O acesso universal ainda é possível?

Thumbnail
WaterAid/Behailu Shiferaw

Com uma abordagem mais intencional e dinâmica, podemos viabilizar muitos outros Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, refere Bethlehem Mengistu. 

Chamem-me sonhadora, mas acredito que o acesso a água, saneamento e higiene (WASH) para todos, em qualquer parte da Etiópia, é possível ainda no decurso da nossa vida.

O que é necessário é uma abordagem mais intencional e dinâmica para proporcionar um acesso universal. Tal abordagem, na minha opinião, deveria começar por reconhecer o "um" que existe em "todos" em vez de confiar no pressuposto de que se os serviços se destinarem a "todos", então "ninguém" ficará para trás.

Isto é especialmente importante para a prestação de serviços de WASH por duas razões. Primeiro, porque o "um" é extremamente importante quando tentamos abordar questões tão profundamente pessoais como a higiene, dignidade e privacidade. Segundo, porque a concretização da meta de WASH é essencial para a realização da maioria, se não de todas, as outras metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), incluindo a erradicação da pobreza e da fome e o avanço da saúde, educação e igualdade de género. É por isso que nós, no setor, dizemos que o WASH não é apenas uma meta de desenvolvimento por si só, mas também, e mais importante ainda, um facilitador da maioria das outras metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). É por isso que instamos os financiadores do desenvolvimento a usar o seu bom senso empresarial e a dar prioridade ao seu investimento numa área que terá repercussões em muitas outras metas.

O acesso universal precisa de um esforço de próximo nível

A Etiópia é um dos poucos países da África que atingiram as metas do Objetivo de Desenvolvimento do Milénio (ODM) para o abastecimento de água. Não devemos esquecer de celebrar isso. Agora, o Governo da Etiópia, através do seu Plano de Crescimento e Transformação II, GTP II, estabeleceu metas para padrões ainda mais elevados de acesso universal ao WASH, apesar de não ter atingido plenamente as metas dos ODM de saneamento e higiene. Ter um objetivo ambicioso e avançar é sempre melhor do que uma abordagem conservadora no caminho para o sucesso.

Isto é louvável, pois não só mostra uma liderança corajosa do Governo da Etiópia, mas também um profundo compromisso em corrigir a tragédia que tantas pessoas ainda vivem sem serviços básicos como água, saneamento e higiene.

Temos também de reconhecer que alcançar o acesso universal não é tarefa pequena e exige uma colaboração eficaz de todos os intervenientes setoriais agora mais do que nunca.

Apesar de ser encorajador, temos também de reconhecer que alcançar o acesso universal não é tarefa pequena e exige uma colaboração eficaz de todos os intervenientes setoriais agora mais do que nunca.

A WaterAid usou dados das Nações Unidas para prever quando cada país terá acesso universal à provisão básica. Com as atuais taxas de progresso, um número significativo de pessoas em 80 países continuará a beber água suja em 2030.

É por isso que precisamos de uma mudança. Precisamos de uma mudança da entrega atual do investimento em WASH para uma abordagem mais pragmática que também procure atender às complexas necessidades especiais das pessoas e medir o sucesso e os resultados de forma diferente.

100% de cobertura e acesso universal não são a mesma coisa.

  • 100% de cobertura significa que todos têm um ponto de água em algum lugar onde vivem, trabalham ou estudam. O acesso universal significa que todos usam água potável sempre que quiserem fazê-lo, com relativa facilidade, onde quer que estejam.
  • 100% de cobertura significa que todos aprenderam os princípios da boa higiene e são capazes de os recitar. O acesso universal significa que todos praticam sempre bons comportamentos de higiene e têm as instalações e serviços para os ajudar.
  • O acesso universal já não depende de percentagens; significa que NINGUÉM é deixado para trás. Significa que nenhuma mulher, criança, pessoa mais velha, distrito remoto que toda a gente sabe que existe mas ninguém quer lá ir, comunidade pobre urbana, ou menina menstruada fica para trás. Este é o auge da nossa ambição!

Então, o acesso universal ainda é possível?

Sim!!! Mas boas intenções e vontade política não são suficientes para lá chegarmos. Dado que 2030 está apenas a 12 anos de distância, precisamos ver uma mudança rápida na ação de investimento tanto dos investidores como dos implementadores de serviços WASH. A tendência para resultados apenas quantitativos não leva em conta considerações qualitativas que são moldadas e informadas por aquilo de que as pessoas a nível local precisam. E, afinal, nem tudo o que conta pode ser contado.

No entanto, nós, líderes de desenvolvimento, somos constantemente pressionados a atribuir números às mudanças que realizamos na sociedade todos os dias - os sorrisos que colocamos no rosto de uma criança quando lavam o seu rosto com água limpa pela primeira vez; a dignidade que devolvemos às pessoas quando as construímos casas de banho privadas nos campos de refugiados; o sentido de realização que os líderes comunitários adquirem quando se organizam em comités e colaboram connosco para realizar mudanças nas suas localidades. Como vamos enumerar esses impactos, sem deixarmos de ser genuínos? Cada "uma" pessoa é diferente e, portanto, pode ter necessidades diferentes e responder de forma diferente às nossas diferentes intervenções. Os nossos métodos de monitorização e avaliação precisam de considerar a satisfação das necessidades de todos quando medem o sucesso.

Como podemos incluir toda a gente?

Conheça o módulo da WaterAid Etiópia "Count Me In! Inclusive WASH Inclusive WASH in Ethiopia" www.open.edu/openlearncreate/openwash, que reconhece que, embora todos sejamos diferentes, todos fazemos parte da mesma sociedade. É por isso que escolhemos "Conta comigo" como título do módulo – este "eu" pode ser qualquer um de nós, eu, você, o seu parente, amigo, vizinho ou outra qualquer pessoa. Um "eu" que precisa de rampas para aceder às casas de banho. Um "eu" que é uma criança que não consegue chegar às torneiras altas. Um 'eu' que poderia beneficiar de WASH inclusivo. E esperamos que o módulo ajude a passar da retórica da prestação de serviços inclusivos para serviços de WASH efetivamente inclusivos, sensatos e sustentáveis.

O módulo destina-se a equipar profissionais de WASH, doadores e organizações afins que trabalham no sentido de cumprir os ODS para:

  • identificar pessoas que provavelmente serão excluídas dos serviços de WASH;
  • descrever as barreiras à lavagem inclusiva;
  • projetar e implementar tecnologias adequadas e prestação de serviços para garantir que todos os membros da sociedade sejam atendidos;
  • envolver-se ativamente em métodos e ferramentas que promovam serviços inclusivos de WASH.

Esperamos que ache útil e gostaríamos de saber a sua opinião.

Bethlehem Mengistu é a Diretora Nacional da WaterAid Etiópia e @BethlehemMengis no Twitter

Notas:

  • A WaterAid opera na Etiópia há mais de 30 anos. Só no nosso último período estratégico (2011-16) chegámos a 1,4 milhão de pessoas com WASH através de parcerias com ONG locais e governo. Atualmente, estamos a operar em quatro regiões, com a intenção de impactar o acesso universal em parceria com o Governo.
  • O "Count me In! Inclusive WASH in Ethiopia" foi desenvolvido por especialistas em WASH etíope do Escritório Nacional de Coordenação WASH no nosso Ministério da Água, Irrigação e Eletricidade, da Co-Wash, do Ministério do Trabalho e Assuntos Sociais, do Ministério da Educação, da World Vision e da UNICEF em colaboração com a Open University.