Aproveitar a oportunidade: integração de imunização com água, saneamento e higiene

on
24 April 2018
in
Saúde
Thumbnail
WaterAid/Mani Karmacharya

Com as primeiras avaliações de programas combinados de imunização e higiene a revelarem resultados promissores, é necessária mais investigação sobre o que poderia fazer uma enorme diferença para a saúde nos países de baixo e médio rendimento. Sophie Durrans, Responsável pela Aplicação de Investigação no Consórcio SHARE, e Megan Wilson-Jones, Analista Política – Saúde e Higiene na WaterAid Reino Unido, examinam a ligação.

Água, saneamento e higiene (WASH) e vacinação são ferramentas importantes na prevenção e controle de doenças, inclusive de condições infantis comuns, como doenças diarreicas. O controlo e a prevenção de doenças de longo prazo e abrangentes exigem infraestruturas de água e saneamento seguras, limpas e adequadas, bem como práticas de higiene sustentáveis, para além dos programas de vacinação; estes devem existir juntamente com muitos outros fatores críticos, incluindo a vigilância de doenças e sistemas de saúde fortes que chegam a todos.

Em comparação com as vacinas injetáveis, as vacinas orais vivas podem proteger melhor contra infeções intestinais e muitas vezes são mais fáceis de disponibilizar em escala e para comunidades remotas. No entanto, a eficácia das vacinas orais difere significativamente por região e país. Por exemplo, a mesma vacina contra o rotavírus que protegeu 98% das crianças nos EUA e na Finlândia apenas protegeu 43% das crianças no Bangladexe .

Esta menor eficácia é frequentemente observada em muitos contextos de rendimentos baixos e médios, onde a carga de doenças evitáveis por vacinação é mais elevada. A diferença na eficácia da vacina por região não é um fenómeno novo – têm-se notado variações desde os primeiros ensaios orais de vacinas contra a poliomielite no final dos anos 1950.

O que isto tem a ver com o WASH?

Um fator que se pensa que poderá reduzir a eficácia da vacina oral é a enteropatia ambiental. A enteropatia ambiental é uma síndrome resultante da inflamação crónica do intestino devido a episódios repetidos de diarreia. A diarreia recorrente afeta as vilosidades no intestino delgado, reduzindo a sua capacidade de absorver nutrientes e vacinas.

Em locais com instalações de saneamento de má qualidade e práticas de higiene deficientes, a eficácia da vacina pode, portanto, ser muito menor. É aqui que a água, o saneamento, a higiene e a vacinação se entrelaçam firmemente, fortalecendo a lógica para a entrega conjunta.

Participants receiving mirror-fan as visual reminders to place in their houses for behaviour reinforcement.
WaterAid/Om Prasad Gautam

Um estudo recente apoiado pelo Consórcio SHARE examinou a imunogenicidade (a capacidade de uma vacina para levar o corpo a reagir) da vacina contra o rotavírus em bebés com enteropatia ambiental em Lusaca, Zâmbia. Os investigadores descobriram que, nas fases iniciais da enteropatia ambiental, ocorrem danos na integridade da barreira intestinal, resultando num aumento da permeabilidade intestinal. Os agentes patogénicos que normalmente são impedidos de passar são, em vez disso, absorvidos pelo organismo.

No estudo, as crianças vacinadas com rotavírus durante esta fase da enteropatia ambiental tomaram a vacina e responderam muito bem à mesma. É possível que as fases posteriores da enteropatia ambiental sejam mais problemáticas para a absorção. As agressões repetidas ao intestino por infeções intestinais significam que as vilosidades encolhem e ficam enfraquecidas. Isto pode levar à má absorção, conclui o estudo: os bebés não conseguem absorver a vacina, pelo que podem ter uma deficiente resposta da vacina e ficar mal protegidos.

Contudo, este é um tema complexo que necessita de mais investigação para reforçar a fundamentação. Uma recente análise (no prelo) que explora a relação entre a enteropatia ambiental e a resposta à vacina oral concluiu que as evidências atuais são insuficientes para determinar se a enteropatia ambiental contribui para um fraco desempenho da vacina oral. Felizmente, estão em curso vários ensaios – incluindo o SHINE, no Zimbabué, e o SaniVac, em Moçambique – e esperamos que estes resultados melhorem a nossa compreensão do papel que o WASH desempenha na eficácia da vacina oral.

Imunização como ponto de entrada para o WASH

A possível relação entre água, saneamento e higiene e a resposta vacinal destaca ainda mais a importância crítica de garantir uma abordagem abrangente para o controlo da doença. Como a imunização atinge mais crianças do que qualquer outra intervenção de saúde, também serve como importante ponto de entrada para integrar intervenções de WASH.

A WaterAid, em parceria com os governos nacionais, está a acompanhar uma abordagem em vários países, incluindo o Nepal e Moçambique, que integra a promoção da higiene na administração de vacinas contra o rotavírus ou a cólera oral.

Os resultados do piloto do Nepal mostraram que a intervenção: melhorou todos os principais comportamentos de higiene de 2% na linha de base para 53% um ano após a implementação; aumentou a cobertura imunológica; e reduziu a taxa de abandono e desperdício de vacinas. Apesar de não ser medido através de uma conceção de ensaio controlado aleatorizado, a avaliação independente observou uma redução substancial da prevalência de diarreia após o programa. Isto poderá dever-se a comportamentos melhorados, incluindo outros programas em curso.

Reunir as duas intervenções de imunização e WASH tem o potencial não só de reforçar os sistemas de imunização e aumentar o número de pessoas que tomam vacinas, mas também de ser o elo que faltaria para melhorar a eficácia das vacinas orais em contextos de rendimentos baixos e médios. Precisamos de mais investigação para compreender melhor estas interações biológicas e mais experiência operacional para explorar formas de ligar melhor o WASH e a imunização para maximizar o impacto na saúde.

Este artigo também está disponível em vaccineswork.org e shareresearch.org