Água, saneamento e higiene em locais públicos devem ser melhorados para apoiar o desenvolvimento económico

7 min read
Women stack yams and carry produce at Bimbila Market in the Nanumba North Municipal Assembly, Ghana.
WaterAid Ghana

Durante a pandemia do COVID-19, muitos trabalhadores informais tiveram que manter os seus negócios abertos, apesar de muitas vezes não terem os serviços e instalações de que precisam para se manterem higiénicos e seguros. David Aidoo descreve os desafios que as pessoas que trabalham nos lugares públicos do Gana enfrentaram, pelo qual apoiar esse setor é importante para o país e como a WaterAid Ghana está a trabalhar para resolver as lacunas nos serviços de higiene.

Água limpa, saneamento decente e bons serviços de higiene são fundamentais para o desenvolvimento económico. Eles podem facilitar o desenvolvimento de negócios, especialmente no setor informal, o que contribui significativamente para o crescimento económico e o desenvolvimento em muitos países em desenvolvimento.

Em 2019, o PIB do Gana foi de US$67 bilhões, para os quais o setor informal, incluindo mais de 33 profissões informais e tipos de artesãos, contribuiu com cerca de 27%. Cerca de 90% dos negócios registados estão no setor informal. Muitas atividades económicas, particularmente neste setor, são realizadas em locais públicos, mercados locais e postos de camiões, por agricultores, comerciantes, artesãos e outros.

Men butchering meat at Bimbila Market in the Nanumba North Municipal Assembly, Ghana.
Homens desmanchando carne no Mercado Bimbila na Assembleia Municipal Norte de Nanumba, Gana.
WaterAid Ghana

Resposta ao COVID-19 do Gana nos mercados

Apesar do seu papel crítico na economia e do aumento da pandemia de COVID-19, as estações de transporte e mercados continuam a não ter instalações sustentáveis de lavagem das mãos e outros equipamentos essenciais de proteção individual (EPI) que apoiariam uma atividade económica segura e contínua, permitindo que as pessoas aderissem rigorosamente aos protocolos de segurança. Os poderes para construir e gerir esses mercados locais pertencem à autoridade das Assembleias Metropolitanas, Municipais e Distritais (MMDAS) como parte da sua função de promover o desenvolvimento económico local.

Depois de o Gana ter registado o seu primeiro caso COVID-19 em março de 2020, o Governo estabeleceu cinco objetivos principais para combater a pandemia:

  1. Limitar e interromper a importação do vírus.
  2. Conter a sua propagação.
  3. Prestar cuidados adequados aos doentes.
  4. Limitar o impacto do vírus na vida social e económica.
  5. Inspirar a expansão da nossa capacidade doméstica e aprofundar a nossa autossuficiência.

Isso levou o Governo a introduzir o bloqueio parcial na Grande Acra, Kasoa e Grande Kumasi, onde os movimentos dos cidadãos estavam restringidos ao uso dos serviços essenciais. Locais públicos como mercados locais, centros de saúde e postos de camiões foram as poucas áreas que continuaram a operar.

Bloqueio nos mercados do Gana

Para garantir que os cidadãos aderiam aos protocolos de segurança da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Serviço de Saúde do Gana e evitar que viajassem longas distâncias para os mercados, os MDAs mandataram implementar a estratégia de gestão do COVID-19 nas suas respetivas assembleias e estabelecessem mercados «satélites» dentro e nos arredores da suas cidades.

Antes da pandemia de COVID-19, o fornecimento de serviços de água, saneamento e higiene (WASH) em locais públicos não tinha sido priorizado, especialmente em mercados e estações de camiões. Durante a pandemia, o Governo distribuiu milhares de baldes de veronica nos mercados satélite para apoiar as pessoas a praticar a higiene das mãos em momentos críticos. Estas, entre outras medidas temporárias introduzidas pelo Governo, e apoiadas por várias instituições e organizações da sociedade civil, ajudaram a gerir e conter o vírus. Mas não foram construídos de forma sustentável nem mantidos, resultando em avarias, deixando as pessoas novamente incapazes de seguir os protocolos de higiene do COVID-19.

A man wearing a mask washing his hands at a veronica bucket at Bimbila Market in the Nanumba North Municipal Assembly, Ghana.
Um homem lavando as mãos num balde veronica no Mercado Bimbila, na Assembleia Municipal do Norte de Nanumba, Gana.
WaterAid Ghana

Fazendo da boa higiene das mãos um novo normal

Num discurso à nação antes da pandemia, o presidente Akufo-Addo defendeu a necessidade de os cidadãos praticarem continuamente a higiene das mãos como um novo normal. Esse comportamento simples pode salvar vidas, cortando a diarreia em quase metade e as infeções respiratórias agudas em quase um quarto.

A lavagem das mãos com sabão afeta não apenas a saúde e a nutrição, mas também a educação, a economia e a equidade. No entanto, o relatório da OMS/UNICEF JMP 2019 afirma que três bilhões de pessoas em todo o mundo não têm as facilidades para praticar a lavagem básica das mãos em casa, e que no Gana 59% das pessoas não conseguem praticar a higiene das mãos em todos os momentos críticos (PDF).

Quando a pandemia rebentou, ficou claro que, além desse valor diário, lavar as mãos com sabão estava entre as formas mais eficazes e baratas de prevenir o COVID-19, conforme relatado pela Global Handwashing Partnership. A lavagem das mãos tornou-se uma prioridade para a saúde. No entanto, tendo sido abordado de forma desigual, era necessário mais trabalho.

Enfrentar as lacunas nos serviços WASH nos espaços públicos do Gana

A WaterAid Ghana, em apoio a iniciativas lideradas pelo governo para combater a propagação do COVID-19, lançou um projeto em parceria com a Fundação Mastercard para promover os cinco comportamentos de higiene principais da OMS, particularmente a higiene das mãos, em 15 mercados. Chamada de Segurança dos Mercados e Estigmatização antecipada dos Sobreviventes do COVID-19: uma Campanha Integrada de Mudança de Comportamento de hHigiene, está a ser implementada em três regiões.

Como parte da implementação, concluímos uma pesquisa para entender as várias lacunas, particularmente no WASH, que impedem que operadores de mercado (comerciantes, motoristas, carregadores à cabeça, motoristas de autocarros) e clientes pratiquem a higiene das mãos em todos os momentos críticos.

Os resultados sugerem que o Governo, através dos MDAs, fez um bom trabalho na promoção da higiene das mãos nos mercados locais do país durante a pandemia. Isso incluiu a distribuição de baldes de veronica, identificando pessoas responsáveis por encher os baldes com água e fornecer sabão aos mercados. Eles mostraram que os MDAs também promovem a necessidade de lavar as mãos em todos os momentos críticos, entre outros protocolos, transmitindo através de sistemas de informação em locais públicos, como mercados e postos de camiões.

A pesquisa também identificou lacunas no estado de WASH dos nossos mercados que têm impacto na prática da lavagem das mãos, que os tomadores de decisão e políticos em todos os níveis devem priorizar para ajudar a tornar locais públicos, particularmente mercados e postos de camiões, seguros para negociantes e clientes. Isso é crítico agora que o Governo está a aliviar as restrições.

Muitos mercados locais têm vários pontos de entrada, exigindo que as instalações de lavagem das mãos sejam colocadas em todos os pontos para que operadores de mercado e clientes acedam facilmente e lavem as mãos. E, embora os baldes de veronica fossem uma solução de emergência crucial, eles não são duradouros ou eficazes a longo prazo, contando com os operadores do mercado para monitorizá-los e enchê-los, muitas vezes caminhando longas distâncias até uma fonte de água. Isso levou a que em várias ocasiões pessoas dispostas a lavar as mãos não pudessem fazê-lo.

Além disso, os baldes fornecidos não são compatíveis com deficientes, o que vai contra a constituição, especificamente a Lei de Pessoas com Deficiência, Lei 715 de 2006. Isso torna impossível para as pessoas seguirem o apelo do Presidente para praticar continuamente a higiene das mãos em todos os momentos críticos, particularmente quando em locais públicos, como mercados e postos de camiões.

A view of Bimbila Market in the Nanumba North Municipal Assembly, Ghana.
Mercado Bimbila na Assembleia Municipal do Norte de Nanumba, Gana.
WaterAid Ghana

Fortalecimento do setor informal com WASH seguro

Manter os nossos mercados seguros através do fornecimento de instalações WASH adequadas apoiaria substancialmente o fortalecimento e a melhoria do setor informal, o que contribui significativamente para a economia em termos de produtividade e oportunidades de emprego para a força de trabalho do Gana. Estudos mostraram que lavar as mãos em todos os momentos críticos é uma das melhores maneiras de evitar a propagação de infeções comuns e com risco de vida, incluindo o COVID-19. Se os operadores de mercado pudessem ter acesso a instalações sustentáveis de lavagem das mãos e praticar outros protocolos recomendados pela OMS, teriam mais oportunidades de se manterem saudáveis, o que os ajudaria a continuar a trabalhar de forma eficaz e a apoiar a economia.

Como tal, é imperativo que o Governo, através dos MDAs, com urgência aborde as inadequações e lacunas do WASH em locais públicos, fornecendo instalações de lavagem de mãos mais permanentes e sustentáveis; fornecendo ou reabilitando sistemas de água; e intensificando campanhas de higiene. Isso seria uma enorme ajuda para tornar os nossos mercados e postos de camiões seguros e para apoiar o nosso valioso setor informal - durante a pandemia e além disso.

David Aidoo é o Gerente de Subsídios para WaterAid Ghana e atualmente cobre o portfólio de financiamento e parcerias do Programa País. Uma versão deste blog apareceu pela primeira vez impressa e no B& FT Online.

Imagem superior: As mulheres empilham inhame e carregam produtos no Mercado Bimbila na Assembleia Municipal Norte de Nanumba, Gana.