O ciclo de políticas e práticas: melhorar o WASH em instalações de saúde na Tanzânia

on
13 May 2019
WaterAid/ James Kiyimba

Enquanto os ministros da saúde se preparam para se reunir na Assembleia Mundial da Saúde, dentro de uma semana, Twaha Mubarak, gestor sénior de programas, e Priya Sippy, responsável de comunicação e campanhas da WaterAid Tanzania, debatem a importância de uma abordagem de várias partes interessadas para melhorar o acesso à água, saneamento e higiene (WASH) nas instalações de cuidados de saúde.

Em julho de 2018, a WaterAid Tanzania e uma pequena delegação do Canadá visitaram a região de Geita para ver os resultados do nosso projeto WASH em instalações de cuidados de saúde, que está a ser implementado em dois distritos. Ao caminhar em direção ao dispensário de Kakora, ouvimos cânticos e vimos vestes coloridas: a comunidade preparava-se para nos receber. 

Poucos meses antes desta visita, o dispensário, a escola primária e a comunidade não tinham acesso a água potável, o que obrigava os membros da comunidade a percorrer longas distâncias para buscar água de poços. Kakora é apenas 1 das 12 aldeias de Geita onde implementámos WASH em instalações de cuidados de saúde, com o apoio do Governo do Canadá através da Global Affairs Canada.

Influenciar a agenda de desenvolvimento da Tanzânia

Desde 2014, a WaterAid Tanzania tem trabalhado para melhorar o WASH em instalações de cuidados de saúde, enquanto parte da prioridade global de defesa da WaterAid – o programa Healthy Start. Ao longo dos últimos anos, tivemos um ciclo constante de políticas e práticas para WASH em instalações de cuidados de saúde, levando a cabo investigação e implementando mudanças de políticas, juntamente com mudanças reais no terreno. 

Este trabalho contribuiu para que a implementação de WASH em instalações de cuidados de saúde na Tanzânia tenha subido de prioridade na agenda de desenvolvimento nacional da Tanzânia, um processo liderado pelo ministério da saúde local (MoHGCDEC) e integrado no programa de desenvolvimento do setor da água do ministério da água. Na verdade, o governo comprometeu-se recentemente a garantir que 1000 instalações de cuidados de saúde têm acesso a WASH até 2021, uma promessa que acolhemos com grande entusiasmo. 

Jonathan M. Mhogota, 65 anos, presidente da vila de Nyamalimbe em reunião com membros da equipa de saúde da aldeia, Nyamalimbe Village, Geita District, Tanzânia, junho 2018.
WaterAid/ James Kiyimba
Jonathan M. Mhogota, 65 anos, presidente da vila de Nyamalimbe em reunião com membros da equipa de saúde da aldeia, Nyamalimbe Village, Geita District, Tanzânia, junho 2018.

Utilizar a investigação para servir de base para soluções

Cada jornada tem de começar pela investigação, a fim de compreender a situação real no terreno. Em 2014, unimo-nos às organizações The Soapbox Collaborative e SHARE para fazer investigação sobre como Melhorar a saúde materna em Zanzibar através da melhoria de WASH. As conclusões revelaram a falta de acesso a água potável e saneamento e uma lacuna nas práticas de higiene entre os profissionais de saúde da linha da frente. 

Por meio de lobbying e de envolvimento, o ministério da saúde desenvolveu um manual de formação para WASH em instalações de cuidados de saúde, direcionado para os profissionais de saúde da linha da frente. Este manual centrou-se nas melhores práticas de higiene, gestão de resíduos de saúde e limpeza ambiental geral para reduzir infeções hospitalares e, posteriormente, foi implementado em Zanzibar.

Enquanto isso, na Tanzânia continental, em 2015, a WaterAid começou a trabalhar com as ONG locais SEMA e AMREF Health Africa, no sentido de implementar um projeto de WASH em instalações de cuidados de saúde em Singida, que envolveu trabalhos em 21 instalações. 

Este projeto combinou três componentes principais:

  • Melhorar a saúde reprodutiva e materno-infantil (RMNCH)
  • Água, saneamento e higiene (WASH)
  • Direitos reprodutivos sexuais e de saúde (SRHR) 

O manual de formação de WASH em instalações de cuidados de saúde para profissionais de saúde da linha da frente em Zanzibar teve um teste-piloto nesta região antes de ser lançado em dezembro de 2016.

Durante a fase de construção em Singida, identificámos uma lacuna em termos de documentos de políticas que especificassem os padrões mínimos de conceção, operação e manutenção, para o orçamento, etc. para WASH em instalações de cuidados de saúde no país. Posteriormente, a WaterAid Tanzania, em colaboração com a UNICEF e o ministério da saúde local, iniciou um processo de consulta nacional para compilar essas diretrizes. No final de 2017, o ministério da saúde aprovou e lançou oficialmente as orientações nacionais de WASH para instalações de cuidados de saúde.

Embora este seja um primeiro passo importante, temos agora de voltar a nossa atenção para a prática: isto significa garantir a implementação das orientações na construção de quaisquer novas instalações de cuidados de saúde, bem como a atualização das instalações existentes para cumprir essas orientações.

Até agora, temos vindo a utilizar as orientações no nosso próprio projeto em Geita, referido anteriormente, financiado pela Global Affairs Canada. Seguindo as orientações, usamos diferentes tecnologias, como energia solar e recolha de águas pluviais, para garantir um abastecimento de água potável e sustentável.

Trabalhadores de saúde no Centro de Saúde de Kashishi inspecionam um tanque de água elevado a ser instalado, Kashishi Health Centre, Geita District, Tanzânia, junho de 2018.
WaterAid/ James Kiyimba
Trabalhadores de saúde no Centro de Saúde de Kashishi inspecionam um tanque de água elevado a ser instalado, Kashishi Health Centre, Geita District, Tanzânia, junho de 2018.

O que aprendemos com a nossa jornada de implementação de WASH em instalações de cuidados de saúde, até agora?

Para um trabalho efetivo em termos de políticas e práticas, precisamos de reunir evidências e envolver os governos a todos os níveis

Para influenciar a política nacional, é necessário trabalhar em estreita colaboração com o governo, documentando as evidências, tais como as armadilhas institucionais, as melhores práticas e outros ambientes facilitadores. Para nós, isso implicava trabalhar diretamente com o ministério da saúde local (MoHCDGEC), que liderou o processo ao criar as orientações nacionais para WASH nos cuidados de saúde na Tanzânia continental, e com o ministério da saúde de Zanzibar, na criação do manual de formação para os profissionais de saúde da linha da frente. Envolver os governos significa que intervir se torna uma verdadeira prioridade para o país, bem como para as administrações regionais e locais.

Da mesma forma, para garantir que as melhores práticas criadas são implementadas e sustentadas, é necessário trabalhar com o governo local. Na WaterAid, usamos a abordagem a nível distrital, em que começamos a trabalhar num distrito e visamos escalar o trabalho e aplicá-lo no resto do distrito, assim como noutros distritos. Garantir o envolvimento do governo local também pode permitir ter mais recursos ao projeto, ajudando igualmente a mantê-lo e a sustentá-lo após a saída da WaterAid.

É necessária uma coordenação entre as partes interessadas para ter impacto a nível nacional

Atualmente, existem várias partes interessadas que estão a implementar serviços WASH em pequena escala em projetos de instalações de cuidados de saúde. O que está em falta é um programa nacional que vise implementar estas orientações em grande escala. Para realmente fazer mudanças, e rapidamente, é necessária uma intervenção nacional para implementar WASH em instalações de cuidados de saúde, que envolva todas as principais partes interessadas.

A jornada está apenas a começar para a Tanzânia, com o ministério da saúde a indicar que há mais de 6000 instalações de cuidados de saúde no país, em que 50% delas têm acesso a WASH. No entanto, os dois conjuntos de orientações constituem um primeiro passo importante, e temos de prosseguir com o ciclo de políticas e práticas para fazer mudanças duradouras e sustentáveis.

O governo da Tanzânia é um dos vários estados-membros que irão liderar o debate global sobre WASH em instalações de cuidados de saúde na próxima Assembleia Mundial da Saúde, incluindo a apresentação de uma proposta de resolução formal. A WaterAid insta todos os estados-membros, de todas as regiões e níveis de rendimento, a apoiar esta resolução, enquanto início de um verdadeiro salto qualitativo em termos de investimento e de ação.