Por que as pessoas podem ter acesso a telemóveis e não a água potável

9 min read

Vincent Casey, conselheiro sénior de WASH da WaterAid, analisa como a comparação de dois serviços completamente diferentes pode oferecer novos ângulos e fornecer lições para chegar a toda a gente em todos os lugares com água potável.

Numa conferência em Londres recentemente, ouvi mais uma vez uma pergunta que me foi feita em inúmeras ocasiões: «Se as pessoas podem ter acesso a telemóveis, por que não podem ter acesso a água potável?»

A rural village in Zambia with a mobile base station in the background
Uma aldeia rural na Zâmbia com uma estação base móvel ao fundo.
WaterAid/Vincent Casey

De acordo com esta investigação January 2016 Afrobarometer que cobriu 35 países africanos, 93% dos entrevistados disseram que havia um serviço de telefonia móvel na sua área e apenas 63% disseram que havia água canalizada. Isso não significa que todos os participantes do inquérito tenham serviços de telefonia móvel ou de água, nem significa que os resultados da pesquisa sejam representativos do acesso nos países africanos mais pobres. A investigação reconhece que os totais reais de acesso provavelmente serão muito mais baixos.

Um relatório da Pew Global descobre que os telemóveis são tão comuns na África do Sul e na Nigéria quanto nos EUA. Este não é o caso em lugares como a Zâmbia rural ou o Uganda, mas um número crescente de pessoas nas comunidades rurais têm acesso ao telemóvel, e a receção está a melhorar dramaticamente. Os serviços de dados móveis de alta velocidade 3G podem ser encontrados em muitos lugares remotos onde as estradas nem sequer são asfaltadas.

Enquanto isso, o acesso à água canalizada está a ficar para trás, com o Programa Conjunto de Monitorização (JMP) a relatar que apenas 16% das pessoas em África têm acesso a ligações domésticas de água. A água canalizada não significa necessariamente água segura; às vezes pode ser mais contaminada do que a água das bombas manuais. E as pessoas não têm acesso à água canalizada para ter água potável; no entanto, a água canalizada é certamente um meio de obter água segura para as casas das pessoas, se for bem gerido.

Então, o que poderia estar por trás da grave disparidade no acesso ao serviço que continua suscitar a pergunta do telemóvel/água? Por que os aumentos no acesso à água canalizada não acompanham o ritmo com um aumento aparentemente exponencial do acesso ao telemóvel?

A questão da prestação de serviços do setor público versus privado é, por vezes, oferecida como motivo. Os serviços de telemóvel são 100% prestados e administrados por empresas privadas, enquanto os serviços de água rural são fornecidos e, ocasionalmente, administrados por uma mistura de governos locais, serviços públicos ou privados, empreiteiros privados, operadores privados de pequena escala, agências de ajuda e utilizadores de serviços. O sucesso do telemóvel deve-se realmente a ser 100% gerido por empresas privadas? Isso implicaria que países como a Zâmbia têm um mercado de água rural lucrativo, ao qual os prestadores de serviços privados de água canalizada poderiam aceder com tarifas acessíveis e um modelo de recuperação de custos completos. Será esse o caso?

As agências de ajuda sufocam o investimento do setor privado nos mercados rurais da água, apoiando a prestação de serviços básicos? Estarão os agentes do setor privado a ser dissuadidos de investir em serviços de água rurais porque o direito humano à água é erroneamente entendido como significando que as pessoas não devem pagar pela água? Ou existem razões mais práticas pelas quais os prestadores de serviços de telemóvel conseguiram chegar a pessoas onde o abastecimento de água canalizada não conseguiu? Parece que este último é verdade.

A água é mais pesada que o tempo de antena...

Acredito que uma explicação fundamental para esta situação é a diferença física fundamental entre a água e o tempo de antena. Um metro cúbico de água pesa uma tonelada; um metro cúbico de radiação eletromagnética que passa pelo ar como um sinal de telemóvel não pesa nada. É evidente que é mais difícil conseguir algo que pesa uma tonelada para as pessoas do que é conseguir algo que não pesa nada.

Ao contrário de um sinal de telemóvel, que um transmissor pode gerar em qualquer lugar, os operadores de água não podem simplesmente produzir água a partir do zero. Muitas vezes, a água não está onde as pessoas precisam, por isso deve ser transportada. A distribuição requer bombas, energia, tubagens, armazenamento, tratamento e gestão de fugas. As famílias rurais podem estar muito longe umas das outras, exigindo grandes quantidades de energia e infraestruturas. Não tem sido prático conectar todas as famílias rurais remotas em grandes redes canalizadas, mesmo em regiões em que se considera ter uma boa cobertura, como a Europa Ocidental. Conectar famílias em locais escassamente povoados como a Província do Sul da Zâmbia seria infinitamente mais desafiador.

Why can people get access to mobile phones, and not safe water – towers
Uma estação base (à esquerda) pode servir milhares de pessoas num raio de 32 km. Uma torre de água (à direita) serve cerca de 40 pessoas num pequeno hotel.
WaterAid/Vincent Casey

O 3G não precisa de tubos

Qualquer pessoa dentro de um raio de 32 km de uma estação base de telemóvel pode aceder a serviços móveis com nada mais do que um aparelho. As estações base transmitem e recebem sinais sem fios e as torres comunicam por ligações de micro-ondas. As ligações de micro-ondas de alta qualidade são caras, mas mais baratas do que colocar os milhares de quilómetros de cabo de fibra ótica que, de outra forma, seriam necessários para uma rede de dados nacional.

A cobertura móvel pode ser gerida de forma central

A gestão e a manutenção de serviços móveis são altamente centralizadas em torno de estações base e trocas de dados a nível nacional. Uma estrutura de gestão e manutenção altamente centralizada, juntamente com um produto que pode ser transmitido em todas as direções a partir de um ponto central, permite que as operadoras móveis cheguem a pessoas em vastas áreas e transmitam as suas chamadas a nível nacional ou global em segundos.

As necessidades físicas associadas ao fornecimento de prestadores de água forçam a adotar um método de prestação de serviços mais descentralizado do que o dos prestadores de serviços móveis. Isso traz restrições substanciais de capacidade humana e financeira, que constituem um forte peso nos níveis de serviço.

O provedor de serviços tem controlo total sobre o acesso ao telemóvel

Os utilizadores de telemóveis geralmente não constroem os seus próprios aparelhos ou configuram as suas próprias redes móveis. O controlo do serviço está nas mãos do fornecedor de serviços móveis, que pode estar confiante de que não perderá a sua quota de mercado porque as pessoas estão a fugir para as suas próprias opções de serviço móvel improvisadas. Os utilizadores da água, no entanto, têm a opção de cavar os seus próprios poços ou de recolher água de rios e lagos. Onde o abastecimento de água canalizada custa dinheiro, mas a água proveniente de bombas manuais e poços é gratuita, as pessoas geralmente optam por este último, o que torna a cobrança de receitas mais difícil para os operadores de esquemas canalizados. Não há nada de errado com os utilizadores que desenvolvem as suas próprias opções de abastecimento de água segura; na verdade, isso deve ser incentivado, pois às vezes pode ser uma maneira mais realista de dar às pessoas um serviço seguro.

A tap stand in rural Zambia
Um suporte de torneira na Zâmbia rural.
WaterAid/Vincent Casey

Gestão de ativos e maior potencial de concorrência

Quando as operadoras móveis começaram, todas elas construíram as suas próprias estações base. Algumas tinham cobertura em certas áreas, outras não. Agora estão cada vez mais a agrupar os seus ativos vendendo estações base para empresas terceirizadas que assumem a sua gestão. Essas empresas alugam espaço nas estações base para diferentes redes, permitindo que todas elas atinjam uma área mais ampla. Isso estimula a concorrência entre os fornecedores, o que baixa os preços para os utilizadores.

Oportunidades de investimento atrativas

Os mercados móveis são territórios relativamente novos, proporcionando oportunidades de investimento emocionantes para os gestores de fundos. O setor móvel tem atraído capital estrangeiro suficiente para criar a infraestrutura necessária para proporcionar uma cobertura generalizada. Os fundos foram canalizados através das próprias empresas móveis, reduzindo o potencial de desvio.

A água rural, no entanto, não é uma nova área de negócio, nem tem sido uma oportunidade de investimento atrativa.

Mas os fornecedores de serviços móveis também enfrentam desafios

Isso não quer dizer que é fácil conseguir cobertura de rede móvel para as pessoas. Como ficou demonstrado neste relatório da International Finance Corporation, a execução de uma estação base não é barata — baixas taxas de eletrificação rural e frequentes quedas de energia significam que muitas torres devem ser executadas fora da rede, usando geradores a diesel 24 horas a alto custo monetário e ambiental. Há também custos de manutenção significativos e evidências de perdas ocasionadas por roubos e vandalismo à infraestrutura.

Estradas pobres trazem altos custos de transporte, e muitos países têm políticas e ambientes regulatórios incertos.

Por trás das dramáticas manchetes sobre altas taxas de acesso a telemóveis em África, as operadoras estão a enfrentar desafios logísticos e de penetração de mercado significativos. Ainda assim, estão a avançar e conseguindo grandes lucros.

Apesar das diferenças entre serviços móveis e de abastecimento de água, o setor da água — composto por governos, doadores, ONGs, operadores do setor privado e público envolvidos na entrega do abastecimento de água — tem muito a aprender com a forma como as operadoras de serviços móveis prestam serviços em África. Há uma enorme atenção à gestão dos serviços, manutenção do serviço, níveis de serviço, gestão de ativos e apoio ao cliente.

Mau para o negócio

Nenhuma operadora móvel construiria uma estação base e a entregaria a uma comunidade rural remota para a gerir sem um mecanismo de apoio de serviço contínuo bastante sofisticado. Nenhuma operadora de telemóveis daria aos clientes aparelhos e perguntar-lhes-ia quanto gostariam de pagar pelas chamadas. Nenhuma operadora de telemóveis executaria um serviço continuamente mau com períodos frequentes de inatividade — perderiam receitas muito rapidamente. Nenhuma operadora de telemóveis continuaria a implementar um modelo de prestação de serviços que falhasse repetidamente sem o rever. Nenhuma operadora de telemóveis ignoraria o feedback dos utilizadores sobre como os serviços poderiam ser melhorados, a menos que se quisesse tornar irrelevante.

Essas práticas são todas bastante comuns no setor hídrico rural, e precisam urgentemente de se tornar o foco para os envolvidos na prestação de serviços, além de conseguir um novo acesso para comunidades não atendidas.

Potenciais modelos de sucesso

Existem alguns modelos muito promissores para o fornecimento de água rural canalizada com níveis de serviço mais elevados.

Os operadores privados que executam serviços canalizados em áreas rurais lutam para ter acesso a crédito para grandes manutenções, gestão financeira, aquisição de peças de alta qualidade e acesso a formação. No Uganda, associações regionais de operadores, conhecidas como guarda-chuvas, ajudaram a melhorar os níveis de serviço. Essas associações auxiliam na formação, aquisição de peças, empréstimos e gestão financeira. Elas fortalecem a comunicação entre o governo, os prestadores de serviços e os utilizadores para garantir que se resolvem os contínuos problemas de serviço.

Os guarda-chuvas concentram-se em centros de crescimento rural (800-12 000 habitantes) e pequenas cidades, mas com mais apoio eles poderiam diminuir ainda mais. Como as contribuições dos membros não cobrem os custos totais, este serviço deve ser subsidiado da mesma forma que muitas vezes é nos países desenvolvidos. As pessoas precisam de serviços agora e, em locais onde há uma economia monetária limitada, a perspetiva de 100% de recuperação de custos parece atualmente uma proposta abstrata. O subsídio às associações de apoio não impede que os operadores privados entrem no mercado rural da água, criando, na realidade, um ambiente propício para o fazerem. A WaterAid estabeleceu um modelo semelhante a estas associações de apoio guarda-chuva em Timor Leste. Esteja atento a mais notícias de colegas em Timor Leste em breve.

Todos os intervenientes do setor hídrico rural devem prestar muita atenção a esses modelos e esforçarem-se para conseguir níveis de serviço mais elevados. Sem atenção à gestão de serviços, níveis de serviço, gestão de ativos e apoio ao cliente, juntamente com esforços para incentivar o auto-abastecimento sempre que possível, os serviços de água continuarão a ficar atrás do telemóvel.