácia e sustentabilidade das respostas, para garantir o fluxo suave de informações precisas e úteis e para evitar danos indiretos ou não intencionais.

As medidas de distanciamento físico estão a criar mais barreiras para muitos e a reduzir a participação e a voz, especialmente onde os processos participativos dependem agora da internet. Há uma divisão digital de género comprovada, exacerbada pela pobreza. Por exemplo, os dados da OCDE indicam que, globalmente, as mulheres são 26% menos propensas do que os homens a ter um smartphone (70% menos provável no Sul da Ásia e 34% na África).

Os mecanismos nacionais de coordenação (como os núcleos WASH) devem incluir a sociedade civil e organizações que representem diferentes secções da população. Isso pode ajudar os governos a identificar pessoas vulneráveis e a pôr em prática medidas que efetivamente apoiem aqueles que, de outra forma, seriam deixados para trás.

Olhando para o futuro, tornar os modos de participação e parceria mais inclusivos poderia estabelecer as bases para um desenvolvimento liderado mais localmente após a pandemia.

Transparência e acesso à informação

A transparência e o acesso à informação estão intrinsecamente ligados à participação. Se as informações não forem precisas ou bem compreendidas pelos destinatários pretendidos, não têm valor. Além disso, embora mensagens claras e consistentes sejam importantes para reforçar a mudança de comportamento, devem ser adaptadas aos diferentes contextos. Como é que as pessoas que vivem em acampamentos informais ou em áreas rurais remotas podem responder às mensagens de “lavar as mãos” se não tiverem um abastecimento seguro de água no terreno?

Para alcançar as pessoas mais marginalizadas, temos de ser criativos e comunicar nas línguas locais através de uma série de canais adequados para os lugares e pessoas em causa. Por exemplo, muitos países usam a rádio, como a Tanzânia, o Ruanda e o Nepal, onde jingles são transmitidos por altifalantes para as comunidades sem cobertura FM. A língua gestual e o braille podem ser usados para alcançar pessoas com deficiência auditiva ou visual.

Na Nigéria, as redes locais da sociedade civil e os meios de comunicação estão a comunicar através de membros da rede nas comunidades para partilhar informações e impulsionar campanhas para melhorar o WASH nas instalações de saúde. Mais ideias podem ser encontradas em recursos como o Guia da BBC Media Action para o envolvimento da comunidade à distância.

E na África do Sul, os residentes em acampamentos informais estão a monitorizar o acesso à água e ao saneamento durante a crise da COVID-19, partilhando os dados com as autoridades da cidade e os meios de comunicação. Esta iniciativa já resultou em melhoria da prestação de serviços e novos canais de colaboração com as autoridades municipais.

Um homem lê mensagens de sensibilização através de um altifalante na parte de trás de um reboque de bicicleta numa comunidade em Bangladesh.
Um homem lê mensagens de sensibilização através de um altifalante numa comunidade no Bangladesh.
WaterAid Bangladesh

Responsabilidade

A prestação de contas entre governos, sociedade civil e agências de desenvolvimento é tão crítica numa crise como sempre. Estamos a ver fundos sem precedentes arrecadados e distribuídos em resposta à COVID-19, mas a forma como esses fundos serão usados e contabilizados nem sempre é clara.

A responsabilização é essencial para minimizar a corrupção e para a obtenção de serviços equitativos, sustentáveis e de alta qualidade. Isso é importante tanto para a aquisição de emergência quanto para a distribuição de benefícios na resposta imediata à COVID-19, quanto para a sustentabilidade a longo prazo dos serviços WASH.

Infelizmente, os mecanismos de responsabilização e as relações no WASH são muitas vezes fracos. As redes da sociedade civil devem ser capazes de defender a transparência e a responsabilidade na resposta WASH a esta crise, para monitorizar quanto do financiamento disponibilizado para a pandemia é investido em considerações de direitos humanos e para o desenvolvimento sustentável dos serviços WASH. Pode haver mais oportunidades, pois a pandemia tem elevado o perfil da WASH, que pode criar espaço para que os atores WASH contribuam para iniciativas de responsabilização mais amplas. Um exemplo que liga o WASH à coligação sobre a construção da paz e construção do Estado em Serra Leoa demonstra esse potencial.

Os governos também são responsáveis pela forma como estão a impor medidas de contenção que limitam a capacidade das pessoas para sair, trabalhar, buscar água e usar casas de banho. Em muitos países, estamos a ver uma força excessiva a ser usada para garantir o cumprimento do confinamento, criminalizando pessoas que têm de sair de casa para satisfazer necessidades básicas. Isto viola os direitos humanos e pode prejudicar a redução da propagação do vírus, se cria medo e destrói a confiança entre o governo e as comunidades, como aprendemos com a resposta ao HIV. Em momentos de resposta a desastres, os valores do governo aberto podem ficar sob intensa pressão – mas também podem contribuir de forma significativa para melhores resultados onde haja forte cooperação e confiança entre as autoridades e as pessoas.

Sustentabilidade

A fraca sustentabilidade e os níveis de serviço já são uma enorme barreira à realização dos direitos das pessoas à água e ao saneamento, muitas vezes devido a sistemas fracos. Estes podem ser fortalecidos ou enfraquecidos pela forma como respondemos a esta pandemia.

A sustentabilidade é um princípio dos direitos humanos – não devemos perder progressos alcançados. A esperança para o mundo pós-COVID-19 – se usarmos os direitos humanos para nos guiarem – é estar numa posição mais forte do que antes. Isso significa um melhor acesso à água e ao saneamento para pessoas vulneráveis e marginalizadas; que entendemos mais profundamente como eliminar as desigualdades; e que estamos mais preparados para os riscos futuros para a saúde e os inevitáveis impactos das alterações climáticas.

Como emergimos da COVID-19

A pandemia de COVID-19 terá impactos profundos e duradouros na forma como todos vivemos, trabalhamos e nos relacionamos uns com os outros. Ainda não conseguimos imaginar a imensidão da mudança económica e social que surgirá.

Os direitos humanos colocam as pessoas no centro do palco. Capacitar e aumentar a dignidade das pessoas que estão atualmente marginalizadas e vulneráveis ajudar-nos-á a sair desta crise com sociedades mais saudáveis e oportunidades revitalizadas para o desenvolvimento e a paz. Os princípios dos direitos humanos devem orientar as nossas respostas e levar-nos-ão a resultados melhores, mais inclusivos e sustentáveis, protegendo e salvando vidas agora e no futuro.

Louisa Gosling é Gestora Sénior de WASH da WaterAid para Responsabilidade e Direitos, Naomi Carrard é diretora de investigação no Institute for Sustainable Futures –University of Technology Sydney, Hannah Neumeyer é Chefe de Direitos Humanos da WASH United e Virginia Roaf é conselheira sénior da Sanitation and Water for All.

Este blog é o resultado da colaboração envolvendo a WaterAid, a Sanitation and Water for All, o Institute for Sustainable Futures – a University of Technology Sydney, a WASH United, a End Water Poverty, a Kewasnet, a Rural Water Supply Network, a Water Youth Network, aHope Spring Water, a Simavie a Water Integrity Network.